Máquina do Tempo – Phaeton / Cloudburst / Morbid Decapitation / Necrosanct / Ankhara / Cortez / Creatures / Devil’s Teeth

Máquina do Tempo - Phaeton / Cloudburst / Morbid Decapitation / Necrosanct / Ankhara / Cortez / Creatures / Devil’s Teeth

Phaeton – “Phaeton”

2018 – Edição de Autor

Não é preciso muito para ficar fascinados com as propostas de metal instrumental que nos têm surgido à frente, mas em nossa defesa, a qualidade tem sido realmente elevada. Como este álbum auto-intitulado onde o progressivo é tratado de forma excelsa. Temos pormenores e arranjos que vão bem mais além do que o simples “ó-pa-mim-que-toco-tão-bem”. Sem necessidade de termos uma exposição à técnica individual a custo de tudo o resto, temos sete temas que nos transportam como se fossemos uma pena pelo mais profundo cosmos que está no nosso próprio interior mas nem sempre ao nosso alcance. Fantástico.

Nota: 9/10
Review por Fernando Ferreira

Cloudburst – “Cloudburst”

2018 – Samstrong Records

A mistura entre metal e hardcore tem sido complicada de definir. Isto partindo do princípio que não estamos simplesmente a falar de metalcore, como é o caso deste trabalho auto-intitulado dos Cloudburst. Os indonésios apresentam-se com uma fome que só a capa consegue dar uma ideia do que temos aqui. Dissonâncias, berros, gritos e muita raiva é o que compõem este segundo álbum daquela que promete ser um dos grandes destaque do hardcore metalizado e abrasivo vindo da Ásia. Impressionante, ainda para mais quando injectam melodias inesperadas e altamente viciantes pelo meio

Nota 8.5/10
Review por Fernando Ferreira

Morbid Decapitation – “Death Anthems”

1990-2019 – Vic Records

Esta é uma preciosidade, servida como sempre pela principal recuperadora de arquivos metálicos do mundo, a Vic Records. Trata-se de uma banda algo visionária para o seu tempo, tendo começado em 1986 e com influências de nomes como Napalm Death, se estes tivessem começado por tocar mais death metal do que o grind que idealizaram. Os Morbid Decapitation já acabaram em 1992 mas não foram esquecidos. A Vic Records foi buscar o álbum lançado em 1990, “Death Anthem” e juntou-lhe ainda outro que não chegou a ser lançado. O som é bem podre, a assemelhar-se a uma demo ou até mesmo ensaio, mas não deixa de ser fantástico este som feito quase de forma precária quase trinta anos atrás soe, de certa forma, actual nos parâmetros da música extrema. E o álbum que não foi lançado já tem um upgrade de som que nos faz pensar que esta banda, a ter continuado, poderia ter feito coisas be interessantes.

Nota: 8.5/10
Review por Fernando Ferreira

Necrosanct – “Legacy”

2019 – Vic Records

A Vic Records, sempre na senda do que é clássico e daquilo que estava esquecido (umas vezes bem, outras nem por isso), traz-nos desta vez uma compilação que junta as duas demos dos britânicos Necrosanct em todo o seu esplendor de podridão death metal. Nesse aspecto, esplendor a mais mas também já lá vão quase trinta anos. Trata-se de um documento histórico interessante mas essencial apenas para os fãs desta era da música extrema e, claro, dos fãs da banda que terminou funções em 1993 com três álbuns editados.

Nota 6/10
Review por Fernando Ferreira

Ankhara – “Sinergia”

2018 – 2019 – Fighter Records

Reedição do regresso aos discos por parte da banda de heavy metal espanhola Ankhara, eles que acabaram a carreira – ou melhor, interromperam – em 2004 e voltaram em  2013. Um regresso que se materializou da melhor forma com um heavy metal musculado e bem conseguido e ao qual se juntam três faixas bónus registadas ao vivo em que a qualidade não é das melhores mas não comprometem o resultado. Para quem não lhe faz confusão uma banda a cantar em espanhol – são raras as que não o fazem – é recomendado.

Nota: 7.5/10
Review por Fernando Ferreira

Cortez – “No More Conqueror”

2018 – Wooaaargh

Dissonâncias. Aquela coisa que tão difícil torna a apreciação de certos trabalhos mas que dá aquele toque muito especial noutros. No caso deste trio suiço, podemos dizer que é mais o segundo caso. Uma bateria irrequieta, uma voz raivosa, baixo pulsante e guitarra multi-facetada, são estas as principais armas para nos conquistar. Um álbum lançado no final do ano passado que merece ser chamado à atenção dos fãs da música pesada.

Nota 8/10
Review por Fernando Ferreira

Creatures – “II”

2018 – Edição de Autor

Segundo EP dos canadianos Creatures, uma banda que se move pelos campos do deathcore. Campos nem sempre apreciados. Neste caso há o facto de terem uma produção crua, algo inesperado para o género – mais dado a coisas com produção cristalina. E depois também temos uns arranjos de teclados – algo que o deathcore parece gostar – e o resultado até é interessante, não fosse a previsibilidade da coisa e a fórmula estar bastante batida. Ainda assim, acreditamos que é uma boa surpresa para quem gosta do estilo.

Nota: 7/10
Review por Fernando Ferreira

Devil’s Teeth – “Suki Yaki Hot!”

2019 – Edição de Autor

Os Devils Teeth são daquelas bandas que podemos dizer que são retro mas que eles se estão a borrifar para isso. Com uma mistura bem viciante entre um certo espírito rockabilly, surf rock e indie, “Suki Yaki Hot!” foi uma grande estreia lançado no ano passado que agora recuperamos para quem pensava que já não se fazia álbuns assim.

Nota 8/10
Review por Fernando Ferreira

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.