Carcariass – “E-xtinction” Review

1. Chaos and Decay
2. In Cold Blood
3. Domination
4. Exulting Pain
5. Revenger
6. Threshold to Madness
7. Dying Today
8. E-xtinction
9. Chaos and Decay
10. Domination
11. Revenger
12. Dying Today
13. Void Attraction
Duração 65:11
Já não ouvimos falar dos Carcariass há bastante tempo. Se não estou em erro, a última vez foi numa compilação de oferta com uma revista francesa com destaque para o seu segundo trabalho “Sideral Torment”. Antes que nos alonguemos mais, convém relembrar de que o que temos aqui não é um novo álbum e sim uma reedição do seu quarto álbum, editado no já longínquo ano de 2009. Como tínhamos perdido o contacto com a banda, tínhamos curiosidade para ouvir este trabalho, mesmo sabendo que nos chega às mãos com uns já consideráveis anos de atraso, curiosamente o mesmo tempo que separa o anerior álbum deste. Não poderíamos ficar mais surpreendidos com as mudanças que encontrámos.
Quando antes tínhamos um death metal técnico mas ainda assim melódico, encontramos o que parece ser metal progressivo com algumas vocalizações guturais. E, esta é a parte pouco usual, quando dizemos algumas vocalizações, não quer dizer que a banda foi adocicando o seu som com vozes limpas. Todas as vocalizações que temos aqui são guturais, mesmo que não sejam tão poderosas como antigamente. A questão é que só surgem em quatro faixas, das treze (contando com a faixa bónus) que compõem este trabalho. Mas também essas doze são compostas por quatro versões instrumentais das faixas que levam voz.
Estranho, não é? Poderão pensar que é o suficiente para que coloquemos de parte este trabalho.
Grande erro.
É o que o torna mais interessante. O trabalho instrumental é absolutamente espantoso e se em alguns momentos pudesse ser apenas mais um pouco pesado e intenso, o que é certo que a eficácia destas composições e a qualidade da instrumentalização é perfeita. Facilmente nos perdemos neste álbum, sem ter qualquer noção do tempo e espaço à nossa volta. Sabem aquela descrição que fazem do jazz, como é capaz de elevar o ouvinte e de sentir-se nas nuvens, longe de tudo onde está fisicamente. É o dom deste álbum, sem com isto dizer que existe alguma aproximação estilística ao jazz apesar de ser bastante técnico. Foi um bom matar de saudades, agora só esperamos pelo regresso a sério. Já passaram sete anos, está na hora. 
Nota 9/10

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.