Bathory – “Blood On Ice” Review

[amazon_link asins=’B000006Z9J,B00FV016XO,B00FV016LG,B01N8Z2KX2,B00FV0177O,B000006Z9I,B000006Z9P,B00IOIBAGS,B003VD1VTC,B00MU9XQ3M’ template=’ProductGrid’ store=’woofme-21′ marketplace=’ES’ link_id=’2a5ba725-3926-11e8-891d-1536ce5d5938′]
Os Bathory são provavelmente a grande influência da música extrema, contando o seu contributo para o black metal, viking metal e uma série de outros subgéneros. “Blood On Ice” foi durante mais de sete anos anos a obra prima escondida da banda de Quorthon (talvez a primeira verdadeira one-man-band?), tendo sido começado a ser idealizado por volta de 1988, sendo o primeiro álbum conceptual da carreira. Como não haviam muitas certezas acerca desta jogada, o álbum foi ficando na gaveta, enquanto “Blood Fire Death” e “Hammerheart” foram sendo produzidos e lançados.
Na altura a intenção era deixar o tema do chifrudo, e isso foi feito, no entanto, um álbum conceptual que teria de ser duplo, simplesmente não poderia ser – assim como “Hammerheart” seriam para ser lançados juntos, tiveram que ser separados, acontecendo o mesmo com os Helloween nos míticos “Keepers Of The Seven Keys Part 1 e 2”. Isto tudo porque um duplo vinil iria encarecer em demasia o álbum e aumentar o preço do mesmo, que prejudicaria sem dúvida as vendas. No entanto, tendo sido escoada a informação de que estaria a trabalhar em “Blood On Ice”, os fãs não se esqueceram e foram perguntando a Quorthon ao longo dos anos por esse trabalho. A insistência foi de tal forma que fez com que o músico considerasse procurar as velhas gravações registadas em 1989. A qualidade foi de tal forma surpreendente para ele, que começou a trabalhar nas mesmas, tendo gravado novas partes de forma a poder lançar finalmente o seu primeiro álbum conceptual.
Para acabar o enquadramento histórico, só falta dizer que os dois álbuns anteriores (“Requiem” e “Octagon” apoiaram-se no thrash metal deixando a temática viking para trás – dois álbuns bastante manhosos, dos mais fracos registados por Quorthon o que nos leva a pensar que se calhar não foi tanto ouvir os fãs mas mais pegar num pouco de inspiração passada – não temos como saber isso, nem é essa a questão primordial. A música, como sempre, é o que interessa mais. Como álbum conceptual, este álbum é muito bom, sendo que quem quiser acompanhar a história, poderá usar as narrativas que surgem após cada tema para o efeito.
Musicalmente, percebe-se o porquê da hesitação de Quorthon. Seria realmente uma passagem muito brusca de um “Blood Fire Death” para este “Blood On Ice”, sendo que este álbum apesar de ser de alguma forma mais diverso não tem o punch nem a violência épica de “Blood Fire Death” nem tão pouco de um “Hammerheart”. Além de que usa um pouco o truque da repetição que é comum nas óperas rock ou nos álbuns conceptuais. Existem temas muito semelhantes (“Blood On Ice” e “The Revenge Of The Blood On Ice” tem a mesma melodia base e “The Sword”, “The Stallion” e “The Lake” parecem ter todas o mesmo tipo de ritmo) mas neste caso ajuda a que se torne um álbum conceptual mais forte. Claro que se notam muitas limitações em termos das capacidades de Quorthon principalmente a nível vocal – as vozes limpas deixam isso perfeitamente a descoberto.
Apesar de todos estes contras, há sempre um encanto qualquer que este álbum tem. Pessoalmente, fez parte do meu crescimento musical, numa altura (96, que ano diabolicamente rico para todos nós, no que à qualidade musical diz respeito) em que me estava a abrir à música mais extrema – o que é curioso, já que este álbum entra mais na categoria do heavy metal do que qualquer coisa mais extrema – e é difícil avaliá-lo distanciando-me desse facto. O que posso dizer é que não foi um amor imediato. Foram necessárias bastantes audições. Também podemos dizer que se trata de um trabalho inferior a “Blood Fire Death”, “Hammerheart” ou até mesmo “Twilight Of The Gods”, mas tem uma magia, tem um ambiente muito próprio e muito mágico que é único. E só por isso torna a sua aquisição obrigatória, porque a magia destas não anda por aí a nascer nas árvores.
1. Intro
2. Blood on Ice
3. Man of Iron
4. One Eyed Old Man
5. The Sword
6. The Stallion
7. The Woodwoma
8. The Lake
9. Gods of Thunder of Wind and of Rain
10. The Ravens
11. The Revenge of the Blood on Ice
Duração 53:40
Nota 8.5/10
 


 

[quadsvi id=1]

Support World Of Metal
Become a Patron!

New WOM Android APP – Read All Our Issues for free!
World Of Metal Magazine – Out Now
Download It Here!

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: