Nova Collective – “The Further Side” Review


01. Dancing Machines
02. Cascades
03. Air
04. State Of Flux
05. Ripped Apart And Reassembled
06. The Furter Side
Duração 47:52
Os Nova Collective são uma daquelas bandas que poderão fascinar imediatamente os fãs daquele som que na década de setenta começou a misturar o jazz com o rock progressivo. Até das misturas de jazz de fusão de músicos como Al Di Meola e/ou John McLaughlin. Mas antes de mergulharmos na música vamos às devidas apresentações. Os Nova Collective são uma verdadeira super banda onde temos membros e ex-membros de Between The Buried And Me, Haken e Trioscapes. O que eles tocam, além da descrição dada na primeira frase, é música instrumental que faz com que estes seis temas se sintam mais longos do que aquilo que são realmente.
Apesar dos nomes envolvidos tenham a componente metal muito associada, aquilo que se tem é realmente aquele som que soava revolucionário décadas atrás e os resultados são tão impressionantes como os que tivemos nessa altura. Claro que é exigente e claro que é um trabalho que demora o seu tempo a digerir, mesmo que para os fãs do género rock progressivo, consiga ter um impacto positivo logo à primeira audição, sem grandes dificuldades. Para quem tinha expectativas em relação aos nomes envolvidos, “Dancing Machines”, o tema que abre o álbum, é suficiente para que se fique logo rendido.
Para quem ouve jazz fusão desde essa altura, o álbum não apresenta nada de novo – provavelmente nem era esse o objetivo – e até poderá achar que este álbum chove um pouco no molhado em relação às referências clássicas do género. No entanto, para quem tem o espírito aberto e é fã dos músicos e das bandas em questão, este é um trabalho que se ouve muito, mas muito bem. E até poder servir como ponte para levar novas gerações a conhecer nomes clássicos como Al Di Meola, John McLaughlin e Jaco Pastorius.
Nota 8/10
Support World Of Metal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.