WOM Reviews – Enepsigos / Creptum / Gnaw Their Tongues / Profeci / Golden Ashes / Ceremonial Crypt Desecration / Wampyric Rites

WOM Reviews - Enepsigos / Creptum / Gnaw Their Tongues / Profeci / Golden Ashes / Ceremonial Crypt Desecration / Wampyric Rites

Enepsigos – “Wrath of Wraths”

2020 – Osmose Productions

Os Enepsigos são um trio de black metal na veia do estilo mais “comum” e impactante como tal. Após a sua formação em 2016 esta banda Norueguesa apresenta agora o seu segundo álbum “Wrath of Wraths” que mais que tudo relembra que a mistura tradicional do black metal ainda tem muito peixe a vender. Bem, sem querer esteriotipar nínguem, já sabemos o produto da combinação entre black metal e Noruega certo? Meia dúzia de igrejas queimadas e muito satanismo, coisa presente neste álbum. Logo á partida somos presenteados com a faixa “Shields of Faith” que a meio da sua duração apresenta-nos logo com uma combinação de riffs pesados e bateria (ainda mais pesada) que metem qualquer metalhead num momento esporádico de headbanging (posso ter sido minimamente influenciado pelo isolamento da COVID-19 mas pronto, quem é que quer saber). E é essa faixa que abre caminho a toda a mistura que vem a diante neste álbum explosivo que, diga-se, tanto dentro como fora do estilo, é bastante variada e sempre excelente. Há momentos mais épicos como na 2ª faixa e há outros mais diabólicos como na 4ª, a questão é que os Enepsigos acertaram constantemente no alvo no que toca à criação de um álbum poderosíssimo, dificilmente deixando indiferente qualquer fã de metal.

10/10
Matias Melim

Creptum – “Vama”

2020 – Drakkar Productions Brazil

O Brasil pode não ser o destino que pensamos logo em termos de black metal, mas os Creptum têm tudo para nos fazer pensar de outra forma. Não é o primeiro álbum mas poderá ser sentido para quem não os conhece. Black metal levemente melódico, sem grandes abusos dos lugares comuns mas com altos níveis de efectividade. Sem dúvida que é uma boa surpresa para quem não os conhecia. Há a tentação de sentir que isto é algo deslocado no tempo (lançado em 1996, teria um impacto enorme) mas ainda assim, a boa música vive para sempre, como já dissemos muitas vezes.

9/10
Fernando Ferreira

Gnaw Their Tongues – “I Speak The Truth, Yet With Every Word Uttered, Thousands Die”

2020 – Consouling Sounds

E que tal cortar os pulsos? Poderá parecer que é aquilo que a capa do mais recente trabalh dos Gnaw Their Tongues sugere mas não. É mesmo a música que causa esse desconforto, essa claustrofobia e essa vontade (necessidade) de fugir. É algo que não se consegue evitar mas que já se esperava. Esta one-man band já é lendária por apresentar estas paisagens inóspitas e aqui não é excepção. Atenção, não é coisa para os habituais fãs de black metal. Níveis de noise intoleráveis e ainda assim uma tendência para nos deixar presos a ele, como se não houvesse mais nada no mundo a não ser este interminável abismo. Na realidade não há.

8.5/10
Fernando Ferreira

Profeci – “Matecznik”

2020 – Godz Ov War Productions

Originário da Polónia, este quarteto é bastante recente, tanto em existência (2018) como a nível de trabalhos editados (2020). Pela mão da Godz ov War Productions chega-nos o primeiro trabalho da banda: “Matecznik”, editado em Fevereiro. São 7 temas, cantados na lingua materna, assentes essencialmente numa atmosfera bastante escura e pesada. Aquele peso que nos calca a alma e nos transporta por corredores longos e soturnos. O passo é lento e arrastado, sendo que é daqui que advém muito do peso da música.

Vader, Behemoth, Batushka (todas as encarnações), Mgła, Graveland, entre muitas outras, fazem da Polónia um país com tradição no Metal mais extremo. Todas elas, à sua maneira, referências mundiais na sonoridade. Estes Profeci são, como anteriormente referido, novatos, mas tal não implica que não estejamos perante um grupo de músicos com ideias mais que viáveis, uma execução exímia e uma margem de progressão bastante considerável.

A base é o Black Metal, indiscutível, a qual se adicionam elementos mais… modernos, per se. À semelhança de bandas como, por exemplo, os nacionais Gaerea, que pegam numa fórmula e alteram-na a seu bel-prazer, com vista à criação daquele híbrido, estes Profeci operam de um modo similar, como já descrito. Há uma intensa animosidade na voz, mas no geral a atmosfera não é nefasta, fisicamente, para o ouvinte… emocionalmente arrisco dizer que são certas.

8/10
Daniel Pinheiro

Golden Ashes – “In The Lugubrious Silence Of Eternal Night”

2020 – Oaken Palace Records

Que som mais caótico. Apesar de podermos, estilisticamente, encaixar os Golden Ashes, banda holandesa, na categoria do black metal melódico, o reverb é tanto e torna o som tão difuso que parece que estamos perante um álbum de black metal noise. Essa estranheza é algo que acaba por se tornar cativante, embora fique a curiosidade de querer ouvir este trabalho ao natural (ou seja, sem os quilos de eco em cima). Mais um trabalho que poderá ter um impacto negativo à primeira mas que depois poderá ir crescendo. Consoante as dores de cabeça que possa provocar – porque somos todos diferentes.

7.5/10
Fernando Ferreira

Ceremonial Crypt Desecration / Wampyric Rites - "Split"

2019 – Unholy Dungeon Records

2019 foi um ano muito atarefado para Krigsgaldr. Depois de lançar o seu primeiro longa duração, tornaram-se num dos segredos mais bem guardados da América do Sul, ou talvez não tão bem guardados… Wampyric Rites, do Equador. Bem, se a informação que tenho estiver correcta, ambos os lançamentos têm um intervalo de 7 dias. Trivialidades. Wampyric Rotes começa com o seu Black Metal cheio de poder e, como muitos outros, cru e podre. Para ser honesto, prefiro a faceta mais Dungeon Synth dos W.R. (crédito para Lord Einsamkeit por esse detalhe), mas eles nunca me desapontaram.

Duas faixas para cada um. O lado de Wampyric Rites é uma espécie de Black Metal com um estalo mais bruto. Mais rápido ou mais lento, é mais do tipo “directo ao ponto” de Black Metal, mais up-tempo. C.C.R. oferece-nos o que ouvimos anteriormente em “Lupine Sacrilage Adorned in Rotting Flesh”, embora eu realmente prefira muito mais este lançamento, e deixem-me dizer-vos porquê: as guitarras são muito mais audíveis. “Será que isso faz realmente a diferença”, perguntam vocês. Oh, claro que faz! As guitarras estão muito mais presentes na mistura final, dando à música um cheiro muito mais Black Metal. Mais de 14 minutos de música que são muito bem trabalhadas, de facto. O que posso dizer mais? Gosto de ambos os projectos, não tendo o mesmo nível de amor por todos os seus lançamentos, o que penso ser bastante compreensível. No entanto, vale bem o vosso seu tempo.

7/10 
Daniel Pinheiro

Ceremonial Crypt Desecration - “Anointed by the Crimson Veil”

2020 – Crown And Throne

E encontramo-nos de novo, meu companheiro australiano. Segundo álbum em dois anos, com dois splits pelo meio. Dá para ver que este é um homem trabalhador. O que é bom, pois o meu interesse por este projecto cresceu, especialmente depois de ouvir a evolução da música. Estou bastante curioso para ver o que vem a seguir. Neste lançamento específico, sinto uma atitude mais punk, se me é permitido usar o termo Punk para descrever uma banda de Black Metal, mas sinto uma forma muito mais livre, muito mais solta, de tocar. Sinto menos constrangimento para aqueles limites onde a “não-musicalidade” é tal, que por vezes nos perdemos nos sons. De certa forma, imagina-se a levantar-se dos mortos, no sentido em que a abordagem de Krisgaldr se tornou muito “mais limpa” e “filtrada”. Gostei verdadeiramente desta libertação mais do que das anteriores, e porquê? Devido a isto. Posso estar enganado? Sim, posso. Os meus ouvidos podem estar a pregar-me partidas, nunca se sabe. A produção final é muito mais “amiga do ouvinte”, como já foi dito, e isso ajuda em termos de absorção da música. Quando se trata de composição, o mesmo caminho está a ser seguido, não há dúvida, e nós adoramo-lo, não é verdade? Este homem pode absolutamente criar atmosferas arrepiantes e momentos arrepiantes. Sim, é um trabalho de Black Metal bruto, mas ele acrescenta algo ao género (de si só já castigado e esgotado), e isso é um ponto a seu favor. É um passeio divertido, se ousarmos levá-lo, desde o seu primeiro, a este lançamento mais recente, e ouvirmos que o seu som tem, de facto, crescido evoluído. Como foi dito logo no início: Estou interessado em ver o que vai surgir, do país dos cangurus.

7.5/10
Daniel Pinheiro

Ceremonial Crypt Desecration – “Lupine Sacrilage Adorned in Rotting Flesh”

2020 – Apo Kosmos Khaos Productions

O Black Metal sempre teve este lado necrótico e podre. Não só em termos de estética, mas sobretudo em termos de atmosfera e sentimento geral. Há já algum tempo – cada vez mais à medida que envelheço – temos visto músicos a regressar às regras básicas do Black Metal, as que Mayhem nos deu com “Deathcrush” ou Sarcofago com “INRI” e, porque não, Beherit com “Dawn of Satan’s Millennium”. Aquela ousadia crua, realmente crua do género, que ficou mais limpa e limpa ao longo dos anos, até que um dia alguém decidiu que era necessária uma paragem, e nós voltámos, e os músicos investiram mais na criação de uma atmosfera REAL do que apenas na cobertura da sua incapacidade de o fazer, com uma produção limpa e crocante. Avançando rapidamente para 2019, Austrália, Krigsgaldr é o homem por detrás do CCD (e do Black Imperial Blood, já agora), e o responsável por todas as músicas mórbidas e barulhentas.

“Lupine Sacrilage Adorned in Rotting Flesh” é o primeiro álbum do projecto e vive mais no universo do Ruído do que o do Black Metal. Bem… essas guitarras SÃO Black Metal, mas a sensação geral que tenho com elas, deixa-me razoavelmente confuso. Bem, para ser honesto, nunca fui um perito em noise/black metal, por isso posso estar um perfeito disparate. No entanto, posso apreciar as melodias de guitarra enterradas que inquisitivamente colocam as suas cabeças demoníacas fora dos fossos ferventes do Inferno, esperando ser encontradas por nós, meros mortais. E bem, o que posso dizer? Encontro-as, enterradas sob essa imensa parede de distorção e agonia vocal. Não é uma audição fácil, pelo menos não estou habituado, mas esta é uma das coisas mais importantes sobre este círculo subterrâneo do Black Metal: as produções “pobres” fazem-nos apreciar a melodia pelo que ela realmente é. Acabamos por ser arrastados, para o Inferno, com estas hipnóticas “canções de embalar”. Se estás numa de produção bruta e despojado de Black Metal, meu amigo, isto é para ti. Faixas mesmo longas que vos embalam para o grande sono.

6/10
Daniel Pinheiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.