WOM Reviews – Black Swamp Water / Hearts & Hand Grenades / Yard Of Blondes / Gilby Clarke / Xavier Boscher / Riptide Messiah / S.O.R.M./ Mindtrap

WOM Reviews - Black Swamp Water / Hearts & Hand Grenades / Yard Of Blondes / Gilby Clarke / Xavier Boscher / Riptide Messiah / S.O.R.M./ Mindtrap

Black Swamp Water – “Awakening"

2021 – Mighty Music

Depois de ter dado 10/10 na review do último e aclamado disco dos dinamarqueses Black Swamp Water eis que recebo “Awakening”, a nova proposta da banda. E então, vamos lá tratar disto.

A linha sonora deste álbum continua a ser a mesma, a qualidade essa, na minha opinião, sim porque é disso que se trata, está no ponto certo, de grau muito elevado, mostrando que a banda continua inspirada nas suas composições e assim, com toda a certeza, vão longe! Riffs, duros, pesados e acreditem que a coisa flui de forma fácil pelos nossos ouvidos. Nas 9 faixas que compõem este disco torna-se difícil de destacar uma, mas aquele momento em podemos respirar um pouco foi colocado no ponto certo do seu alinhamento, “Send Me Away” é um tema mais pausado, brilhante e que me preparou para a restante audição. Depois é sempre a abrir e viva o velho rock por tudo aquilo que nos proporciona, na sua essência e na sua abrangência.

Novamente: “FORÇA NISSO RAPAZES”!

10/10
Miguel Correia

Hearts & Hand Grenades – “Hearts & Hand Grenades”

2021 – Eclipse

O nome não impressiona mas é impossível esconder o entusiasmo assim a que a música começa a soar, muito graças à voz de Stephanie Wlosinski que é para lá de marcante. Voz forte e segura que nos puxa para cantar em conjunto. Os nortea-americanos chegam ao álbum de estreia em grande. Hard rock com uma tonalidade moderna mas sem grandes invenções. Apenas boas guitarradas, bons solos e a voz de Stephanie a comandar e atrair atenções. Excelente primeira impressão e excelente primeiro álbum, que convida ao vício sem se esforçar muito. Alma rock, julgavam impossível de ter hoje em dia, pois bem, aqui está.

9/10
Fernando Ferreira

Yard Of Blondes – “Feed The Moon”

2021 – Secret Pole Dance Music

Sem esperar nada, fiquei agradavelmente surpreendido com este “Feed The Moon”, que apesar de ser rock na sua base, é tudo menos aborrecido. Não que o rock possa ser alguma vez aborrecido mas é visto como tal para muitos que por aí andam, infelizmente. Do teor alternativo ao mais clássico, o forte aqui são mesmo as canções que se colam ao cérebro – da parte de dentro – e não querem mais sair. Este é o álbum de estreia depois de quatro EPs e prova que estava mais que na altura da banda enveredar para o longa duração. Podemos até ter a tentação de achar e dizer que doze temas é realmente demasiado mas estes passam num instante e o facto de serem bastante dinâmicos entre si, só faz com que seja apenas diversão e não uma obrigação. Excelente banda que teve a coragem de seguir só (cortou os laços com as editoras com quem trabalhava) e que espero que isso os leve pelo caminho do sucesso que merecem.

8.5/10
Fernando Ferreira

Gilby Clarke – “The Gospel Truth”

2021 – Golden Robot 

Gilby Clarke ficará para sempre associado ao hard rock pela sua participação nos Guns’n’Roses ainda que tenha sido numa fase mais decadente da banda, tendo entrado a meio da digressão para os “Use Your Illusion” e gravando apenas o álbum de covers “Spaghetti Incident?”. Depois dos Guns iniciou uma carreira a solo e integrou outros projectos (tocar com o Slash ou com os MC5 são os óbvios destaques) mas agora é o tempo de voltar a solo, quase vinte anos após o último trabalho. O tema-título é uma boa representação daquilo que podemos encontrar rock/hard rock com bom groove e feeling, a piscar o olho aos clássicos mas sem deslumbrar para quem esperava algo mais pujante. É no entanto o seu lado mais bluesy que acaba por tornar este álbum tão interessante e tão bom de ouvir sem expectativas. A estrada representada na capa é um bom local para apreciar este conjunto de temas, uma espécie de roadtrip relaxada.

8/10
Fernando Ferreira

Xavier Boscher – “Waterscapes”

2020 – Edição de Autor

Quando se fala em álbuns de música instrumental onde a guitarra é o centro das atenções, obviamente que os clássicos trabalhos da Shrapnel surgem-nos em mente. E nem sempre é justo porque há muitas nuances que uma guitarra pode assumir. Uma dessas nuances – curiosamente também exploradas nos míticos lançamentos da referida editora – é do som de fusão, onde o rock e o jazz surgem em igualdade. Ambientes muito cool que temos aqui com um talento acima da média por parte de Xavier que já tem uma longa e ilustre carreira. Este álbum assume que o ouvinte já tem traquejo na coisa, pelo que os que vão à procura unicamente de riffs e solos vão encontrar alguma desilusão já que a sensibilidade dos ambientes criados é igualmente grande e eleva a fasquia.

8/10
Fernando Ferreira

Riptide Messiah – “MMXX”

2021 – Edição de Autor

Riffs de guitarra fortemente distorcidos, mas melodicamente pensados e executados, uma seção rítmica forte e uma voz que completa de forma áspera a sonoridade clássica de Rock/Metal moderna dos Riptide Messiah, são o cartão de visita de “MMXX”, um disco influenciado por bandas como Iron Maiden, Alice In Chains, Alter Bridge, Coheed And Cambria, Type O Negative, entre outros, e que nos faz ouvir ao longo dos seus seis temas, sons pesados e agressivos, a melodias de guitarra limpas.

Na minha opinião a banda teria muito a ganhar em investir numa produção diferente, mas possivelmente perderia aquilo que faz com o seu som seja uma referência.

7.5/10 
Fernando Ferreira

S.O.R.M. – “Hell Raiser”

2020 – Noble Demon

Boa introdução ao som destes suecos que têm um nome que não lembra ao diabo, pun intended! O que lhes vale é mesmo a sonoridade que é de topo, um hard’n’heavy bem musculado e cheio de raça – e se é para modernizar estilos tradicionais como o hard rock ou mesmo o heavy metal, que seja para lhe injectar um pouco de músculo na chicha. Apesar da boa impressão deixada por estes temas, fica a saber a pouco, principalmente quando temos uma aventureira cover do clássico “The House Of The Rising Sun”, popularizado pelos Animals. Uma versão de oito minutos que começa de forma bastante solene, ficando bem até para quem gosta de gótico – aquela voz no início faz lembrar bastante The 69 Eyes. Bom aperitivo, estamos com fome para o prato principal.

7.5/10
Fernando Ferreira

Mindtrap - “Notheless”

2021 – Edição de Autor

Introdução ao som dos espanhóis Mindtrap, uma introdução que não será fácil para quem não consegue estar muito tempo fora da caixa. A base é rock mas há um forte sentimento de inconformidade. De tal forma que nem o normal refúgio no rótulo alternativo satisfaz por completo. Desconcertante desde o primeiro ponto, é bom sentir que continua a aparecer música que nos consegue desafiar. Mesmo que seja música que não consiga causar um impacto imediato. Em sua defesa, continua a convidar-nos a tentar. Ao vivo deverá ter ainda mais energia. Ficamos na dúvida e com a certeza de que há muito mais nesta banda para além daquilo que é apresentado.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.