WOM Reviews – The Drippers / Soleil Moon / Elixir Inc / Mean Machine / Unknown Decoy / Spread Eagle / Indianhead / Rockett Love

WOM Reviews - The Drippers / Soleil Moon / Elixir Inc / Mean Machine / Unknown Decoy / Spread Eagle / Indianhead / Rockett Love

The Drippers – “Action Rock”

2019 – The Sign Works

Abraçando completamente o espírito do rock ‘n’ roll, os roqueiros suecos dão fazem a sua estreia com “Action Rock”…puro rock’n’roll, cheio de adrenalina e viciante, fundindo as ideias do rock escandinavo dos anos 90 de forma bem conseguida e arrasadora!Palavras para quê?

Nota: 10/10
Review por Miguel Correia

Soleil Moon – “Warrior”

2019 – Frontiers Music

Vinte anos depois os Solei Moon estão de regresso com “Warrior”. Trata-se do terceiro disco e segundo a banda entende-se que seja um trabalho para a exploração de novos conceitos musicais. Sim, a época em que vivemos está ao rubro com tanta oferta musical e marcada por reuniões de bandas e neste caso a coisa parece ter funcionado bem. Respeitando a linha de condução da banda para este disco, ao ouvi-lo, senti um rock melódico cheio de energia, inspirador por momentos, e com a capacidade de nos dar vontade em ouvir novamente. Grandes momentos musicais e admito ter ficado surpreendido pela qualidade vocal de Larry King!

Nota 10/10
Review por Miguel Correia

Elixir Inc – “On The Razzle”

2019 – Edição de Autor

Uma das frases fortes do comunicado de imprensa para este trabalho dos brasileiros Elixir Inc. “criar a nova geração rock”. Muito falamos sobre isso, e sobre a renovação de sangue e muitos nomes encontramos que mostram ter capacidade para isso. Os Elixir Inc. podem encaixar-se no grupo perfeitamente já que a banda traz uma raça de rebeldia rock que nos faz acreditar que o rock nunca vai morrer, por muito que as modas andem longe do género. Nove temas fantásticos e um grande feeling que não conseguimos deixar de sentir em temas como “Should” e “Rosita”.

Nota: 8/10
Review por Fernando Ferreira

Mean Machine – “Rock’n Roll Up Your Ass”

2019 – Fighter Records

Há um nome que nos surge imediatamente como inspiração para os Mean Machine: Motörhead. Não é que o vocalista tenha uma voz que lembre Lemmy ou o que o baixo seja tão barulhento mas o espírito de rock’n’roll, sem tretas, aqui especialmente vitaminado, relembra em muito a atitude da mítica banda que misturou a atitude despreocupada do punk com o heavy metal. Se pegarmos nisso e colocarmos sobre o filtro do heavy metal speedado, então temos os Mean Machine, uma banda que não sendo original consegue contagiar-nos com a sua energia aparentemente inesgotável. Por vezes as coisas mais simples da vida são mesmo as melhores.

Nota 8.5/10
Review por Fernando Ferreira

Unknown Decoy – “Seeking The Sun”

2019 – Inverse Records

O Ep demonstra o estilo musical da banda de um extremo ao outro. Cinco músicas debitadas com algum esforço, impulsionadas por fortes riffs de hard rock, que alternam para caminhos algo mais stoner! Há uma tentativa da parte da banda em trazer algo fresco, mas, penso que as coisas não foram conseguidas, pelo menos para já.Já referi vezes sem conta, a concorrência é feroz e facilmente absorve quem não consegue chamar a si os holofotes da ribalta.

Nota: 7/10
Review por Miguel Correia

Spread Eagle – “Subway To The Stars”

2019 – Frontiers Music

Ok, mais um nome! Eu sei que eles andam a dar concertos desde 2006, mas a aposta agora saiu dos palcos a passou para o estúdio e em bom tempo o fizeram. Sou um fã do género, porque gosto de coisas alegres, que ao ouvirem rapidamente me contagiem e este disco, sem soar datado, é o passo seguinte que os Spread Eagle teriam de dar. Nota ainda para um ponto importante: não pensem os fans dos Spread que este trabalho está ao nível dos primeiros lançamentos, mas a oferta é consistente e dentro da linha habitual.

Nota 8/10
Review por Miguel Correia

Indianhead – “Songs From The Deluge”

2019 – Dirty Trucker Hat Music

Formados em 2017, os Indianhead, contrariamente ao que o seu nome pode induzir, são uma banda americana dedicada àquele hardrock pesado e relativamente lento americano. Uma boa forma de caracterizar o som desta banda é a menção dos tipos de trabalhos que compõem, neste caso músicas temáticas para lutadores de luta-livre profissional; portanto os mais nostálgicos em relação a esse tempos podem facilmente ter uma mínima noção do que podem esperar …  para os outros pode-se dizer que o seu estilo de música lembra bastante aquele de Godsmack. Songs From The Deluge é o álbum de estreia desta banda, e apresenta-se exatamente como o idealizado acima. Um vocal melodicamente rouco, riffs pesados e viciantes, baixo bastante sentido e a bateria num panorama mais discreto. Contudo, levanta-se uma questão interessante nisto tudo: a música é efetivamente de qualidade ou não passa todo o prazer deste rock de uma sensação interior de nostalgia deste estilo? Parece-me ser o primeiro caso, na medida em que no seu todo, a sonoridade dos Indianhead apresenta-se como pesada mas ao mesmo tempo cuidada (segundo padrões do rock) com o vocal a desempenhar um papel fulcral: o de estabilidade e de vício dentro de toda a musicalidade. Como é de esperar, há uma ausência moderada de solos de destaque neste álbum, mas já é algo expectável dentro do género e a verdade é que fazem o suficiente para manter os ouvintes cativados neste trabalho com os seus riffs rítmicos mais pesados. A banda também realiza um bom trabalho em termos de evitamento de repetições ao longo do seu álbum de estreia, sendo importante relembrar que há a típica faixa lenta obrigatória (e ainda uma outra que chega a mergulhar em tons mais mórbidos ao estilo de doom, apesar de que por pouco tempo). Num todo, parece-me justo apelidar este álbum de uma dedicatória à musicalidade “fora-da-lei” americana e que faz um bom trabalho a apresentá-la.

Nota: 8/10
Review por Matias Melim

Rockett Love – “Greetings From Rocketland”

2019 – AOR Heaven

A AOR Heaven já nos habituou a grande hard rock, raçudo e sempre com um pé no passado e outro no futuro. Ou pelo menos quase sempre. Pelo menos é o que temos aqui com os Rockett Love que nos trazem uma produção forte, onde as guitarras são rainhas e senhoras. Com um início de carreira em 2015, o amor à década de oitenta é bem notório, mas estes são temas que qualquer fã de rock vai curtir sem grandes problemas. E aqui também podemos encontrara grandes soluções para todos os problemas. Seja com “Bite The Bullet” ou “I Want Out” para mandar tudo pastar ou simplesmente para seguir em frente com “Get Ready, Go!”. Simples assim.

Nota 7.5/10
Review por Fernando Ferreira

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.