WOM Reviews – Heart Healer / Arion / Imperia / The Circle / Secret Chord / Psycho Visions / Helgrind

WOM Reviews - Heart Healer / Arion / Imperia / The Circle / Secret Chord / Psycho Visions / Helgrind

Heart Healer – “The Metal Opera By Magnus Karlsson”

2021 – Frontiers Music

Que banda fantástica esta! Começo mesmo por aqui e já deu para perceberem que eu adorei este disco. Heart Healer é uma banda de metal melódico e sinfónico, comandada por Magnus Karlsson, que recrutou nada mais nada menos do que sete vocalistas de diferentes nacionalidades, para soarem de forma brilhante ao longo dos dez temas que dele fazem parte.

Algo arrojado na sua essência, mas sem dúvida de sucesso garantido, pois este disco é uma obra prima que não pode escapar aos fãs do género. Qualquer álbum que tenha no seu título Metal Opera desperta naturalmente em nós a curiosidade em tentar perceber o que ali está e como está construído. Este disco e sem dúvida um enredo musical onde cada uma das vocalistas representa um papel dando até algum dramatismo à coisa, ajudado por todas as linhas sinfónicas. Adrienne Cowan, Netta Laurenne, Youmna Jreissati, Ailyn, Noora Louhimo, Margarita Monet e Anette Olzon são as vozes que brilhantemente soam ao longo de 1 hora de audição. Fantástico!

10/10
Miguel Correia

Arion – “Vultures Die Alone”

2021 – AFM Records

“Life Is Not Beautiful” de 2018, foi o primeiro trabalho que ouvi dos finlandeses Arion. Senti logo ali um potencial enorme, confirmado onde encontrava algum artigo que falava sobre eles, e quando assim é a expectativa natural para o que possa uma banda fazer no próximo passo é sempre muito elevada. Agora estou perante o terceiro lançamento da banda e ok, não fiquei deslumbrado, porque simplesmente confirmei a qualidade do seu antecessor e estar perante um conjunto de músicos sábios, que sabem o que querem e como chegar lá. “Vultures Die Alone” apresenta algumas participações especiais como Noora Louhimo, dos Battle Beast, e da estrela pop finlandesa Cyan Kicks e musicalmente falando, afinal é para isso que aqui estamos, o seu som mantém todo o power, com riffs e solos fabulosos, com momentos de orquestração que elevam ainda mais a sua sonoridade, dando aquele cunho pessoal em cada tema e reforçando a reputação de estrelas na cena do metal melódico.

9/10
Miguel Correia

Imperia – “The Last Horizon”

2021 – Massacre Records

Depois de Helena Iren Michaelsenter andado bastante activa a solo, a vocalista está de volta com os seus Imperia e estão mais inspirados que nunca. O metal sinfónico com toques de gótico continuam a ser o seu modus operandi mas desta vez encontramos por aqui muitas referências e melodias folk que soam de forma fantástica. Com uma duração acima do normal (mais de setetenta minutos) não cansa nem aborrece – partindo-se do príncipio de que temos amor pelo metal sinfónico e pelos seus lugares comuns. A componente folk dá realmente o impacto positivo que se sente de uma forma positiva. É talvez o álbum mais completo e eficaz da banda, com um potencial enorme para elevar o seu estatuto. Não se percebe no entanto, a decisão de dividir o trabalho em dois discos quando claramente cabe apenas um, não se sabe se é uma opção da editora ou se é mesmo uma decisão artística para melhor absorver a obra. Seja como for, é um detalhe apenas.

9/10
Fernando Ferreira

The Circle – “Metamorphosis”

2021 – Edição de Autor

Mais uma banda que se apresenta perante nós com vontade de nos deixar reféns do seu som esmagador. Ora temos uma míriade de estilos diferentes – do death ao doom melódico com laivos progressivos é um tirinho. A banda refere que é um álbum conceptual – mas se calhar deve ser mais encarado como um mini-álbum tendo em conta que é composto apenas por quatro músicas em vinte sete minutos – que lida e foca as mudanças que todos nós temos que enfrentar perante os desafios da nossa vida. Claro que desta forma parece algo bastante desinteressante mas está bem construído e bem estruturado até pela forma como consegue capturar emocionalmente o ouvinte. Para quem ache que é algo arrogante chamar a sua música de art metal, devo dizer que depois de ouvir, umas quantas vezes (vantagem de ser mais curto) sou obrigado a concordar.

9/10
Fernando Ferreira

Secret Chord – “Aurora”

2021 – Sleaszy Rider Records

Finalmente a estreia dos Secret Chord. A banda lusitana tinha lançado  um bom EP em 2018 mas é agora em 2021 que chega o longa-duração. Podemos enquadrá-los – para quem só chegou agora – no espectro do metal sinfónico com aproximação ao gótico. Um espectro bastante batido, podemos dizer, mas com os temas a serem realmente entusiasmantes não existem lugares comuns que resistam. Ao primeiro álbum, também não há (embora exista espaço para isso, obviamente, numa perspectiva temporal mais alargada) aquele sentimento de ingenuidade. A banda revela já uma maturidade em termos de composição – e imagem até, acrescente-se – que deve ser entaltecida. “Aurora” é o equilíbrio ansiado entre peso, melodia, elementos sinfónicos e metal, mas sobretudo, entre a sobriedade e excelência, não se deixando deslumbrar pelo uso excessivo e desorientado que por vezes acontece em relação a arranjos mais orquestrais. Sobriedade que os coloca mais no campo do gótico mas que também lhes confere mais personalidade. Muito bem conseguido, início em grande.

9/10
Fernando Ferreira

Secret Chord – “Dimensions Of A Dream”

2017 – Edição de Autor

Primeiro EP dos Secret Chord, a banda que apresentava já em 2017 muito boas indicações daquilo que seria capaz de fazer. Aliás, mais do que boas indicações para o futuro, já as deixou aqui bem expostas . Certo, temos lugares comuns, em relação ao metal sinfónico, mas soando bem e com alma própria, que é aquilo que temos aqui, como é que não se pode valorizar. Principalmente o tema “I Will Never Forget You” que abre o lançamento. Um EP que não cansa e ao qual voltarei certamente muitas mais vezes. É isto que é bom na música pesada. Podemos sempre voltar atrás e encontrar coisas que nos vão agradar.

8/10 
Fernando Ferreira

Psycho Visions – “Our Own”

2020/2021 – WormHoleDeath

Os polacos Psycho Visions tocam death metal melódico mas conseguem passar ao lado de todos os principais lugares comuns – e são muitos e muito bem definidos – o que também faz com que se tornem um pouco uma incógnita e difícil de definir. A questão importante que se deve ter é se a música que fazem é memorável e temos aqui alguns exemplos disso. A “Place To Crawl” que tem um excelente solo de guitarra enquanto a “Mirrors” tem um groove hipnótico e estranho, assim como a “Feed Me”. Aliás o groove estranho é uma constante e parte do seu encanto. Aqui está o ponto que tanto pode atrair ou afastar, mas a nós leva-nos pelo lado positivo.

7/10
Fernando Ferreira

Helgrind – “Return To Motherland”

2019/2021 – Black Spark Records

Já estou habituado a esperar de tudo um pouco, mas black metal pagão e viking vindo de Cuba estava no final da lista. Esta reedição do primeiro álbum dos Helgrind é uma boa surpresa embora tenha algumas falhas a apontar. Falhas, contudo, que são próprias de uma banda a iniciar o seu caminho. A produção não compromete em demasia, mas também não ajuda. Dá um carácter algo datado (a relembrar o final da década de noventa) e a composição também ajuda a que nos situemos por aí. Há talento, inegavelmente, bons riffs e bons temas, ainda não estando no seu ponto mais poderoso mas de certeza que matéria que chegue para convencer os vikings mais facilmente impressionáveis. Entre os bons temas destaco “Vainamoinen”, com uma melodia catchy e cativante. Fica a vontade de ouvir o álbum seguinte para verificar a sua evolução.

6.5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.