WOM Reviews – Wolftooth / Exlibris / Argus Roh / Red Rooster Original / Return / The Petal Falls / Electric Feat / Eisenhauer

WOM Reviews - Wolftooth / Exlibris / Argus Roh / Red Rooster Original / Return / The Petal Falls / Electric Feat / Eisenhauer

Wolftooth – “Valhalla”

2020 – Ripple Music

Fantástico! Simplesmente fantástico. Olhando para a capa, desconfia-se logo que estamos perante uma pomada old school de acracterísticas épicas. E pelo menos uma vez na vida, não somos levados ao engano. A particularidade é que “Valhalla” é um álbum que funde na perfeição o heavy e o doom metal. Simplicidade dos dois géneros – que até remonta um bocado ao feeling proto-heavy/doom, principalmente pelas melodias vocais que não estariam desfasadas de um álbum de hard rock da década de setenta – que conjugado no traz algo realmente refrescante. Fantástica esta banda norte-americana que nos faz acreditar que há esperaça para o país, no que ao metal diz respeito. Este é o segundo trabalho e desconhecendo o primeiro (homónimo de 2018), a vontade é de o ir conhecer, pelo que provavelmente será o que vos vai acontecer também.

9/10
Fernando Ferreira

Argus Roh – “Worlds Collide”

2020 – Edição De Autor

São uma agradável surpresa! Oriundos de Varsóvia, Polónia os Exlibris são um portento de “Orchestral Metal”.

Trata-se do quinto disco da banda, que me prendeu com muita facilidade, acima de tudo porque o que nos é dado a ouvir, apesar de toda técnica sentida em cada momento, é de uma simplicidade única, eficaz, direto e com a voz de Turunen a ser a cereja no topo do bolo. Tudo encaixa na perfeição!

A banda já teve o seu reconhecimento em lançamentos anteriores, a exemplo “Humagination”, lançado em 2013 e ser reconhecido pela Metal Hammer como o álbum do mês na Polónia, e certamente, que este disco irá reforçar o estatuto obtido.

“Shadowrise” apresenta também uma nova formação, incluindo o talentoso guitarrista finlandês Antti Wirmen. Fico já ansioso pelo próximo trabalho!

9/10
Miguel Correia

Argus Roh – “Worlds Collide”

2020 – Outer World Records

Rock and Roll pesado com muita pegada! Uma conclusão que podemos ter já nos primeiros minutos deste EP. Com muita influência de Black Sabbath sendo demonstrada nos riffs que recheiam este trabalho. A gravação é razoável, mas não estraga o trabalho quem sabe para um trabalho completo a banda poderia chamar um produtor para ajudar a produção e finalização do trabalho. Fica a dica para o pessoal que gostam de Rock and Roll pesado e com muita pegada!

9/10
Carlos Lichman

Red Rooster Original – “California Sun”

2020 – Edição de Autor

Assim é que nos conseguem conquistar. Não é por nos apresentarem coisas que nunca ouvimos antes – até porque há o grande risco de poder sair algo tão fora que dificilmente vamos conseguir interiorizar – e sim pegar no bom e velho rock (ou rock’n’roll com uma pitada de blues e simplesmente rockar. Nada mais simples. Pode-se até meter aqui um bocado daquele espírito irreverente do indie da década de noventa que não nos chateamos. Coisa mesmo boa, esta boa capacidade de apreciar as coisas boas e simples da vida.

8.5/10
Fernando Ferreira

Return – “V”

1992/2020 – AOR Heaven

O início desta caminhada é feito de forma, muito clássica para o estilo. A banda de rock melódico norueguesa Return traz-nos o seu quinto trabalho, numa abordagem discreta sem ser daqueles discos que quando o colocamos a tocar parece que nos enche a casa com a sua energia, mas “V” é um disco de AOR cheio de ambição na mesma, pois a essência está lá e sente-se muita qualidade em cada faixa que nos é dada. Proliferam os momentos acústicos que se complementam em estruturas musicais muito atmosféricas, onde parece nada faltar. Ao fazer esta review de “V” a espaços dei por mim a cantarolar como se já o tivesse ouvido, fruto dos clichés que vamos aqui apanhando. Não é um disco para todos, mas recomendo, claro!

9/10
Miguel Correia

The Petal Falls – “All These Years”

2020 – Handful Of Dust

“All These Years” é um álbum cheio de estilo e único, refletindo uma vida inteira de influências musicais que se transformaram num som sempre vibrante, interessante, poderoso e surpreendente. A banda britânica, de rock pop tem aqui uma proposta interessante, muito sólida muito anos 80, mas que se sente atual.

8.5/10 
Fernando Ferreira

Electric Feat – “Electric Feat”

2020 – Edição de Autor

Não é novidade nenhuma nós sermos transportados até uma outra era hoje em dia. Até é, de certa forma, normal esperar algo retro. Mas mais do que ir buscar feelings, ou fórmulas, há todo um ambiente que é vivido (nem é recriado, é mesmo vivido) neste álbum de estreia. Pensem num mundo pré-Black Sabbath, pré-Blue Cheer. Depois desse exercício, e depois de ouvir este álbum, não será difícil imaginar como esta banda grega se encaixa perfeitamente numa fusão de proto-doom, heavy rock e até uma pitada de psicadelismo. Podem vir umas décadas atrasados mas de qualquer forma, welcome boys.

7/10
Fernando Ferreira

Eisenhauer – “Blessed Be The Hunter”

2020 – Rafchild Records

Os Eisenhauer regressam para o segundo álbum e para quem esteja curioso em relação a que género se trata, não, não é death metal industrial apesar do que o nome possa sugerir. Heavy metal tradicional com um grande som, excelente produção, e com músicas que não nos deixando a boca aberta, também causam uma boa impressão. Andamentos mais doom fazem lembrar-nos nomes como Grand Magus, embora se evidencie uma identidade própria. É uma boa surpresa para quem não os conhecia (tendo em conta que a estreia foi em 2013, é provável que tenha passado ao lado ou se não passou, já não se recordem), recomendamos a audição.

8/10
Fernando Ferreira

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: