WOM Reviews – Edge Of Paradise / Bombus / Rhodium / Carlos Lichman / Cyhra / Tyketto / Everfrost / Natthammer

WOM Reviews - Opeth / Ivory Tower / Yawning Man / Above, Below / Voyager / Chaos Over Cosmos / Vulture Industries / Kosm

Edge Of Paradise – “Universe”

2019 – Frontiers Music

Pára tudo! O que é isto? O terceiro disco dos Edge está aqui? Wow, que arraso… “Universe” dá um passo em frente na qualidade sonora da banda de Margarita Monet, vocalista e Dave Bates, guitarrista e “Fire” a faixa de abertura é um autêntico soco no estomago, de tão brutal, melódica e enérgica que é. Este disco marca também a presença de um novo e segundo guitarrista de nome David Ruiz, que na minha opinião veio dar outro complemento à sonoridade da banda. Tudo aqui é mais peso, a coisa sente-se mais arrojada e até os vocais de Monet estão no ponto certo e ok é enorme disco baseado num moderno electro-rock e a estreia pela Frontiers não podia ser melhor!

Nota: 10/10
Review por Miguel Correia

Bombus – “Vulture Culture”

2019 – Century Media Records

Os Bombus são daquelas bandas interessantes que até podem passar despercebidas mas que a cada álbum acabam sempre por capturar a nossa atenção. E a arranjar novos fãs. Três anos já passaram desde “Repeat Until Death” e a forma como os suecos fundem a sonoridade que imediatamente identificamos com o país (ou pelo menos com a Escandinávia) aliada ao hard’n’heavy mais tradicional. Sujo, visceral e longe daquilo que era a tradição na época mítica do estilo assim como da pureza insípida da sonoridade actual. E depois a juntar a este som, canções que realmente gritam com a rebeldia que é suposto encontrar neste género. Como que um descendente bastardo do punk. “Vulture Culture” consegue logo à primeira audição conquistar-nos com malhões como “You Are All Just) Human Beings” e o tema-título, apenas para citar dois exemplos. É o chamado regresso bomba!

Nota 8.5/10
Review por Fernando Ferreira

Rhodium – “Sea Of The Dead”

2019 – Sliptrick Records

Os Rhodium são gregos e depois da estreia no ano passado com “Scream Into The Void”, a banda grega está de volta “Sea Of The Dead”. Heavy/power metal de orientação progressiva mas que não se alonga muito nos lugares comuns quer do heavy quer do prog. O que é realmente positivo. Canções sólidas, um vocalista com bom pulmão – por vezes a lembrar o Geoff Tate é certo mas com carisma suficiente para não sucumbir a imitações – e instrumentistas sólidos para dar o toque de classe a este trabalho sem cair em exageros ou tentações exibicionistas. Com este fulgor, demonstrado aqui neste álbum, temos material com um enorme potencial.

Nota: 8.5/10
Review por Fernando Ferreira

Carlos Lichman – “Lendas Urbanas de Porto Alegre”

2019 – Edição de Autor

Carlos Lichman, talentoso guitarrista brasileiro a residir actualmente em Portugal está de volta aos discos com este “Lendas Urbanas de Porto Alegre” onde anda explora diversas facetas das suas influências onde se incluem obviamente o rock mas também o jazz de fusão. Se formos a tentar generalizar acaba por ser este último a dominar as atenções ao longo deste álbum, com temas muito bem conseguidos que nos remetem para nomes como Al Di Meola ou John Mclaughlin. Instrumental e a relembrar os tempos áureos do shredd, “Lendas Urbanas” é mais uma prova de todo o talento de Carlos Lichman como músico e compositor.

Nota 8/10
Review por Fernando Ferreira

Cyhra - “No Halos In Hell”

2019 – Nuclear Blast

A expressão euro-metal refere-se, na minha cabeça pelo menos, à aproximação de algum metal à música electrónica pop que surgiu na década de oitenta onde podemos enquadrar esse mega sucesso da não mentos fantástica Sabrina, “Boys Boys Boys”. Não na forma mas nas melodias. É para esse estado de espírito que “No Halos In Hell” me coloca. Esse tipo de melodias que se infiltram na nossa mente mesmo quando não queremos. Não é um fenómeno que dure muito tempo e é um pouco como este trabalho, infelizmente. Apesar de ser imediato, é tão imediato que no final parece que não nos fica nada. Há mérito na forma como os temas estão construídos e seria excelente para ter sucesso comercial por essas rádios fora se vivessemos noutra época. Falta-lhe é um pouco mais de consistência.

Nota: 6/10
Review por Fernando Ferreira

Tyketto – “Strength In Numbers Live”

2019 – Frontiers Music

“Strength In Numbers” é só um dos melhores álbuns do catálogo dos Tyketto, logo a decisão de o tocar na integra ao vivo faz todo o sentido, e será para os fans um deleite poderem acrescentar à coleção tão precioso registo. A oportunidade de ouvir este disco num outro contexto é excelente e lembro, perfeitamente, que na época a chegada do grunge arrasou por completo esta e outras oportunidades de afirmação. A qualidade de produção é excelente e a energia que os Tyketto têm em palco sente-se facilmente nesta audição, fruto de tour de celebração dos 25 anos deste disco. O alinhamento não respeita o mesmo do disco de estúdio, mas isso o que importa? Nada, mesmo nada, pois temos aqui a possibilidade de desfrutar de cada uma das faixas e ainda estar perante um bónus de um tema inédito que vos vou deixar por descobrir…

Nota 9/10
Review por Miguel Correia

Everfrost – “Cold Night Remedy”

2019 – Rockshots Records

O meu primeiro contacto com esta banda! “Cold Night Remedy” é a melhor das formas para alguém os conhecer e acrescento que deixa os Everfrost numa posição de grande destaque na cena power metal finlandesa. Ouvi este único tema e voltei a ouvir e acreditem que coisa entusiasma bastante e Mikael Salo é um vocalista e tanto… cuidado com ele! Vou esperar e desejar que chegue o disco completo para então poder confirmar a minha opinião, mas, volto ao mesmo ponto, esta faixa é fantástica e merece que fiquem de olho na banda!

Nota: 10/10
Review por Miguel Correia

Natthammer – “Natthammer”

2019 – Edição de Autor

Os Natthammer, formados em 2018 por Fatima Natthammer, são originários do Perú e fazem assim a sua estreia num longa duração, auto-intitulado que navega por sonoridades heavy metal, e é o cartão de visita quase perfeito. Digo quase, porque, na minha audição senti que falta ali um toque que lhe dê outra intensidade ou mesmo outra agressividade. A voz de Fátima Natthammer está bem enquadrada num conjunto de riffs e solos bem conseguidos numa boa produção e possivelmente a maturidade musical pode ser uma mais valia no futuro. Para já não sendo descartável, nem próximo disso, este trabalho tem a qualidade suficiente para deixar o olho da indústria em cima daquilo que serão as futuras opções de Fatima Natthammer para o seu percurso.

Nota 8.5/10
Review por Miguel Correia

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.