WOM Reviews – Reasons Behind / Inexorum / Wild Hunt / Amherawdr / Moonspell / Varus / Bofo Kwo / Ba’alzamon

WOM Reviews - Reasons Behind / Inexorum / Wild Hunt / Amherawdr / Moonspell / Varus / Bofo Kwo / Ba’alzamon

Reasons Behind – “Project: M.I.S.T.”

2020 – Scarlet Records

Ao longo da carreira os Reason Behind evoluiram definitivamente de uma banda de metal sinfónico com influências eletrónicas para uma sonorização mais orientada para o uso de sintetizadores. “Project: M.I.S.T.” é um álbum conceptual e o resultado final é simplesmente notável: a voz cristalina e poderosa de Elisa Bonafè dança entre melodias cativantes e encantadoras (concebidas pelo líder da banda, compositor e guitarrista Gabriele Sapori), combinadas com o moderno Metal sueco e o riffs de Metalcore. Recomendo.

9.5/10
Fernando Ferreira

Inexorum – “Moonlit Navigation”

2020 – Gilead Media

“Moonlit Navigation”, o segundo álbum dos Inexorum, foi uma boa surpresa. Este duo norte-americano junta tanto elementos de death e black metal melódico (com maior peso no death) e tem um ouvido certeiro para as melodias memoráveis. Apesar do rótulo “melódico”, não podemos dizer que temos algo que seja comum ou pelo menos identificável com alguma das grandes influências do género, quer no campo do black como do death. Parece mais extenso do que o que quarenta e dois minutos sugerem mas é sinal também que é um trabalho à antiga, que deve ser absorvido e apreciado com calma. Para os fãs das sonoridades melódicas com bases extremas, este é um trabalho mais que recomendado.

9/10
Fernando Ferreira

Wild Hunt – “Awakening Of The Wild Spirits”

2018 – Edição de Autor

Sendo o único lançamento da banda até agora (e já lá vão dois anos), é o único ponto onde nos podemos basear e como tal assume um carácter mais definitivo do que à partida um simples EP teria. Não há motivos para preocupação porque estes cinco temas são fantásticos. Como comparação estapafúrdia temos aquilo que seria uma mistura entre uns Skyclad em início de carreira, caso estes decidissem tocar algo próximo (mas não bem) de viking metal, isto com vocalizações a lembrar Ancient Rites mais épico. Eu avisei que era estapafúrdia. Seja como for são cinco temas para ouvir em repeat de um EP fantástico. Já era altura de lançarem mais qualquer coisinha, não era?

9/10
Fernando Ferreira

Amherawdr – “Adorned With The Figures Of Snakes”

2019/2020 – Onism Productions

Black metal atmosférico e melancólico (para não dizer depressivo), que foi lançado de forma digital e independente pela banda no final do ano passado e agora repescado (e muito bem) pela Onism Productions que o disponibiliza novamente de forma digital e também em CD Digipack. Sensibilidade fantástica por parte da banda britânica que nos consegue mesmo transportar até ao cenário idílico (assombroso também) da capa e que nos traz uma calma inesperada apesar de estarmos a falar de música extrema, ainda que inegavelmente melódica. A nossa promo digital veio dividida em duas faixas mas o que temos é apenas um épico com quase quarenta minutos. E de qualidade fantástica. Fiquei fã.

9/10
Fernando Ferreira

Moonspell – “The Butterfly Effect” 1999

1999/2020 – Napalm Records

O patinho feio da discografia dos Moonspell. “The Butterfly Effect“ não é um disco fácil. Continua a não o ser passados mais de vinte anos. Desagradável, obscuro, intenso e claustrofóbico. É um álbum arriscado por parte de uma banda que tinha tido um grande sucesso comercial com o anterior trabalho, o que também comprova a inconformidade da banda. Revisistar este trabalho passados estes anos todos – isto de forma crítica – é fácil isolá-lo como um trabalho único na discografia da banda  e que tem os seus méritos, apesar de algumas experiências que não foram tão memoráveis assim. O equilíbrio é ainda assim positivo e esta reedição em vinil – com duas remisturas por parte de Pedro Paixão, uma para o tema “Lustmord” e outra para “Angelizer – é apetecível para os fãs coleccionadores.

6.5/10
Fernando Ferreira

Varus – “A New Dawn”

2020 – Edição de Autor

“A New Dawn” traz-nos esperança num mundo cada vez mais em carência da mesma. O segundo álbum dos Varus traz-nos o death metal sinfónico e melódico da banda em excelente forma. Apesar de tudo o que seja sinfónico já esteja a acusar a nota de esforço há muito tempo, aqui soa-nos bem refrescante, principalmente pelas melodias folk que se conseguem infiltrar em temas como “Tränk Dein Herz” e no tema título. Sem ser demasiado espalhafatoso, sóbrio mas ainda assim bombástico o suficiente para nos transportar para outros mundos e outras eras, está aqui uma obra que os fãs do peso melódico e sinfónico não vão dispensar.

9/10 
Fernando Ferreira

Bofo Kwo – “Space/Time Carnivorium”

2020 – Sliptrick Records

Nome estranho, capa estranha. Música? Estranha, claro está. O rótulo de black metal sinfónico poderá enganar, porque se poderá pensar que estamos perante algo na onda dos Emperor clássico quando aquilo que temos é mais Ram-Zet (lembram-se deles?), com uma voz quase tão ácida e algo irritante devido ao que parece ser uma tonelada de efeitos em cima. Aliás, a componente maquinal deste trabalho é aquilo, que aos meus ouvidos, parece que o prende ao chão. Se era o efeito maquinal que era pretendido, só faltou dar-lhe um toque pessoal para que não parecesse algo corriqueiro e comum. Não é uma audição gratificante.

5.5/10
Fernando Ferreira

Ba’alzamon – “A Desolate Place”

2019 – Edição de Autor

Tentamos ter sempre uma atitude positiva nas análises que fazemos – salvo raras excepções quando por motivos de ordem pessoal estamos com menos paciência e acabamos por não conseguir ver o copo meio cheio. Ou melhor não conseguimos ver sequer água. Os Ba’Alzamon são nitidamente uma jovem banda a dar os seus primeiros passos na cena, com sonhos e ideais que esbarram por vezes na falta de condições e/ou experiência. “A Desolate Place” é um trabalho que tem essas boas ideias mas que graças a uma produção mais rudimentar (que anos atrás seria fantástica mas hoje em dia não impressiona) e a uma incapacidade de elevar essas ideias a bons temas, resulta num conjunto de temas que não são memoráveis. Ainda assim, temos a certeza de que em breve a banda poderá apresentar algo superior. O talento está lá. Nota positiva para a cover de “Self Control” – lá está, poderia ter ficado muito superior com melhor produção.

5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.