WOM Reviews – Twitch Of The Death Nerve / Wolf King / Prophecy Of Death / Cannibal Accident / Spirit Of Rebellion / Exterminated / Feed Them Death / Rotten Rectum

WOM Reviews - Twitch Of The Death Nerve / Wolf King / Prophecy Of Death / Cannibal Accident / Spirit Of Rebellion / Exterminated / Feed Them Death / Rotten Rectum

Twitch Of The Death Nerve – “Beset By False Prophets”

2021 – Comatose Music

Adoro esta banda. Lá se vai a imparcialidade, não é verdade? Bem, nunca escondi que somos apenas fãs a mostrar música para fãs (potenciais ou não). Os Twitch Of The Death Nerve são já veteranos embora apenas tenham dois álbuns às costas. Como muitos os que lançaram álbuns no ano passado, sobre a impossibilidade de os promover ao vivo, aqui está a necessidade de ter que lançar mais qualquer coisa. E enquanto uns fazem a festa com uns quatro temas novos, já os britânicos não fazem por menos e apresentam quase cinquenta minutos de música. Bem, tecnicamente só temos mesmo quatro temas novos – e bem bons – mas a adicionar a isso temos o set completo que a banda tocou no Xxxapada na Tromba em 2020 – que foi a primeira vez que tomámos contacto com o seu som. Por falar nisso, a captação não está perfeita mas com qualidade suficiente para que se perceba o porquê de ter ficado logo fã. Podemos dizer que este é um item obrigatório para qualquer death metal maníaco por aí, e um pedaço de história do underground nacional.

9/10
Fernando Ferreira

Wolf King – “The Path Of Wrath”

2021 – Prosthetic

Adoro bandas como os Wolf King que têm um som tão revolucionário por apenas juntar elementos de outros estilos que tão bem conhecemos. Talvez revolucionário seja algo bastante forte – vamos dizer refrescante. “The Path Of Wrath” é um daqueles cronhadões na tola que junta hardcore, sludge, death metal e black metal tudo no mesmo tacho. De forma rude, sem grandes floreados. Como a realidade, pura e dura. A sonoridade é assim mesmo, poderosa, mas sem grandes artíficios de estúdio. É desconcertante tanto como é viciante e um verdadeiro desafio para tentar encaixá-lo numa das nossas habituais listas de final de ano, porque tem argumentos para estar numa série delas. O que é certo é que vai estar presente, já que é definitivamente um dos discos do ano.

9/10
Fernando Ferreira

Prophecy Of Death – “The Forgotten Chapter”

2021 – Museu Heavy Metal Açoriano

Fantástica iniciativa – não me canso de repetir – na qual a World Of Metal teve a honra de participar como patrocinador. Esta iniciativa visa reunir num pacote as principais referências do metal açoriano – tendo o nome de “Azorian Heavy Metal Copllection 1980-2000” onde temos aqui o primeiro volume. A banda era uma das grandes promessas do metal nacional mas que infelizmente nunca chegou a concretizar o seu álbum de estreia. Temos a oportunidade daqui reunir todo o seu trabalho editado até aos dias de hoje, onde temos a Promo Track de 93 “Morte”, a demo-tape “Beyond The Darkness” e a promo tape “Immortality ambas de 94 e a promo “Punished” de 98. Som precário , é certo mas dono de um death metal que revelava imenso potencial que já se notava na “Punished”, com as influências doom a surgir. É um trabalho que vale pelo seu carácter histórico e como forma de preservação do legado metálico nacional e particular açoriano.

Fernando Ferreira

Cannibal Accident – “Nekrokluster”

2021 – Time To Kill Records

Os Cannibal Accident gostam de levar o seu tempo entre matanças. E avaliar por este álbum, os cinco anos de espera até renderam frutos. Quando se fala de death/grind, há sempre um ângulo, uma expectativa de termos algo revolucionário – principalmente no grind – e aqui é bom ver que aquilo que se tem é apenas o que os Cannibal Accidente sabem fazer melhor, tripas ao sol mas de forma original e por vezes até desconcertante – não invalidando umas curtas passagens de sevilhanas no “Sexual Matador” por exemplo, ou os ocasionais samples desconcertantes. Bom humor (doentio, mas bom) e música que não desarma a seriedade do death grind que surge como se espera: bons riffs, vocalizações variadas e um álbum dinâmico. Não se fica a precisar de muito mais. Estes canibais não fazem as coisas por acidente, sabem sempre onde temos os nossos pontos fracos.

8/10
Fernando Ferreira

Spirit Of Rebellion – “Time For Global Refusal”

2020 – Edição de Autor

Spirit Of Rebellion é um nome bem estranho para uma banda de death metal canadiana, mas quando a música nos chega com este poder e dinâmica, who cares, certo? Misturado e masterizado por Dan Swanö, já se sabe que vamos ter uma garantia de qualidade em relação à sonoridade. Brutalidade é transmitida mas também com alguns elementos que ajudam a manter o interesse ao longo destes nove (dez com a “Outro”, vá) temas em alta. E quando tudo o resto falha e já só temos vontade de mandar tudo para a outra banda, são álbuns destes que nos ajudam a manter a cabeça no sítio. Depois do headbang, claro.

8/10
Fernando Ferreira

Exterminated – “The Genesis Of Genocide”

2021 – Comatose Music

Há um preconceito em mim em relação ao gore/grind e/ou brutal death metal do final da década de noventa e início da década seguinte que foi feito na Ásia. Preconceito que nasceu do facto de ter apanhado muitas propostas que invariavelmente soavam todas ao mesmo. Algo que depois se foi atenuando até este álbum de estreia dos Exterminated e voltou tudo. A tarola com som de lata de ananás, as guitarras genéricas (do som à composição) e a voz… bem a voz aqui até é minimamente diversificada. Como todos os preconceitos, há uma resposta emocional estabelecida que fica gravada e que depois só tem que ser pressionada levemente para que dê ar da sua graça. Neste caso foi imediato mas após algumas repetidas audições, consigo notar que apesar de ser o álbum de estreia, a banda está uns pontos à frente e a bateria até começa a soar bem lá mais para a frente. Se calhar soar bem é muito forte. Começa a não fazer diferença. Não será um trabalho memorável mas é bem melhor do que este ou qualquer outro preconceito possa ditar.

7/10 
Fernando Ferreira

Feed Them Death – “Negative”

2021 – Brucia Records

Este não é um álbum fácil de ouvir. Isto para quem vem arrastado pelo rótulo do death metal. Também há o do avantgarde, mas esse é já bastante vago. A sonoridade dos Feed Them Death é, para quem os conhece não é surpresa nenhuma, bastante dinâmica. Mas longe de ser acessÍvel. Isto sem devaneios técnicos do outro mundo. É apenas o dom de fazer músicas herméticas e sufocantes. A exemplo da arte. Perturbante mas até bastante simples na sua apresentação. A intensidade anda por aqui muito, resta saber se tem poder, a longo prazo, para converter os mais cépticos. Quanto a mim, é uma luta interior que ainda precisa de mais uns capítulos para chegar até ao final. No entanto, até agora, saldo positivo.

7/10
Fernando Ferreira

Rotten Rectum – “15 Godina Trute Rcme Greatest Hits”

2021 – Murder Records

Falar de “Greatest Hits” numa banda que tem como modus operandi criar dores de cabeça e estranheza através de ruído, distorção e feedback é certamente ironia bem humorada. Os Rotten Rectum começaram em 2006 mas até poderiam ter começado em 1986 que ninguém iria suspeitar. Muitos destes temas não estariam desfasados no clássico “Scum”, com a produção a ser ligeiramente pior. Não é para os fracos, mas existem momentos que poderão interessar aos fãs de grindcore e noise em igual medida. É pena é que as músicas sejam tão curtas e sempre interrompidas por samples, o que quebra a fluidez do álbum, embora, claro, isso faça parte do encanto da coisa.

5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.