WOM Reviews – Dead Meat / Sacred Sin / Helion / (0) / Skulld / Phobophilic / Consumer / Cemetery Filth

WOM Reviews - Dead Meat / Sacred Sin / Helion / (0) / Skulld / Phobophilic / Consumer / Cemetery Filth

Dead Meat – “Unleash The Gore”

2020 – Miasma Records / Vomit Your Shirt

Regresso dos grandes Dead Meat, após três anos de silêncio desde a estreia “Preachers Of Gore”. Não é preciso explicar a máquina debulhadora que a banda de Castelo Branco é e aqui surgem-nos mais refinados que nunca. É pena é que soe tão a pouco. Estes cinco temas (estamos a excluir a intro cinematográfica que até era assim um bocado dispensável) são muito bem vindos mas não chegam para matar a fome já tínhamos. A produção é bastante robusta e este é um daqueles lançamentos que facilmente ouvimos umas quantas vezes de seguida, sem espinhas.

8.5/10
Fernando Ferreira

Sacred Sin – “Born Suffer Die”

2020 – Lusitanian Music

Regresso dos Sacred Sin e um regresso em grande forma. Apesar de serem apenas um EP com três temas, o impacto dos mesmos é enorme. A banda encontra-se mais uma vez transfigurada, mantendo-se apenas o timoneiro José Costa, e assinalando-se o regresso de Tó Pica e a estreia de Luís Coelho e G.R. (na guitarra e bateria, respectivamente). O feeling que temos é um bocado o mesmo do “Anguish”, aquele que é, na minha opinião, o melhor momento de uma discografia com um nível de qualidade elevado. Melodia q.b. mas muito peso também, em três temas que revelam que a banda está em grande forma. O próximo álbum se vier nesta linha tem o potencial de poder vir a destronar “Anguish… I Harvest”. Aguardemos. Com ansiedade.

9/10
Fernando Ferreira

Helion – “The Great Fall”

2020 – Revalve Records

A tendência de 2019 para termos álbuns de estreia fantáticos continua a manter-se agora em 2020, está visto. Desta feita os Heliom, que apesar da escolha algo arcaica para artwork, conseguem apresentar uma sonoridade que funde da melhor maneira (quase perfeita) o death metal técnico com o melódico. É um daqueles álbuns que não conseguimos parar de ouvir e absorver. Se em termos vocais é até um bocado corriqueiro, em termos instrumentais não deixa de trazer sublime prazer com solos e leads fantásticos, que expandem muito mais o alcance dos temas. A banda italiana já tinha apresentado três Eps nos últimos anos e aqui até podemos dizer que temos a expansão do último EP (com os primeiros três temas a terem composto precisamente o alinhamento de “Legacy Of The Serpent” do ano passado) mas isso não diminui em nada a bomba que “The Great Fall” é.

9/10
Fernando Ferreira

(0) – “Skamhan”

2020 – Napalm Records

Já tinha visto muita coisa esquisita, mas uma banda chamada (0) é a primeira. E este não é o primeiro álbum, apenas o primeiro lançado pela poderosa Napalm Records. Algo complicado de definir, “Skamhan” é um daqueles trabalhos que consegue conquistar desde o início, mesmo que se revele como um enigma. Provavelmente é mesmo esse um dos principais factores pela forma como se entranha. Enquanto estamos a tentar perceber o que raio estamos a ouvir, coisas como “Red Glorie” acabam por se infiltrar no inconsciente. Mal se dá conta e não pensamos noutra coisa. Confesso que ainda não há muitas palavras para tentar perceber o que raio se passa aqui mas de algo temos a certeza: entre o black, o death, o progressivo e o pós-metal podemos encontrar os (0).

9/10
Fernando Ferreira

Skulld – “Reinventing Darkness”

2019 / 2020 – Italian Extreme Underground

Lançado no final do ano passado em nome próprio e formato digital e agora repescado pela Italian Extreme Underground em vinil (e também digital), este EP mostra uma faceta refrescante do death metal, longe de ser original mas com traços próprios originais o suficiente para que fiquemos entusiasmados estes seis temas de rispidez sufocante. A voz é desperada mas são os riffs de guitarra que nos conquistam.

8/10
Fernando Ferreira

Phobophilic – “Undimensioned Identities”

2019 / 2020 – Blood Harvest

Lançado no ano passado em cassete e em formato digital, a Blood Harvest decidiu reapresentar este EP dos Phobophilic este ano em formato vinil e em CD. Death metal old school, sem grandes rasgos técnicos mas longe de ser tosco, tal como se estivessemos novamente em 1989. Mas o seu forte é mesmo a qualidade da música que se assume como intemporal, indo bem mais além do que o puro interesse nostálgico. Há esperança para os E.U.A., afinal. Pelo menos no que diz respeito ao death metal bom.

7.5/10 
Fernando Ferreira

Consumer – “Consumer”

2020 – Fresh Outbreak Records / Mother Ship / Impeto Records / Boned  Factory / Nut Records

Os Consumer são italianos, mas parece que saíram de um buraco, buraco imundo, onde costuma sair o mais requintado som javardo dentro daquele que mistura black e death metal com o sludge/doom. Podridão a rodos, tal como nós gostamos mas que acaba por se revelar demasiado unidimensional. Claro que para quem gosta deste tipo de coisa claustrofóbica, então este é mesmo o EP certo. Se os temas fossem mais concisos – com metade da sua duração – talvez não fosse tão forte este sentimento.

6/10
Fernando Ferreira

Cemetery Filth – “Dominion”

2020 – Unspeakabe Axe Records

Depois de alguns anos a lançar splits (e um EP) é chegada a hora da estreia nos álbuns por parte dos norte-americanos Cemetery Filth. E aquilo que apresentam é precisamente o que se esperava. Death metal old school, em bruto mas que não dispensa alguns pormenores técnicos interessantes. Não vai quebrar as barreiras que estão montadas à volta do género mas vai agradar definitivamente a todos os deathsters que estão fartos de inovações e modernices. Ainda assim, acabam por apresentar um tema que nos mostra que poderão ir para além do que apresentam aqui. O tema-título que fecha o álbum é uma longa peça de nove minutos na qual não se sente o peso da sua duração e prova de que eles são bem mais do que aparentam.

7/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.