Twilight Force – “Heroes Of Mighty Magic” Review

1. Battle of Arcane Might
2. Powerwind
3. Guardian of the Seas
4. Flight of the Sapphire Dragon
5. There and Back Again
6. Riders of the Dawn
7. Keepers of Fate
8. Rise of a Hero
9. To the Stars
10. Heroes of Mighty Magic
11. Epilogue
12. Knights of Twilight’s Might
Duração 70:22
Com a constante irregularidade dos Rhapsody (com Fire ou sem Fire), seria de esperar que o trono do power metal sinfónico fosse desafiado mais cedo ou mais tarde. Com cinco anos de existência, os suecos Twilight Force assumem-se como os seus principais concorrentes, com este seu segundo álbum, “Heroes Of Mighty Magic”, um álbum que assume todos os lugares comuns do género em particular e do power metal em geral, o que poderá acarretar alguns sentimentos de déjà vú desagradáveis principalmente para quem viveu os dias em que o género estava completamente saturado cerca de dez anos atrás.
Analisemos então este “Heroes Of Mighty Magic” para verificarmos se é um álbum que tem potencial para fazer renascer o interesse generalizado do power metal sinfónico ou se apenas um falso alarme. Para já, não é preciso ouvir muito deste trabalho para se ficar a perceber que o azeite é algo que abunda por aqui. Por nós tudo bem, até porque até os Rhapsody usam bastante azeite na sua salada, mas para quem for alérgico, fica aqui o aviso. Principalmente se ouvirem o “Epilogue”, uma faixa praticamente de spoken word de seis minutos com um efeito que é o equivalente para os ouvidos do que o óleo de fígado de bacalhau é para a garganta e estômago – meus amigos a “A Warrior’s Prayer” dos Manowar é uma anomalia sobrevalorizada. Deixem-na em paz.
Azeite aparte, temos grandes refrães, grandes solos e uma boa capacidade de escrever grandes temas de power metal. É pena é que não traga nada de novo, que não nos surpreenda em nada e que algumas vezes nos faça lembrar os tempos em que ouviamos este tipo de proposta inocentemente. A questão é que agora essa inocência já se perdeu há já algum tempo e que embora exista mercado para este tipo de proposta, dificilmente conseguirá reunir o interesse generalizado como aquele que teria reunido quinze anos atrás. Engraçado para recordar esses tempos, aproveitam-se algumas músicas, mas no geral não é algo que nos entusiasme durante muito tempo. Ainda para mais é enorme!
Nota 6.7/10

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.