WOM Reviews – Mike Tramp / Stryper / Landfall / High Road Easy / Dogbane / Memories Of Old / Kreek / Durbin

WOM Reviews - Mike Tramp / Stryper / Landfall / High Road Easy / Dogbane / Memories Of Old / Kreek / Durbin

Mike Tramp – “Everything Is Alright”

2021 – Mighty Music

Mike Tramp apresenta o seu novo disco, a compilação “Everything Is Alright”, numa altura em que a faixa título foi anunciada como a canção com que Mike irá utilizar para regressar, pouco mais de quarenta anos depois, ao concurso de apuramento para representar a Dinamarca no Concurso Eurovisão da Canção.

Mas esta compilação “Everything Is Alright”, é mais do que a faixa título, pois apresenta dez dos maiores êxitos da brilhante carreira de Mike…e mesmo assim ainda muito continua por contar!

Desde que ouvi “When The Children Cry” que fiquei preso ao som dos White Lion e não podemos falar de Mike sem falar deles e vice-versa e foi isso que me levou a acompanhar os diferentes percursos e fazer de Mike um ídolo e um exemplo!

Mike preocupa-se profundamente com a mensagem das suas canções e permite que a sua verdadeira voz seja ouvida, não tendo qualquer receio em abordar os temas difíceis da vida, incluindo perda, traição, morte, dificuldades e responsabilidades familiares, e problemas de relacionamento. Reconhecendo a importância da condição humana e, que ele próprio aprendeu mais através do sofrimento do que da alegria.

10/10
Miguel Correia

Stryper – “Even The Devil Believes”

2020 – Frontiers Music

Sou um fã dos Stryper e acho que Michael Sweet é uma lenda e digo isto porque desde que lembro que a banda tem passado ao longo dos anos incólume a críticas, a modas, respeitando o padrão criado e claro a capacidade de Michael “sobreviver” a tudo isto.

Houve, é verdade, trabalhos menos conseguidos, mas outros ainda hoje são hinos que nos fazem cantar ao dar espaço à sua audição.

“Even The Devil Believes” é um disco de Stryper, com tudo o que já nos habituamos, repleto de riffs característicos da banda, melodias carregadas de harmonia e temas positivos, o projeto de 11 faixas é o primeiro álbum de estúdio com Perry Richardson (FireHouse) no baixo.

10/10
Miguel Correia

Landfall – “The Turning Point”

2020 – Frontiers Music

Vindos de Curitiba (Brasil), os Landfall apresentam o ex-cantor do Auras, Gui Oliver – um verdadeiro deadringer para o lendário Steve Perry dos Journey.O som da banda pode ser descrito como caindo entre o rock melódico clássico à la Journey com algumas influências um pouco mais pesadas, como Dokken, White Lion e Extreme.

Esta proposta é o resultado de linhas de hard rock, rock melódico e AOR, genialmente conseguidas deixando os Landfall numa posição de destaque para o mundo.

10/10
Miguel Correia

High Road Easy – “High Road Easy”

2020 – Edição de Autor

A banda alemã, retorna com 14 faixas de hard rock de alta qualidade da velha escola (anos 70 e 80), sem soar muito antigo. As composições são ótimas, os instrumentos e a voz de Jan Knopf são convincentes do início ao fim.

O que paira claramente sobre este disco em termos de vibrações, som, arranjos e composições e vocais são os Deep Purple dos anos oitenta dos tempos de “Perfect Strangers” e “House Of Blue Light”, não soando a cópia, mas sente-se essa facilmente  influência o que me deixa aqui numa dualidade, uma vez que sou fan dos DP e de um desses álbuns, mas, estou por outro lado estamos a falar e a avaliar os High Road Easy…

Ok, decisão tomada…só retirava aquelas duas baladas que acho que não fazem por ali nada e até quebram o ritmo e ímpeto do disco!

8/10
Miguel Correia

Dogbane – “Neptune’s Ballroom”

2020 – Edição de Autor

Os Dogbane regressam após “Idylls Of Woe”, o terceiro álbum editado no ano passado. Como se espera o que temos é heavy metal vintage com raça e capacidade para nos criar aquele sentimento de expectativa pelo género mais épico – isto sem ser composto por temas longos. O ambiente está todo cá, aquele feeling tradicional que é bem difícil de conseguir atingir. Mesmo sem serem quatro temas que se destaquem imediatamente, este é EP que nos dá mesmo gosto ouvir várias vezes. Para quem gosta de heavy metal tradicional, mais que recomendado.

7.5/10
Fernando Ferreira

Memories Of Old – “The Zeramin Game”

2020 – Limb Music

Ora aqui está algo que já não é comum ter hoje em dia. Power metal todo contente (daquele que tem refrões que nos apetece andar por uma montanha verdejante a saltitar de espada na mão. enquanto se entoa os refrões de música como “Zera’s Shadow”. Sim, é exactamente esse o estilo. Curiosidade desta estreia é que se tratava de um projecto de Billy Jefs e daí a passar a ser uma banda “a sério” e a contar com o guitarrista dos Sabaton Tommy Johansson como vocalista foi um passinho. Mais de setenta minutos e todos aqueles lugares comuns adoráveis (adoráveis para amar quem os ama e odiar quem os odeia) num álbum que longe de surpreender é sólido no estilo em que se movimenta.

7.5/10 
Fernando Ferreira

Kreek – “Kreek”

2021 – Frontiers Music

Antony Ellis, ex-vocalista dos Bigfoot, está volta à cena agora com um novo projecto de nome Kreek. A estreia é feita numa sonoridade hard rock, blue mas não é um disco muito convincente. No geral, é um álbum sólido, com uma vibração acima da média aqui ou ali, mas pouco apelativo. Antony é um vocalista com todas as conhecidas qualidades, mas aqui a coisa parece não estar no ponto desejado para brilhar. Há bons riffs, bons solos, mas…falta algo! Vamos ver o que vem a seguir!

6/10
Miguel Correia

Durbin – “The Beast Awakens”

2020 – Frontiers Music

Lembro-me de James Durbin desde seus dias no concurso American Idol. Foi uma voz que marcou aquele tempo e o potencial todo estava bem visível e audível. Por outro lado, ao ouvir esta proposta musical sinto que apesar da voz e da sua qualidade estar bem presente, tudo o resto deixa um pouco a desejar, pois a sonoridade global perde muito pela produção e como todos os instrumentos soam! A passagem pelos Quiet Riot também não foi muito positiva para Durbin e sinto acima de tudo, aqui neste disco, ele precisava de outro som para fazer brilhar ainda mais a sua belíssima voz. “The Beast Awakens” é trabalho que tem os seus momentos altos, mas não me rendo a ele…

6/10
Miguel Correia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.