WOM Reviews – Temponaut / Slowly Building Weapons / Bulb / Prospects / Cellar Vessel / Virtual Symmetry / Hybrid Spirits / Glädjekällor

WOM Reviews - Temponaut / Slowly Building Weapons / Bulb / Prospects / Cellar Vessel / Virtual Symmetry / Hybrid Spirits / Glädjekällor

Temponaut – “Meridian”

2020 – Edição de Autor

Alguma coisa tem de ser feita em relação aos rótulos, de forma urgente. Sei que perante tudo o que mundo está a passar neste momento, que esta não será uma das prioridades, mas esta é uma verdadeira praga para quem se gosta de apoiar neles. Isto porque nos foi dito que os Temponaut tocavam metalcore e aquilo que encontramos é algo totalmente diferente – nem o rótulo de metalcore progressivo ajuda a safar a situação. Há efectivamente um feeling progressivo mas o mesmo surge com riffs fortes e com uma forte componente orgânica. Dá a sensação de que estamos a assistir a uma jam da banda quando o vocalista faltou ao ensaio – e que aí se percebeu que o mesmo não faz falta nenhuma. É um EP mas para mim poderia muito bem ser um álbum, que o impacto seria o mesmo, embora nesse caso exigiríamos mais temas, obviamente. Viciante!

9/10
Fernando Ferreira

Slowly Building Weapons – “ECHOS”

2020 – Bird’s Robe Records

Como definir um disco ou banda enigmática? Dá-lhe com uma capa onde aparecem quatro freiras numa espécie de miradouro e fica-se logo apresentado. Não esclarece nada em relação ao que se vai ouvir mas pelo menos fica-se logo com a ideia de que vamos estar perante algo marado. Não muito marado mas no mínimo invulgar. A sonoridade dos japoneses Slowly Building Weapons tem atmosfera suficiente para que os encaixamos no campo do pós-qualquer-coisa. Seja mais para o rock (não tem assim um peso absurdamente bruto em termos metálico) ou até mesmo para o lado do metal (porque a atmosfera, por outro lado, é opressiva e não deixamos de ter alguns momentos explosivos). Cabe à interpretação de cada um. A minha é que este é uma aura e ambiente fantástico de um álbum pouco vulgar, que oscila entre o rock e o metal mas consegue soar sempre bem e como sendo a mesma banda e não algo que aparente ser um split esquisofrénico disfarçado de álbum.

9/10
Fernando Ferreira

Bulb – “Archives: Volume 1”

2020 – 3Dot Recordings

O meu lado obsessivo compulsivo (que até tem sido bastante aplacado ultimamente) passou-se com este política de lançamentos da série de álbuns arquivo do trabalho de Misha “Bulb” Mansoor dos Perifphy. Isto do primeiro volume ser o último a ser lançado é algo que tem potencial para fundir os fusíveis todos, mas adiante. Não sei qual é o critério da divesão dos volumes mas tendo em conta a curta duração da maioria dos lançamentos é algo que poderia ter sido lançado em menos volumes. E pronto, acabaram-se as queixas porque de resto temos temas instrumentais onde todo o talento do músico está mais que evidenciado – não que houvessem qualquer tipo de dúvidas a esse respeito. Este particularmente, apesar de não passar da meia hora, tem alguns dos melhores momentos de todos os volumes. Se calhar o plano era mesmo esse, deixar o melhor para o fim.

8.5/10
Fernando Ferreira

Prospects – “Recalling”

2020 – Edição de Autor

Bom este é um EP impressionante. E é também aquele em que marca um novo início da banda, sendo o segundo lançamento. É aqui onde vão recuperar alguns temas antigos e os reapresentam, agora que são uma verdadeira banda e não um projecto solitário por parte de Robert Medeiros, como foi inicialmente. Não tendo ouvido o primeiro álbum feito de forma caseiro, não dá para comparar mas o que se ouve aqui é mesmo muito bom. Death metal progressivo e moderno, com enorme potencialidade. Consta que o álbum vem no próximo ano. Mal podemos esperar.

8.5/10
Fernando Ferreira

Cellar Vessel – “Vein Beneath The Soil”

2020 – Edição de Autor

Esta estreia – que não é estreia – dos norte-americanos deixou-me confuso. Isto porque em 2014 lançaram outra estreia, com o mesmo título e com algumas das músicas que aqui estão contidas – não conhecendo o trabalho, não posso dizer se a semelhança vai para além dos títulos. Seria o suficiente para pensarmos que há por aqui algo que não cheira bem e passarmos ao próximo – e a lista é enorme! No entanto, aquilo que tem de ser dito é que este é um álbum de death metal que impressiona. O rótulo de atmosférico e progressivo poderá ser enganador – até porque hoje em dia cada vez mais coisas progressivas que são tudo menos isso. No entanto até podemos encontrar elementos, a nível da técnica bem apurada mas mais do que ser progressivo, aquilo que encontramos mais são elementos de black metal melódico. Aliás, pela intro, poderia jurar que seria essa a via seguida.  É um álbum interessante e que consegue cativar sem grandes dificuldades para quem gosta dos trejeitos do black metal melódico (principalmente das linhas de teclados) do início da década de noventa com um death metal mais técnico. Resulta. Esperemos agora por um segundo (ou terceiro) álbum para ver a evolução.

8/10
Fernando Ferreira

Virtual Symmetry – “Message From Eternity”

2016 – PBR Record

Trabalho de estreia dos Virtual Symmetry, um dos bons valores do metal progressivo suiço. Podemos detectar traços de influências de bandas como Dream Theater ou Redemption mas no geral este é um álbum que vive para as canções e não para destilar esta ou aquela influência. Isso também vale para a competência técnica que apesar de elevada, não nos é empurrada pelos ouvidos abaixo. Boa estreia de uma boa banda.

8/10 
Fernando Ferreira

Hybrid Spirits – “Mirage”

2020 – Edição de Autor

Os Hybrid Spirits fazem questão de surpreender a cada álbum ou EP que lançam. Ora ambient ora alternativo, ora ambos, eles não são esquisitos e nós também não porque os resultados são bons. Voodoo Jade é quem assume a voz principal aqui e devo dizer que ficou assombroso. O tema-título, logo a começar, remete-nos para toda uma mística misteriosa própria de um filme de ficção científica. Já “Mysteria Hysteria” é mais dançante e remete para o pós-punk, enquanto “Rain Or Shine” vais buscar aquela vibe chilout ou trip hop da década de noventa com um certo feeling de música de dança, algo que o último tema também explora. Para quem gosta de sonoridades mais relaxadas, este “Mirage” é indicado. Não é o que o já citado tema título sugeria no início para para quem gosta desta exploração da música electrónica é um bom EP.

6/10
Fernando Ferreira

Glädjekällor – “Jesuskomplex”

2020 – Talheim Records

Depois de nove anos a lançar alguns singles e splits, está aqui o segundo álbum da one-man band sueca Glädjekällor – cujo nome significa fontes de alegria, um sentido irónico já que o que apresenta musicalmente é uma espécie de pós-black metal depressivo. Não conhecendo o primeiro álbum, tenho mesmo de começar por aqui onde temos várias facetas e várias disposições, muitas incongruentes. De um chillout à moda dos Enigma passamos para um neo-folk depois temos pós-black metal para de seguida temos um rock depressivo à moda dos Radiohead. Temos de tudo um pouco, perdendo-se o sentimento de estarmos a ouvir um álbum da mesma entidade em vez de uma compilação cujo tema é “várias formas de fazer música depressiva”. Não sendo mau, não é tão bom quanto poderia ser.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.