WOM Interviews – Evil Sense

São dezessete anos de carreira. Prestes a atingir a maioridade, a banda de São Paulo Evil Sense lança o seu álbum de estreia, “Fight For Freedom” (2017), após problemas com a formação e uma grande expectativa de quem acompanha a banda. Estabilizada agora com Wagner ‘Capú’ (voz / guitarra), Thaigo ‘Suco’ (guitarra), Hugo (baixo) e Ricardo (bateria), a banda busca divulgar seu disco ao máximo e espaço para se apresentar. Sobre este e outros assuntos, Thiago conversou com a World Of Metal.
Por Vitor Franceschini

Agora que “Fight For Freedom” foi lançado, qual a sensação de ter um álbum de estreia finalmente nas mãos do público?

Thiago Suco: A Sensação de ver essa “cria” tomar forma é antes de mais nada a realização de um sonho que foi construído através de muito esforço e perseverança, pois sabemos como é difícil e caro apostar em som autoral. Por esse motivo e também pela repercussão positiva que tivemos através das críticas que saíram após o lançamento. Então podemos dizer que a sensação é de dever cumprido!

Aliás, a banda está na activa desde 2000 e até então havia lançado apenas demos. Por que essa longa demora em soltar o primeiro disco completo? 

Thiago: Do início da banda pra cá houve várias formações e antes do álbum tivemos 3 demos, claro, que por razões de ordem financeira e pela constante troca de integrantes um álbum não foi possível durante este período; sem contar é claro com as dificuldades que estamos cansados de saber. O mais importante em nossa opinião é que jamais desanimamos e como diz o ditado: antes tarde do que nunca! (risos) Lançamos este ano o “Fight for Freedom”.

E como foi o processo de composição deste trabalho, a criação mesmo do disco?

Thiago: O processo de composição talvez tenha sido a parte mais ‘light’ do trabalho, pois algumas composições já vieram das demos, outras não tinham sido registadas, mas já eram executadas ao vivo. Então o trabalho maior foi mais na lapidação das músicas que entraram no play, com exceção da No More Lies, que foi criada durante as gravações, ela nasceu do zero tanto em riffs quanto na letra, mas ela em pouco tempo tomou forma e entrou no CD.

Lembro que quando vocês finalizaram o trabalho vocês lançaram um comunicado a falar do processo de produção, que foi tranquilo, porém demorado. Para ajudar houve troca de membros da banda. Como foi manter a serenidade, encontrar uma nova formação e também manter a ansiedade, que deve ser o pior sentimento de todos quando se está pra lançar um trabalho?

Thiago: O processo de produção em si correu tudo bem. Gravámos no KW com o Dog que é nosso irmão de anos e já conhecia nosso som e na ocasião o Waine (filho do Dog) era nosso baterista, então estávamos em casa. A demora se deu mais por conta de questões financeiras e também a questão de tempo, pois estava todo mundo trabalhando pra cacete. Depois de tudo gravado e em fase de misstura tivemos a saída da cozinha (n.e. secção rítmica da banda, ou seja, baixista e baterista) duma vez só. Nessas horas bate sim o desânimo, mas conversei com o Capú e falei “cara agora é só a gente, vamo atrás de uns cabra ai e vamo bota pra fuder” e foi exatamente o que fizemos; convidamos a fazer parte da banda o Hugo e Ricardo (respectivamente baixista e baterista) os quais já eram nossos amigos de longa data. A coisa funcionou tão bem que temos recebido feedback do público dizendo que é a formação mais brutal até hoje!

Falando da sonoridade do disco, vocês trazem nele momentos distintos que passam pelo Thrash Metal e outros que nos remetem ao Speed Metal / Metal tradicional. Como conciliar estes estilos sem misturar e manter a característica da banda?

Thiago: Hoje cada integrante dos Evil Sense tem uma influência mais “acentuada” em determinada vertente do Metal; seja ela Heavy, Thrash, Death ou tradicional; então procuramos trazer um pouco de cada influência para as nossas composições, claro, que com as devidas proporções sem fazer aquela ‘mistureba’ sem pé nem cabeça, mas de um forma que o público tenha essa percepção das nossas influências. Por outro lado, o lance de rótulo nós deixamos um pouco de lado e nos preocupamos mais em fazer Metal e que agrade a nós e ao público!

Por sinal, a faixa Império Headbanger – O Ritual Metal traz muito do Metal dos anos 80. Vocês podem seguir esse caminho um dia?

Thiago: Os anos 80 são a base da parada né?  Sim, temos ideias para composições mais “old School” como a Império, mas dizer que é um (ou o) caminho é um pouco complicado, pois pode nos limitar. Sabemos sim que devemos manter essa essência dos anos 80 (como fizemos no álbum, até na questão da sonoridade) e como o Metal (até mesmo dentro do contexto anos 80) temos muito a explorar, então aguardem novidades!

As estruturas das composições, principalmente os riffs de guitarras chamam atenção pela solidez. Esse foi o foco de vocês?

Thiago: O foco das composições é tentar expressar em forma de riffs de guitarra algum tipo de sentimento, seja ele ódio, reflexão, o que vai depender do contexto da música. Grande parte dos riffs já haviam sido compostos e alguns por outros músicos, e a ideia é de cada um imprimir sua pegada, seja em algo que outrora havia sido criado e também nas composições mais novas. Mas de uma forma geral nos preocupamos com a solidez e a estrutura das composições, para no final o resultado ser agradável a nós e principalmente ao público.

Os temas abordados falam de assuntos variados como religião, guerras, drogas, política, problemas do nosso cotidiano e algumas psicodelias. Como vocês encaixam esses diversos temas no Metal praticado pela banda?

Thiago: A música nos dá essa liberdade de nos expressar, e no Metal procuramos abordar sobre assuntos que muitas vezes incomodam as pessoas. O Metal de uma certa forma é uma de contracultura né? Acho que não cairia bem falar de amor (ou da falta dele, deixamos para os outros gêneros musicais – risos). Então falar de política (e olha que tem assunto hein?)… Falar de religião ou expor nossas ideias a respeito desses assuntos é bem tranquilo, até por que são assuntos que são comuns entre nós da banda e as ideias fluem muito bem por isso.

Como “Fight For Freedom” tem sido recebido tanto pelo público como pela crítica? Houve algum feedback também do exterior?

Thiago: Até agora as críticasestão falando bem do nosso trabalho, o que nos deixa muito contentes e com a sensação de dever cumprido. Claro que sempre há o que melhorar. O “Fight For Freedom” é um material feito no underground por pessoas do underground, acho que não foi necessário ir p gringa para gravar e falar que foi masterizado lá na ‘PQP’, não! As coisas no underground são mais na raça, tipo no ‘do it yourself’ (Faça você mesmo) mesmo saca? E isso nos dá muito orgulho e isso reflete o feedback positivo que estamos tendo até agora. No exterior confesso que não sei como está saindo, sabemos que o material está rodando aos quatro cantos desse mundão e espero que os gringos estejam curtindo nosso trabalho!

O Metal tem se mostrado cada vez mais versátil e muito prolífico ao menos no underground, incluindo trazendo bandas como o Evil Sense, que resgata as raízes do estilo. Como vocês vêm o actual momento da cena e como enxergam o futuro da mesma?

Thiago: Cara, é espantoso ver como tem bandas boas pra caralho no underground… Tem muita banda boa, de verdade. Uma pena não terem o devido reconhecimento. As bandas do ‘mainstream’ foram aquelas que nos influenciaram, foram e ainda são nossa escola, mas porra, as bandas do underground certamente podem ter o mesmo efeito para a molecada que está iniciando no underground. E para isso acontecer, eu creio que falta uma pouco mais de atitude por parte do publico (sair um pouco da frente do computador e ver ao vivo como realmente a cena funciona). Daí sim, vejo um futuro promissor para aquelas bandas que resistem e persistem na cena, resistem e persistem porque fazem aquilo que amam fazer: Metal! Então headbangers, vão aos concertos, adquira material das bandas, apoiem a cena! Costumamos dizer que o Metal é pior que barata: não morre nem com radiação nuclear (risos), por isso estamos aí. Entra moda e sai moda, mas o Metal continua firme e forte! E que assim seja!

Por fim, quais os planos da banda para esse fim de ano e 2018? Há algo que possam nos adiantar?

Thiago: Temos mais alguns shows marcados para o final deste ano e o que restar vamos tirar um tempo para tirar uma folga e também ir tendo ideias para o próximo play. Os planos para 2018 são os shows para continuar a divulgação do nosso trabalho e em paralelo trabalhar em material novo, que inclusive já temos boas ideias para o próximo play. O que podemos adiantar é que viremos com mais ‘sangue nos zóio’ e que as novas composições estão vindo com uma dose cavalar de brutalidade!

Muito obrigado pela entrevista. Podem deixar uma mensagem aos leitores.

Thiago: Cara, nos é que agradecemos pelo espaço para contar um pouco sobre o Evil Sense. É de suma importância para as bandas e também para o público terem esse espaço para divulgar seu trabalho e para que a galera tenha oportunidade conhecer novas bandas! Do caralho! Headbangers! Vamos manter essa chama do Metal sempre acesa e vamos prestigiar os eventos underground, do menor ao maior evento, não importa! Somos nós que fazemos essa ‘bagaça’ acontecer! ‘Keeping Thrashing’! E nos vemos na estrada motherfuckers!!!

 

https://www.facebook.com/evilsenseofficial


 

[quadsvi id=1]

Support World Of Metal
Become a Patron!

New WOM Android APP – Read All Our Issues for free!
World Of Metal Magazine – Out Now
Download It Here!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: