WOM Reviews – Angerot / Shrapnel Storm / Póstuma / Requiem’s Sathana / Death Feast / Soulrot / Saints Of Death / Pazuzu

WOM Reviews - Angerot / Shrapnel Storm / Póstuma / Requiem’s Sathana / Death Feast / Soulrot / Saints Of Death / Pazuzu

Angerot – “The Divine Apostate”

2020 – Redefining Darkness Records

Os Angerot tocam death metal. Disso não temos dúvidas. A questão (mais ou menos) problemática se levanta é como classificar quando eles oferecem algo mais do que simplesmente death metal e mesmo assim nada que os faça “transbordar” para outro género? Por exemplo os detalhes em termos de arranjos a apontar para o orquestral parecem-nos lembrar os Cradle Of Filth ali por volta do “Damnation And A Day”, mas não há mais nada que possamos dizer que tocam black metal melódico ou algo do género. Também temos repentes de death metal sueco. E poderíamos ficar aqui por dias. É intrigante o que também revela que perder tempo com este tipo de questões é indicativo do impacto positivo que “The Divine Apostate” tem. Mais do que apenas death metal, mas sobretudo para quem tem a mente aberta em termos de fronteiras estilísticas – não é preciso ter a mente assim TÃO aberta, apenas não ser obtuso.

9/10
Fernando Ferreira

Shrapnel Storm – “Shrapnel Storm”

2020 – Great Dane Records

Sócio, está potentíssimo este trabalho auto-intitulado dos Shrapnel Storm. Death metal forte e bem bassudo, com uns riffs que fazem lembrar (assim vagamente) uns Bold Thrower. E não é só em termos sónicos que os finlandeses se aproximam da extinta banda britânica, já que também as temáticas andam todas à volta dos assuntos bélicos. Bom groove, boa violência metálica e boas bujardas em formato canções. Postas as coisas assim, não fica a faltar mesmo mais nada, pois não?

8.5/10
Fernando Ferreira

Póstuma – “Moralis”

2020 – Edição de Autor

Que boa surpresa este EP dos nossos irmãos braxileiros Póstuma. A banda é relativamente recente – apenas três anos – mas demonstra estar já com os pés bem assentes no bom caminho. Death metal melódico mas que demonstra ter uma sobriedade (e sem querer abusar do termo, originalidade) surpreendentes. “Moralis” são quatro temas apenas mas representativos do talento da jovem banda. Esperemos por mais, até agora promete.

8.5/10
Fernando Ferreira

Requiem’s Sathana – “Requiem’s Sathana”

2020 – Cianeto

Consta que este é o primeiro trabalo dos Requiem’s Sathana, uma banda brasileira que se diz inserir no black metal mas que a nosso ver também tem muito de death metal nele, ainda que numa vertente mais melódica, a começar na voz. São apenas cinco temas sendo que a maior parte destes cinco são de duração longa. Normalmente este tipo de situação revela alguma imaturidade por parte das bandas, serem ambiciosas sem terem propriamente o talento que acompanhe essa ambição. Não é o caso, de todo. Bom álbum e mais uma banda brasileira que chega à nossa costa.

8/10
Fernando Ferreira

Death Feast – “Night Of The Witches”

2020 – BoneSaw Entertainment

Fresquinho, este segundo álbum dos Death Feast, projecto de black/death/thrash metal à antiga. Primitivo, feio, porco e mau. No bom sentido, claro. Esta banda reúne membros e ex-membros de bandas como Decayed, Sacred Sin, Cunnilingus, Nethermancy e Lost Kingdom entre muitos outros. O que se tem é pura diversão lusitana que é um bom retrato das raízes mais primitivas do metal extremo que se faz por cá. É possível reparar nalguns tipos de riffs característicos de J.A., (como na “Ascension Of Trioditis”) mas esta já é uma entidade que vive por si só. Com o imaginário mística dos filmes de terror por trás, ou não fosse este um verdadeiro Death Feast. A forma como acaba então é bem inusitada, com uma espécie de cover da “Viva Las Vegas” do Elvis Presley, onde até se pode ouvir a voz do Rei. Como disse, pura diversão.

7/10
Fernando Ferreira

Soulrot – “Victims Of Spiritual Warfare”

2020 – Memento Mori

Os Soulrot podem ser chilenos mas sabemos muito bem que os seus corações (e almas até) estão muito bem enraízadas na Suécia. Ali por volta do início da década de noventa. Distorção com bastante gravilha e o peso a oscilar entre o uptempo e o mais compassado. Nada de novo, é certo, assim como também já disse que todo o death metal sueco, tendo sido feito e explorado de todas as formas e feitiios até à exaustão, soa sempre bastante bem. Neste caso em específico, apesar de termos bastantes faixas (quinze), a música nunca chega a ser demasiada para acharmos que estamos fartos. Quem é que se pode fartar de um som destes, sinceramente. O único problema é o facto de não termos muitas que perdurem para além dos trinta e nove minutos de duração. Detalhes.

6.5/10 
Fernando Ferreira

Saints Of Death – “Ascend To The Throne”

2020 – HeadRattle Records

Fast and Furious, é uma forma de descrever esta estreia dos canadianos Saints Of Death. Sete faixas de death metal moderno e levemente melódico (ou levemente thrashado) que ficam despachadas em pouco menos de meia hora. Não havia necessidade de ter uma estreia assim tão curta, mas as decisões artísticas cabem unicamente ao artista (em princípio). Como ouvinte, apenas digo que o impacto é menor, seja pelo factor genérico que se instala seja pela falta de oportunidade de dar a volta ao mesmo – quando a coisa está a entrar, acaba. Bem, volta o disco e mais uma volta.

6.5/10
Fernando Ferreira

Pazuzu – “Revenant Of Blasphemies”

2017 / 2020 – Dunkelheit Produktionen

O primeiro lançamento dos Pazuzu (da Costa Rica, só para diferenciar já que existe para aí uma dezena de bandas com este nome) é de 2017 e agora é reeditado em vinil, CD e formato digital. Death metal cavernoso e bem old school que mais parece ter sido registado em 1990 numa qualquer garagem. Algo que até lhe confer um certo carisma old school, tal como a própria capa. De resto não podemos esperar ou exigir muito mais, do que isto.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.