WOM Reviews – Living Tales / Ardours / Nathr / Ordo Cultum Serpentis / Excalibur

Living Tales – “Persephone”

2022 – Ethereal Sound Works

Regresso de uma das mais entusiasmantes bandas nacionais, um regresso não tão demorado como “Mirror”, o anterior álbum que veio quase uma década depois da estreia. “Persephone” encontra a banda numa excelente forma e a pegar onde tinha ficado “Mirror” sendo que aqui poderá parecer uma maior exuberância progressiva, sem descurar os componentes sinfónicos. É esta mistura que não sendo nova traz entusiasmo às suas músicas. É impossível não pensar nos momentos em que o estilo estava a rebentar um pouco por todo o lado mas cujas bases estariam em bandas como Fates Warning e Dream Theater. Misturando essa classe, principalmente no trabalho de guitarra, e juntando a pompa do metal sinfónico, o resultado é música memorável e que carrega aquele feeling de ser única numa altura em que tal é cada vez mais raro. A classe da banda não passou despercebida à Ethereal Sound Works e bem, porque este é um dos grandes lançamentos nacionais de 2022, seja no espectro de metal sinfónico seja no de metal progressivo.

9/10
Fernando Ferreira


Ardours – “Anatomy Of A Moment”

2022 – Frontiers

Segundo álbum de Ardours, o projecto de Mariangela Demurtas e Kris Laurent, a provar que o álbum de estreia de 2019, “Last Place On Earth” foi mais do que apenas um projecto isolado. Aliás, as boas indicações deixadas lá, são aprofundadas aqui, com as músicas a trazerem uma base de rock/metal melódico que têm muitos ganchos melódicos e refrões memoráveis mas também composições que vão para além do que é descartável para cativar os fãs mais distraídos. Há por aqui uma sensação progressiva, sem que este seja propriamente um disco progressivo. Aquele sentido de melancolia e melodia urgente que pudemos encontrar antes, e com as devidas distâncias, em álbuns de Anathema e Katatonia. A roupagem moderna dos arranjos electrónicos garante a sua inserção nos tempos em que vivemos, mas tirando essa vestimenta, ficam verdadeiras músicas que continuam a cativar-nos. A anatomia deste momento é de que a música poderá surgir-nos de várias formas, mas se tiver alma, vai sempre acompanhar-nos.

8.5/10
Fernando Ferreira


Nathr / Ordo Cultum Serpentis – “Shadows Crawl”

2022 – Signal Rex

As emoções humanas podem ser “extraídas” por múltiplos processos humanos… e não tão humanos, acredito. A música e a arte em geral são uma porta de entrada para essas emoções. Deixe-os sair, explore-os e regozije-se. Pode ser perigoso expor as próprias fragilidades, assim como expor todo o resto. A arte é a melhor plataforma, o melhor veículo para fazer as pessoas… sentir. Nathr e Ordo Cultum Serpentis uniram forças para fazer tal coisa: extrair emoções, levar as pessoas a lugares mentais distantes. Funeral Doom é sempre um “lugar” difícil, na minha opinião. É um género – ou subgénero, ou seja lá o que for – que exige, novamente na minha opinião, uma mentalidade específica, uma visão particular do processo/criação artística. Não é a coisa mais complexa e intelectual do mundo – as pessoas dizem que é o Prog… Prog… Prog… – mas exige muito trabalho do ouvinte. Lento, intenso e distinto. Não há uma absorção imediata da Música; leva um tempo para o receptor captar, filtrar e analisar o “objeto”. Estas 2 entidades em específico, dado o seu background, adicionam mais camadas à sua música. Ter Black Metal e Death Metal no passado da mesma – presente recente – ajudou a moldar este som, este som específico. Ele ainda vagueia, lentamente, dentro do reino dos mortos, dos esquecidos, mas com uma raiva, com sentimentos de angústia, que é difícil não ser atraído para ele, especialmente com uma mentalidade diferente. O lado de Nathr é intenso, formal, lento e sinistro. Um prelúdio sombrio e assombroso para o Fim. Os órgãos assumem a liderança, permitindo que um sussurro pesado caminhe ao lado dos espíritos do Antigamente. Como dito anteriormente, o género – ou subgénero – não está na minha lista de selecção, mas novamente, e dada a formação dos projectos – Funeral Harvest – tive que arriscar. Posso encontrar alguns paralelismos entre Funeral Harvest e Nathr; talvez não musicalmente falando, mas como a estrutura musical é construída. Parece estranho, eu sei. Black Metal, Funeral Doom Metal… o que eles têm em comum?! A emoção, a honestidade, o sangue e satanás, muahahah! Assumimos que as linhas musicais criadas não agridem com o peso de emoções de tristeza e desespero, sem que isto implique cair nos meandros de um DSBM, por exemplo. Temos uma sonoridade muito forte, estruturada, densa (como já mencionado) e escura.

Ordo Cultum Serpentis abrem os portões e libertam uma enorme onda de som e poder sobre o ouvinte; onda após onda, somos arremessados com raiva e força. Atingido por todos os lados, e emocionalmente lacerados. Não é o mesmo que sentíamos antes. Nathr é muito mais suave e limpo, de certa forma; OCS é muito mais sujo e visceral. Este é o Death Doom no seu melhor. É… a ideia de comparar A com B, e C com D, só ajuda a centrar o ouvinte, a colocá-lo no caminho certo. Que extraio do OCS? Não há muitas bandas de Death Metal de que eu goste. É um género com o qual não tenho conexão; nunca tentei, nunca vou. Mas há 1 ou 2 bandas que considero especiais: Necros Christos e Teitanblood. OCS tem muito pouco a ver com Teitanblood, mas posso vê-los alinhados com Necros Christos. O som do OCS é lento, mas denso e espesso; profundo e áspero, mas carrega uma melodia que transpira das linhas da guitarra, da bateria, da voz. A voz… de debaixo da terra nos ergue! Isso leva-me de volta ao som do Death Metal que, ao contrário do ultra-rápido, leva tempo para moer a mente. É muito diferente do que Nathr nos oferece, e assemelham-se a duas peças que simplesmente não se encaixam; no entanto, o lado da OCS agarrou-me pelo pescoço e destroçou-me. Duas realidades sonoras que criam uma estranha simbiose…

7/10
Daniel Pinheiro


Excalibur – “Volando Hacia El Infierno”

2022 – Fighter

Quarto álbum desta banda espanhola, o segundo desde que regressaram em 2013. Apesar de ser um trabalho lançado agora em 2022 se nos tivessem dito que tinha sido gravado e lançado na década de oitenta, não iríamos duvidar, tal não são os valores de produção old school que apresentam. Temas cantados em castelhano como já é habitual e um álbum que é indicado para quem gosta do hard’n’heavy tradicional da banda. Apesar do apelo nostálgico, aquilo que se sente é que fazia falta aqui uma actualização não propriamente na sonoridade e sim nas próprias canções que não conseguem carregar o mesmo entusiasmo como carregariam na década de oitenta. Ainda assim, temos aqui temas memoráveis sendo que o nosso favorito é mesmo a espécie de power ballad “Lágrimas De Sangre”.

6/10
Fernando Ferreira


Agora na Google Play Store

Support World Of Metal
Become a Patron!

2 thoughts on “WOM Reviews – Living Tales / Ardours / Nathr / Ordo Cultum Serpentis / Excalibur

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.