WOM Reviews – Accept / Godsnake / Trial (Swe) / Sanctuary / Hammerfall / Under Attack / Burning Witches / Veritas

WOM Reviews - Accept / Godsnake / Trial (Swe) / Sanctuary / Hammerfall / Under Attack / Burning Witches / Veritas

Accept – “Too Mean To Die”

2021 – Nuclear Blast

É inegável que os Accept são um dos regressos mais bem sucedidos dos últimos tempos no heavy metal – e a banda já teve mais do que um na sua carreira. Depois de quatro anos sem ter música nova e depois de alguns adiamentos, aqui está “Too Mean To Die”. Para quem esperava ansiosamente, valeu a pena a espera. Os Accept já têm uma fórmula muito própria e aquilo que fazem é heavy metal à sua própria moda. Tudo soa no seu devido sítio mas em vez de se sentir que a banda está a tentar provar algo ou a reinventar o quer que seja, o que se tem é apenas um álbum de heavy  metal onde todos os instrumentos de conjugam com a voz de Mark Tornillo, com o devido destaque para a guitarra de Wolf Hoffman. “Symphony Of Pain” é prova de como a banda, com mais de quarenta anos de carreira consegue ainda trazer algo válido para cima da mesa. E este é um dos seus álbuns mais fortes dos últimos tempos.

9/10
Fernando Ferreira

Godsnake – “Poison Thorn”

2020 – Massacre Records

Não é bom termos bandas que nos chegam do nenhures e que nos conseguem logo cativar? É o que acontece com os Godsnake e esta sua estreia discográfica, “Poison Thorn”. Com um som bem poderoso e moderno, a banda mistura o novo mundo com o velho, não só colocando muito groove nos seus riffs como também boas harmonias nos leads e soltar solos inspirados. Heavy metal raçudo que tem muita hipótese de agradar mesmo aos que, de maneira herética, dizem não gostar de heavy metal. Os Godsnake provam que o heavy metal assume várias formas e tem várias facetas. Todas boas, como aqui em “Poison Thorn”.

8.5/10
Fernando Ferreira

Trial (Swe) – “Sisters Of The Moon”

2021 – Metal Blade Records

Este é o momento propício para pequenos lançamentos destes, onde temos um EP de uma banda de qualidade bem acima da média a fazer rendições de temas clássicos que os influenciaram. Neste caso, o tema-título, os Fleetwood Mac, com uma rendição fantástica e emocional, que dá vontade de ouvir umas quantas vezes de seguida. Do outro lado temos os Black Sabbath e um tema que não é propriamente um dos mais escolhidos mas que isso não faz com que não seja também uma pequena pérola: “Die Young”  da era do Ronnie James Dio. Duas boas covers que dá para manter o nome da banda activo e também mostrar diferentes faces do (seu) heavy metal).

9/10
Fernando Ferreira

Sanctuary – “Into The Mirror Black”

1990 / 2020 – Century Media Records

Esta reedição comemorativa dos trinta anos do disco chegou num momento curioso já que este álbum tem um impacto curioso por várias razões. Primeiro, ainda recentemente gravei um episódio do podcast “O Bom, O Mau E O Vilão” dedicado aos Nevermore e onde os Sanctuary foram mencionados, obviamente. Este também foi o primeiro álbum que conheci da banda e do qual tenho um carinho nostálgico. O importante a reter é que embora estejam aqui as raízes que levaram aos Nevermore, estamos a falar de uma banda com uma identidade própria, uma banda representativa daquilo que era (e da riqueza que tinha) a cena norte-americana de heavy metal mais underground – e que depois foi levada pelo entulho que o grunge trouxe consigo. E aqui não só temos esse álbum, como também temos faixas bónus com versões demo de três temas e ainda um segundo disco com um concerto que tinha aparecido parcialmente no EP, também de 90, “Into The Mirror Live / Black Reflections” – que tem um som muito bom. Tudo motivos para querer guardar esta preciosidade que comemora um dos álbuns representativos de uma era do metal norte-americano.

9/10
Fernando Ferreira

Hammerfall – “Live! Against The World”

2020 – Napalm Records

Esta é uma altura mais que propícia para lançar álbuns ao vivo, uma altura em que não se pode fazer isso mesmo, celebrar a música ao vivo. E por esta altura a banda já tem um catálogo enorme, o que torna complicada a selecção. Obviamente que temos de ter alguns dos temas de “Dominion” intercalados com alguns dos clássicos, sendo que os primeiros quatro álbuns são sempre paragens obrigatórias. A partir daí é ir buscando alguns temas menos vulgares como “Hallowed Be Thy Name” e “Redemption” que na minha opinião matam um bocado o fluir do espectáculo. Apesar também estar disponível em Blu Ray, apenas tivemos acesso ao suporte aúdio no entanto, apesar disso, este será um item apetecível a todos os fãs da banda e do seu heavy metal.

7.5/10
Fernando Ferreira

Under Attack – “Virus Alert”

2020 – Sliptrick Records

Os italianos Under Attack propõe-nos um álbum conceitual estruturado em temáticas bem atuais, onde o som assenta nas influências do metal clássico dos anos 80, com riffs e solos cuidados, mas onde falta algum power para ter outro impacto.

Penso que as opções de produção não ajudaram a que o resultado final deste disco fosse outro, para melhor e olhem que a banda merecia, pois há qualidade, sem dúvida.

7.5/10 
Miguel Correia

Burning Witches – “The Circle Of Five”

2020 – Nuclear Blast

Novo tema – o tema-título – ao que se junta os três temas acústicos já disponibilizados de forma digital. Nos tempos em que vivemos, este tipo de lançamentos multiplicam-se. As bandas tentam realizar algum capital com edições que são uma espécie de marcar o passo em termos de evolução na sua carreira mas a prioridade agora é mesmo sobreviver. “The Circle Of Five” é um grande tema de heavy metal bombástico com aquele travo próprio da banda mas que em conjunto com os temas acústicos acaba por não funcionar muito bem. Temas esses que são interessasntes, rendições/versões interessantes mas que não conseguem empolgar verdadeiramente. Sendo algo que apenas os fãs acérrimos estarão interessados.

6.5/10
Fernando Ferreira

Veritas – “Threads Of Fatality”

2020 – Veritas Rocks LLC

Estreias discográficas, com pandemia ou sem pandemia, temos, felizmente, muitas. Sinal que a cena continua a apresentar sangue novo e está longe de estagnar. Já criativamente as opiniões poderão divergir. Os Veritas tocam heavy/power metal tradicional e não estarão em capacidade de trazer unanimidade a esta questão, até porque não trazem surpresas na manga. O que é resultado de uma honestidade de quem não esconde o amor ao seu som sagrado. Raça temos, apoiada em bons temas com bons solos. No início foi isso que me puxou ao heavy metal. Porque é que agora não haveria de receber bem quando tenho exactamente aquilo que está na sua base? Só fica a indicação de catorze temas é provavelmente um exagero. Por vezes menos é mesmo mais.

6.5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.