As Crónicas De Riddick Review

Vin Diesel está de volta com a personagem Riddick do filme de 1999, Eclipse Mortal, numa produção de orçamento mais largo, logo com mais efeitos especiais, um melhor elenco e por aí a fora. Nos cinco anos a seguir aos eventos do primeiro filme, Riddick vagueia pelo Universo para impedir que a sua presença atraísse problemas para Jack, a pequena rapariga única sobrevivente do planeta de onde escaparam no filme anterior. No entanto, a sua cabeça é posta a prémio por outro velho conhecido seu e um ser de uma raça chamada os elementais (Judy Dench – M dos últimos 007) para que o levasse a combater os conquistadores Necromantes, que estão a expandir-se pelas galáxias.
Lord Marshall, o chefão dos Necromantes, conhece uma profecia que diz que irá ser derrotado por um Furyano, raça de Riddick, o último da sua espécie (se não é o último, anda lá perto), logo lança-se em seu encalço. Riddick entretanto é capturado por uns mercenários que manipulados por si, o vão deixar na prisão onde está Jack. Este planeta demonstra o ponto fraco do filme, onde quando o sol descobre fica uma temperatura de 700º e quando está de noite fica uma temperatura de 300º negativos. Ora além de o sol andar extremamente rápido á volta do planeta ou pelo menos andar quando convém ao argumento, há o pormenor delicioso de Riddick, Jack e mais quatro marmanjos andarem pelo planeta a correr, numa temperatura de 300º graus negativos. Eu não sei qual seria o resultado disso, mas acho que pelo menos só o facto de RESPIRAR devia ser doloroso, mas como não tenho formação ou bases científicas para afirmar o quer que seja apenas posso dizer que achei estranho. Ainda para mais com Riddick estando de camisola de cavas…se calhar é uma thermoteb.
Adiante, Riddick escapa e dá na cara de toda a gente. Apesar de aos poucos se tornar um lugar comum nos filmes de Vin Diesel, principalmente depois de XXX, mas a diferença é que este como é um filme de ficção cientifíca e como a personagem não é exactamente humana (não estão fartos dos filmes em que vos apresentam extra-terrestres que são humanos? Nem um braço nas costas, nem um genital na testa…) é a credibilidade suficiente para ele fazer acrobacias dignas de Homem Aranha e Demolidor juntos. Portanto a fórmula é esta, pessoal de Hollywood, basta ter raios laser para a malta engolir os voos, a força de um elefante, as acrobacias impossiveis e a rapidez sobre-humana. Nunca ninguém pensou que fosse simples.
Mas este não é um mau filme, é um bom filme de entretenimento, com tudo o de bom e de mau que advém dele. Bons efeitos especiais, boas interpretações (também não se pede muito) e Vin Diesel está sempre bem, mesmo em filmes de merda. Por iso vale a pena, mesmo que depois no final fiquem um pouco á espera de mais, pela maneira como acaba. O pedido habitual de sequela.
Nota 6.5/10
Com o apoio de

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.