Départe – “Failure, Subside” Review

1. Seas of Glass
2. Ashes in Bloom
3. Wither
4. Grief Echoes (Golden Scars)
5. Mara’s Choir
6. Vessel
7. Ruin
Duração 50:38
Sei que provavelmente estamos a dar muita importância a isto mas porque será que há certos rótulos que para nós simplesmente não colam? Na bíblia do metal está lá indicado que a banda australiana Départe se trata um colectivo que se move pelos campos do pós-black e do death metal e ao ouvir este excelente “Failure, Subside”, aquilo que sentimos é que levamos com uma marreta doom pela cornadura abaixo. Provavelmente o problema é nosso, mas é algo que não conseguimos evitar de referir, principalmente por se tratar do álbum de estreia da banda e isso poder influenciar juízos de valor que sejam formados acerca dos australianos sem sequer que se ouça uma nota.
Ok, dando alguma razão ao rótulo dado e atrás citado, existem por aqui algum pedal duplo em abundância e alguma intensa sonora que nos faz pender para o lado do death metal e a negritudo talvez justifique o pós-black mas o que é certo é que o doom também pode ter isso tudo, mas pronto, vamos abandonar esta discussão e focar-nos na música em si. E poderíamos dizer apenas intenso, embora tal nos soasse muito, mas mesmo muito a pouco porque dá-nos uma ideia muito vaga do que se pode encontrar aqui: uma autêntica viagem por tudo o que é negro e que temos dentro de nós. O que é o mesmo que dizer que não é um álbum fácil de ouvir, mas como já devem desconfiar, é por isso mesmo que gostamos dele.
Os Départe usam tudo aquilo que está ao seu alcance para chegar ao sítio onde querem chegar que é basicamente ao interior de cada ouvinte. Será como a hipnose, ajuda se estivermos dispostos a abdicar do nosso controlo e aqui não tivemos grande dificuldade nesse ponto, mais que não fosse para verificarmos até onde é que nos iriam levar. E não nos arrependemos. Mais do que tudo atrás mencionado, a sua grande arma e aquilo que une estas sete faixas umas às outras, é o seu ambiente, um ambiente único que é quase como o quinto membro da banda, um que na nossa opinião, faz toda a diferença.
Já falámos muitas vezes como a Austrália nos tem surpreendido com as suas mais recentes exportações, mas isto é simplesmente um abuso. Os Départe são das coisas mais potentes e excitantes que ouvimos não só vindo da grande ilha como também em todo o ano. Excelente estreia.
Nota 9.5/10

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.