WOM Reviews – Electric Mob / Angel / Brass Owl / Blind River / Judicator / Empty Friend / Kavorka / Warrior

WOM Reviews - Electric Mob / Angel / Brass Owl / Blind River / Judicator / Empty Friend / Kavorka / Warrior

Electric Mob – “Discharge”

2020 – Frontiers Music

Do Brasil, a Frontiers apresenta ao mundo os Electric Mob que trazem um sonzão ao qual não conseguimos fica indiferentes. A banda começa a sua carreira discográfica com um grande trabalho. Hard rock com a base no blues e com aquele feeling norte-americano meio southern, meio boogie mas com grande raça. São poucos os álbuns de hard rock que encontramos hoje em dia com este poder. “Discharge” é composto por grandes canções às quais não conseguimos parar de ouvir em modo “repeat”, nem mesmo as baladas – porque sabemos sempre que as vamos ter. Excelente surpresa e estreia.

9/10
Fernando Ferreira

Angel – “A Woman’s Diary - Chapter II”

2020 – Massacre Records

Diferente de todas bandas que tem mulheres cantando, Angel traz uma proposta muito interessante e moderna. Achei muito criativo o trabalho da banda. Fugindo da proposta chata encontrada em bandas como Nightwish e muitas outros grupos, entenda sendo aquelas orquestras repetitivas. Trazendo um Rock com muito feeling e as vezes chegando a soar Pop. Algo mais interessante, o trabalho sendo escrito sobre a vida da cantora Helena Iren Michaelsen. Um trabalho legal para procurar!

10/10
Carlos Lichman

Brass Owl – “State of Mind”

2020 – Honk E Fonk

Stone rock muito bacana do trio de Ohio (USA). Muito na vibe de bandas como ZZ Top, Led Zeppelin e Black Sabbath. Contudo, em alguns momentos temos a ideia de ouvir Alice In Chains. Este tipo de sonoridade me agrada muito e podemos sentir que foi gravado com equipamento valvulado. Em muitos momentos, a banda apresenta muita criatividade trazendo elementos diferentes e partes que o ouvinte fica ainda mais interessado no trabalho. 

10/10
Carlos Lichman

Blind River – “Made Of Dirt”

2020 – Edição de Autor

Fantástico trabalho, o segundo, dos britãnicos Blind River que nos trazem um hard rock bem raçudo e cheio de raça. Para quem está enjoado de tanta música de plástico, aqui temos feeling para dar e vender. “Made Of Dirt” começa em grande com “Waste Of Life” onde o groove do hard rock (do bom) fala mais alto e onde a guitarra é rainha e senhora. Ao longo de dez temas podemos ter alguns lugares comuns, mas quando a música nos deixa uma marca, o que é que interessa isso para alguma coisa? O que é que interessa sequer aqueles que dizem que o rock está morto? Poderá estar no underground mas ainda bem porque é lá onde pérolas continuam a ser feitas. E já que nos E.U.A. andam esquecidos como a coisa se faz, têm de vir os ingleses como é que se faz a coisa outra vez.

9/10
Fernando Ferreira

Judicator – “Let There Be Nothing”

2020 – Prosthetic Records

Apesar deste ser já o Quinto álbum dos Judicator, tenho que confessar que não os conhecia. Nada que não mude após isto já que este álbum mostra-nos um power metal bem sólido e sóbrio que faz com que queiramos conhecer a fundo da discografia. Temas bem sólidos e com grande poder mas é no departamento da voz que a coisa está mesmo no topo – ainda que se possa acusar um pouco de proximidade do tom de John Yelland em relação a Hansi Kürsch, uma comparação que ele provavelmente já estará farto de ouvir. “Let There Be Nothing” dá-nos mesmo muito.

8/10
Fernando Ferreira

Empty Friend – “Falter”

2019 – Edição De Autor

Com total influência da cena de Seattle, todo a força do grunge da banda pode ser escutado desde os primeiros segundos até o final do trabalho. Achei que o ponto negativo é a produção que poderia ser melhor, bem melhor. As músicas são realmente boas, mas uma melhor gravação ajudaria muito na divulgação da banda.

8/10 
Carlos Lichman

Kavorka – “Internal Rituals”

2020 – Edição de Autor

Pesado, pesado, riffs pegajosos, sem muito interesse de ser técnico Kavorka traz um trabalho muito pesado. Pela capa do trabalho podemos ver que a ideia é trazer o caos. A produção peca um pouco, mas de uma forma geral é interessante e acima de tudo divertido de escutar. Gostei muito dos grooves de guitarra. Em algumas músicas a bateria é extremamente reta mas de uma forma ou outra algo sempre interessante temos para ouvir neste trabalho!

8/10
Carlos Lichman

Warrior – “Boudica”

2020 – Golden Core Records

Ainda se fala da NWOBHM em pleno 2020 e não é por uma questão de saudosismo. Os Warrior surgiram com os seus primeiros registos já algo tarde mas não deixaram de causar uma boa sensação no underground sem terem lançado nenhum álbum antes de acabarem em 1984. O regresso deu-se trinta anos mais tarde e o primeiro álbum três anos atrás. “Boudica” é o segundo e traz-nos heavy metal clássico tal como se estivessemos em 1984. Talvez não seja um conjunto deslumbrante de temas, mas quem gosta de heavy metal, não conseguirá ficar indiferente a estes riffs.

7/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.