WOM Reviews – Napalm Death / Abisme / Necrogosto / Angel Grinder / Defiled / DeathTune / NecroticGoreBeast / Sleepwraith

WOM Reviews - Napalm Death / Abisme / Necrogosto / Angel Grinder / Defiled / DeathTune / NecroticGoreBeast / Sleepwraith

Napalm Death – “Logic Ravaged By Brute Force”

2020 – Century Media Records

EP para abrir o apetite dos fãs de Napalm Death que aguardam pelo próximo álbum de originais. Como fã da banda britânica, posso dizer que a minha curiosidade ficou bem aguçada, já que o tema título (e único original) é um regresso à fase mais experimental de “Diatribes”, uma fase mais divisiva entre os fãs da banda. Temos groove, temos até mais melodia mas o resultado (com toques de pós-punk, com aquela melodia de guitarra inconfundível) acaba por ser memorável. Excelente tema. Claro que depois temos “White Kross”, um tema dos Sonic Youth que casa perfeitamente com o original que ouvimos. Tão bem que soa. E só acrescenta ainda mais curiosidade para o álbum.

9/10
Fernando Ferreira

Abisme – “As Fear Falls In”

2020 – Edição de Autor

Os bascos Abisme estreiam-se em grande com este “As Fear Falls In”, poderosa bomba de death/black metal que vai buscar inspiração a nomes como Zyklon B, Bloodthorn ou Necrophobic, além de contar com aquele espírito blasfemo e a intensidade de uns Krisiun. Esta mistura resulta num álbum sóbrio e dinâmico – algo que nem sempre acontece – ainda que seja algo curto. Mas é bom sinal, já que quando achamos que algo é curto, é porque é bom. E “As Fear Falls In” é uma excelente estreia no mundo do death/black metal. Curiosidade para “The Struggle”, o tema final do álbum, uma longa peça instrumental de piano que não só dá um colorido diferente ao que ouvimo antes, como poderá dar uma pista para o futuro.

8.5/10
Fernando Ferreira

Necrogosto – “Ancestral Bestiality”

2020 – Nuclear War Now! Productions

Brazil, a cousin across the Atlantic and a country that has a deep and interesting pursuit in the ways of Metal that unfortunately rarely shows itself to the rest of the world that mostly know of the more “upperground” bands as Sepultura or Krisiun. So let’s deepen this knowledge with Necrogosto, a band that just now launched their first work (demos don’t count) – Ancestral Bestiality, an EP of 21 minutes that rolls itself around the thrash metal and black metal genres, a usually good mixture. Once again, this fusion proves itself to be a good one; however in this case, I think it still has plenty of rough edges to work out. This EP is averagely good but unfortunately it falls under the tiring category too many times for my own taste (I zoned out plenty of times with it). Another detractor is that it doesn’t really stand out on any aspect; for me it all seems like an experience that I’ve heard elsewhere, and that why I can’t really think about anything to specifically praise in this EP. But hey, it’s a matter of taste and it has plenty of the feel of the underground culture, so I think that it is very likely (and positive) that this band will grow in fans and further develop their own style, a thing that I’ll be waiting for.

6.5/10
Matias Melim

Angel Grinder – “Confessions Of The Damned”

2020 – Edição de Autor

Estreia de valor por parte dos norte-americanos Angel Grinder. Death metal old school como manda as regras da escola americana – nomes como Morbid Angel não se cansam de surgir em mente ao ouvir o tema-título ou “731”. Se a validade artística poderá sair prejudicada por termos uma banda com os pés bem assentes na tradição, perante o resultado final, isso acaba por não ter qualquer importância, principalmente quando o resultado é tão positivo. Daqueles discos feitos por fãs de death metal e com capacidade para entusiasmar outros fãs. Nós ficámos assim.

8.5/10
Fernando Ferreira

Defiled – “Infinite Regress”

2020 – Season Of Mist

Apesar de não serem muito assíduos, os japoneses são um dos nomes grandes da cena de death metal do Japão. Não somos particularmente conhecedores da cena em si mas uma coisa que é comum a tudo o que venha de lá: é bem característico, inconfundível até. Uma abordagem muito própria traz sempre uma lufada de ar fresco.  Até na produção embora neste caso, a compressão elevada não faz propriamente um serviço de excelência, ainda que nos deixe com um som característico – a juntar ao que já tinhamos falado. Os pormenores técnicos que se podem ouvir de vez em quando ajudam a que este não seja apenas mais um álbum de death metal e sim algo diferente. Essa diferença nem sempre é boa mas aqui, até o é.

7.5/10
Fernando Ferreira

DeathTune – “Original Sin”

2020 – Ghost Label Record

Death metal iraniano. Ora aí está algo que não se vê/ouve todos os dias. “Original Sin” é o segundo álbum da banda (o primeiro foi lançado há cinco anos, o que também nos confirma aquilo que já desconfiávamos – não deve ser propriamente fácil ter uma banda de música extrema para aquelas bandas) e tem como se forte um death metal moderno e carregado de groove, o que não é tão mau quanto estão a pensar. Alguma dinâmica está presente e soluções bastante boas para alguns becos sem saída. Não deixa de ser unidimensional mas ainda ainda é de uma qualidade que destacamos, podendo surpreender quem vem com juízos de valor já feitos. A apetência para os temas mais longos acaba por não ser um problema, já que não é um trabalho que se torne cansativo.

7.5/10 
Fernando Ferreira

NecroticGoreBeast – “NecroticGoreBeast”

2019 – Comatose Music

Será que o mundo precisava de mais uma banda de brutal death/slam? Talvez não mas agora que estão aqui, depressa chegamos à conclusão de que as coisas não seriam as mesmas sem eles. Produção cristalina (a única coisa que não é tão definida é mesmo a voz, mas isso é obviamente intencional.A jarda que estes dez temas mandam é uma coisa impressionante, daquelas que causam mossa mas fazem-nos voltar para mais. É o tipo de álbum que ajuda a resolver questões internas, que nos ajuda a descarregar tensões ou até mesmo a demolir uma casa, caso trabalhemos nas demolições. Dinâmico e pesado as fuck, este é uma estreia bruta dos queixos.

9/10
Fernando Ferreira

Sleepwraith – “Day Terrors”

2020 – Edição de Autor

Já muitas vezes nos referimos aqui acerca das múltiplas possibilidades que o death metal melódico oferece e na clara divisão em que existe entre a vertente mais tradicional e a mais moderna. Os Sleepwraith não ajudam em nada a esclarecer esta questão até porque o que nos trazem é uma mistura de ambos os mundos. Também nos parece que apesar de ser a sua estreia, a banda não se prende a quaisquer limites ou pré-concepções daquilo que deve ser o seu estilo. Aliás, nem nos parece que seja essa a sua preocupação. Guitarras irrequietas, melodias que ora nos apontam na direcção do prog ora soam-nos completamente metal com estruturas de temas que oscilam, lá está, entre o tradicional e o que se encontra mais por aí. Não fosse a produção algo abafada e estava aqui uma estreia fantástica. Sei que para muitos a produção é um mero detalhe e até o é, mas ainda assim, por vezes soa que o resultado poderia ser superior com outro tipo de som. Perante a qualidade global deste lançamento, não deixamos de sentir que está uma das grandes surpresas de 2020. E uma estreia dos diabos!

8.5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.