WOM Reviews – Barrens / Kamelot / The Legendary Flower Punk / Pain Of Salvation / Meanwhile Project Ltd. / Fugitive / Winter Owl / Jeff Cowhick

WOM Reviews - Barrens / Kamelot / The Legendary Flower Punk / Pain Of Salvation / Meanwhile Project Ltd. / Fugitive / Winter Owl / Jeff Cowhick

Barrens – “Penumbra”

2020 – Pelagic Records

Este é daqueles álbuns que antes de ouvir já sabia que ia gostar. Normalmente este tipo de expectativa explodem-nos na cara, mas “Penumbra” não desiludiu. Isto tendo noção de que é o álbum de estreia e de que não os conhecíamos de lado nenhum. Poderão interrogar-se hoje em dia para que serve uma editora quando temos constantemente bandas a lançarem e promoverem os seus próprios trabalhos. Pois bem, o facto de ter visto Pelagic Records associado a este álbum fez logo com que as expectativas fossem muito maiores. E para um álbum de estreia devo dizer que está excelente. Aliás, nem se nota que é um álbum de estreia. “Penumbra” mergulha-nos num pós-rock instrumental que contorna habilmente (e com inteligência) todos aqueles lugares comuns que tanto gostamos (e alguns amam odiar) e com isso soar fresco sem soar propriamente como a reinvenção da roda. Trata-se de uma viagem pelo cosmos do nosso ser interior, da nossa escuridão, tendo sempre a música como a luz exploradora que vai explorando os nossos cantos mais obscuros. Atmosferas fantásticas, grandes temas e uma expriência mais que recomendada.

9/10
Fernando Ferreira

Kamelot – “I Am The Empire – Live From The 013”

2020 – Napalm Records

Depois de um bem sucedido período de digressão pelo mundo todo – que inclusive passou por Portugal por duas vezes – era expectável que se visse um lançamento da banda que retratasse esse bom momento. Também não foi de estranhar que o alinhamento seja sobretudo centrado nos dois últimos trabalhos, “The Shadow Theory” e “Haven”, sendo que o mais antigo é “Karma”. Para quem acompanha a banda é mesmo um trabalho apetecível, ter em casa – em CD e DVD/Bluray – uma recordação daquilo que viram ou ansiaram ter visto em cima de um palco. Para quem perdeu o contacto com a banda no início do seu período ascendente, poderá haver uma desilusão, já que temos apenas dois ou três temas (de parte) dessa fase. Irreprensível, power metal progressive de classe inegável e com algumas participações especiais (Lauren Hart, Eklipse, Elize Ryd, Sascha Paeth, Charlotte Wessels e Alissa White Gluz) que são um bom chamariz mas que não mudam a opinião dos fãs que não precisam desses incentivos para capturarem este artigo para as suas audiotecas – mas definitivamente agradecem o carinho. Bom trabalho ao vivo e boa actualização do registo temporal da banda em cima dos palcos.

8.5/10
Fernando Ferreira

The Legendary Flower Punk – “Wabi Wu”

2020 – Tonzonen Records

É este tipo de som que é necessário para fazer viagens astrais. Apesar da sonoridade não ser demasiadamente psicadélica – mais próximo de uma grande jam de rock progressivo instrumental – tem mesmo aquele dom de nos fazer relaxar e começar a querer abandonar o corpo. Ok, admito que o facto de dormir menos de seis horas por dia faz com que seja fácil para mim encontrar estes estados de espírito, mas acreditem que a música é mesmo propícia para isso. Desde o sax que nos surge no tema-título até à guitarra que nos faz lembrar a década de oitenta na curiosamente intitulada azulejo, este é um conjunto de temas que nos faz abstrair de tudo à nossa volta. Precisamente aquilo que precisamos.

9/10
Fernando Ferreira

Pain Of Salvation – “Panther”

2020 – InsideOut Music

Já o disse antes e volto a dizer: as expectativas são tramadas. Os Pain Of Salvation lançaram um dos álbuns do ano de 2017 e este “Panther” estava obviamente destinado a ter de cumprir essa fasquia elevada. Bem, pelo menos na minha cabeça. No entanto, nem sempre essas expectativas são cumpridas e “Panther” é um trabalho bastante diferente, ainda que tenha todas as características esperadas de um álbum da banda. Confusos? Eu explico. Temos uma vertente electrónica mais pronunciada num álbum novamente conceptual que acaba por não ter muito impacto. Pelo menos em mim – supostamente trata a história de uma cidade onde temos os cães (representando a normalidade) e as panteras (os que são diferentes, os que não se enquadram). Musicalmente não tem o mesmo impacto, conceptualmente também não, e mesmo assim não deixa de ser uma obra de relevo. Sim, não teve o impacto esperado, mas não deixa de ser refrescante a banda com mais de duas décadas de carreira continue a arriscar. Palmas para isso.

7.5/10
Fernando Ferreira

Meanwhile Project Ltd. – “Marseille”

2019 – Kapitän Platte

Os Meanwhile Project Ltd têm um daquele som que tanto nos anima como também tem o potencial para nos deixar cheios de melancolia. Algo que também se deve a um leque abrangente de estilos musicais incorporados. Muitas vezes podemos ter uma toada mais folk/Americana (quase neo folk) como também podemos ter outros que se fosse instrumentais bem que poderiam passar como pós-rock – isto porque a voz acaba por apontar para outros campos diferentes. Rico e cheio de sentimento, “Marseille” é um trabalho mais que recomendado por parte de uma dupla que já tem muita (mas mesmo muita) experiência nisto.

8/10
Fernando Ferreira

Fugitive – “Multiverso”

2020 – Edição de Autor

Sendo já lendário o meu fraquinho pela música instrumental, obviamente que a abordagem a este trabalho é logo iniciada com grande expectativa. As indicações de que haveria aqui tiques de stoner e psicadélico deixaram uma imagem que, acabou por não ser muito cumprida. Não é algo positivo porque acabou por ser uma boa surpresa a forma como estes temas conseguem ser raçudos sem irem para o campo do stoner e sólidos sem serem exuberantemente prog. Psicadélico é talvez o género em que não encontro grandes paralelos a não ser a repetitiva e até aborrecida “Higher” que encerra o disco, com catorze minutos de uma melodia assombrosa em loop. Esse último tema acaba por quebrar o ritmo do álbum que estava elevadíssimo. Ainda assim, banda a conferir.

7/10 
Fernando Ferreira

Winter Owl – “Cursed Sanctuary”

2019 – Edição de Autor

EP que marca a estreia dos Winter Owl, duo italiano que tem um amor bem assumido ao power metal de contornos mais progressivos. Aliás, fico mais com a sensação de que em alguns momentos estamos mais presente numa banda progressiva com retinques de power metal do que propriamente o inverso. O instrumental é de grande qualidade assim como a voz mas parece que falta aqui termos aquelas canções que nos marcam mesmo. Sendo o primeiro trabalho vamos encarar este como um trabalho em desenvolvimento. O início é interessante.

6.5/10
Fernando Ferreira

Jeff Cowhick – “Cauterized”

2020 – Jeff Cowhick Productions

Quando nos falam em rock progressivo, tem-se logo em mente um género bem definido. E Jeff Cowhick conseguiu furar por completo essa imagem mental. Ainda bem, é sinal de que ainda há espaço para se ser surpreendido. A influência assumida dos Police faz todo o sentido, quer pela proponderância do baixo, quer pelos ambientes que são construídos, quase próximos de um smooth jazz. Resulta. Não é coisa para me deixar completamente agarrado, mas resulta. “Cauterized” apesar de fluir bem não se revela um disco muito atractivo mas os fãs dos já citados The Police, Steve Vai e Steve Zappa (nos seus momentos menos extravagantes) talvez consigam retirar daqui momentos de prazer.

4/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.