Gamma Ray – “Blast From The Past” Review

CD 1
1. Welcome
2. Lust for Life
3. Heaven Can Wait
4. Heading for Tomorrow
5. Changes
6. One with the World
7. Dream Healer
8. Tribute to the Past
9. Last Before the Storm
10. Heal Me
Duração 61:03
CD 2
1. Rebellion in Dreamland
2. Man on a Mission
3. Land of the Free
4. The Silence
5. Beyond the Black Hole
6. Somewhere Out in Space
7. Valley of the Kings
8. Anywhere in the Galaxy
9. Send Me a Sign
10. Armageddon
Duração 60:26
2000 Noise Records
Havendo uma forma de valorizar uma simples compilação, esta, apresentada aqui em “Blast From The Past” é a ideal. Mais do que juntar uma série de faixas cuja escolha será sempre discutível – mesmo havendo temas que reunam consenso – temos algo que os Gamma Ray viriam a fazer no futuro (mais precisamente no álbum ao vivo “Skeletons In The Closet” que já aqui analisámos) que é dar a escolher aos seus fãs o alinhamento. Aqui em concreto pediram para que escolhessem três temas de cada álbum (a excepção foi feita para a inclusão do tema The Silence, do EP “Silent Miracles” com faixa bónus) e assim ficou feita a selecção.
Para além desta selecção, temos o facto dos temas dos primeiros quatro álbuns terem sido totalmente regravados pela formação da banda em 2000, ano em que esta compilação foi lançada. Curiossamente corresponte aos álbuns que não conhecia quando adquiri este lançamento, o que fez com que esta fosse uma excelente introdução ao trabalho mais antigo da banda. Existem algumas diferenças nos referidos temas, mas sem dúvida que isso constitui uma mais valia quer para quem não conhece os ditos trabalhos como para aqueles que já os possuem.
Numa altura em que o formato de compilação já estava a começar a não ser a aposta segura em render uns cobres, eis que os Gamma Ray mostram a solução para contornar esse facto – embora aqui exista realmente um investimento de regravar toda uma série de músicas (treze para ser mais preciso). Ainda para mais, cheirando este álbum a algo para cumprir contrato para se livrarem da Noise Records – poderiam ter lançado um produto qualquer feito a três pancadas. Dezasseis anos depois, o que podemos dizer é que de vez em quando ainda pegamos neste álbum para dar um giro. E isso já diz muito senão tudo.
Nota 9/10
Com o apoio de

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.