WOM Reviews – Slaughter Messiah / Intoxicated / Meshiaak / Pekla / Catalysis / Tyranno / Agressor / Carniça

WOM Reviews - Faustian Pact / Lake Baikal / Ossaert / Deadspawn / Beast Of Revelation / Fosch / Aspidium / The Spirit

Slaughter Messiah – “Cursed To The Pyre”

2020 – High Roller Records

Na demanda por coisas novas, por coisas excitantes, há sempre um equilíbrio que por vezes nos parece escapar. Se por um lado nos sentimos empolgados por música que nos desafia, por outro é bom recairmos e confiarmos no reconhecimento. O reconhecimento de termos uma banda que apesar de amor a tudo o que é extremo, não deixa de nos fazer gritar “thraaaaaaaaaash” bem alto. Assim é este trabalho de estreia dos belgas, que atiram o thrash metal para a lama do death e black metal e ficam com uma pomada em mãos que nos parece francamente ser a cura para todas as maleitas. Musicais ou não. “Curse to The Pyre” não encerra grandes segredos em si mas mesmo assim consegue fazer-nos fazer despertar para a vida como se fosse a primeira vez que ouvimos algo do género. Só isso quer dizer muita coisa.

9/10
Fernando Ferreira

Intoxicated – “Walled”

2020 – Seeing Red Records

Que boa surpresa, ver uma banda que apesar de não ser clássica, volta à vida. Não conheço o álbum de estreia “Metal Neck”, que praticamente passou despercebido no final da década de noventa, mas tendo em conta o que temos neste EP, trata-se de um death/thrash muito interessante, cheio de desenvoltura técnica e com muitos riffs marcantes – o riff é rei e senhor. Não sei até que ponto é um seguimento do dito álbum ou se é um renascer de algo novo, seja como for, a qualidade está cá e é recomendado.

8.5/10
Fernando Ferreira

Meshiaak – “Mask Of All Misery”

2019 – Mascot Records

O estigma do metal moderno, para o bem e para o mal, nem sempre é de confiar. Traduzindo, nem tudo o que é moderno é bom ou mau, conforme em que lado da barricada de encontrarem. Avaliando por “Mask Of All Misery”, tenho que de dizer que, apesar de ser bem moderno, essa questão do estigma nem sequer se coloca. É tão bom, tão bom, que nem sequer pensamos nisso. Podemos dizer que a base é o thrash metal. Aliás, o rótulo thrash metal progressivo não é descabido, mas também acaba por não ser propriamente importante. Quando jarda de temas como “City Of Ghosts” bate-nos como se fosse uma marreta e depois é temperada pela melodia viciante de “Tears That Burn The Son”. Entre estes dois registos temos os riffs e os solos de extremo bom gosto, resultando num álbum que definitivamente vamos querer ouvir muitas vezes. Surpreendente e uma lição para quem acha que basta um rótulo para achar que tem mais ou menos valor.

9/10
Fernando Ferreira

Pekla – “Boogie With Satan”

2020 – Edição de Autor

Lituânia levada da breca que tem para lá esta banda dos infernos que só pelo título dizem logo ao que vêm! Temos aqui uma heavy/speed/thrash/crossover de altíssimo nível que nos soa nas horas. Boa diversão, boa disposição (começar um álbum com uma faixa chamada “#rapidez” diz tudo) e acima de tudo, o mais importante, excelentes malhas, tirando uma ou outra menos bem conseguida – como a “The Game” que apesar de trazer dinâmica ao álbum, é um bocado aborrecida. Um trabalho curto mas sem dúvida muito divertido que nos faz querer conhecer mais sobre os Pekla, que têm mais três álbuns lançados.

8/10
Fernando Ferreira

Catalysis – “Connection Lost”

2020 – Edição de Autor

Vindos da Escócia, os Catalysis trazem até nós uma mistura de thrash/death metal com groove e influências de metalcore. É difícil dizer quando começa um estilo e acaba o outro ou proporções e peso de cada um dos elementos, mas também não são necessárias muitas audições para nos apercebermos que nem é preciso nos preocuparmos muito com isso. Apesar de não surpreender, nem ser original, o entusiasmo e paixão destes temas acabam por nos convencer. Esse entusiasmo e paixão são em muitos casos o mais importante, principalmente ao vivo, em cima de um palco, um sítio onde estes temas iriam soar ainda mais poderosos. Não temos como saber, pelo menos não por enquanto, mas “Connection Lost” ainda nos permitem sonhar com isso.

8/10
Fernando Ferreira

Tyranno – “March Of Death”

2020 – Helldprod Records

Capa fantástica, a lembrar os tempos idos em que se ficava parado a olhar para a capa de um disco – sim, o tamanho ajuda. Os Tyranno também nos querem fazer lembrar esses tempos através da música, com a sua abordagem que nos faz lembrar os primórdios do death e black metal, quando ambos pegavam no thrash em direcção de algo mais negro e sem dúvida blasfemo. Celtic Frost é uma das referências dos brasileiros, mas há mais aqui, há algo de único e especial. Primitivo (tanto no som como na composição) mas com capacidade de provocar um gozo imenso, como o verdadeiro metal consegue fazer unicamente.

8/10 
Fernando Ferreira

Agressor – “Satan’s Sodomy Of Death (Demos)”

2018 / 2020 – GrimmDistribution

Compilação que reúne as primeiras demos dos Agressor editadas entre 1986 e 1989. Com o som ainda muito embrionário no death/thrash metal, não deixa de ser um testemunho histórico e importante para aqueles que gostam de apreciar as raízes da música extrema ou simplesmente para quem seja fã da banda francesa. Já se sabe que a qualidade sonora é sofrível mas para compensar isso, tem muita alma. Que era o que havia até em excesso nos velhos tempos.

7/10
Fernando Ferreira

Carniça – “Carniça”

2017 – Edição de Autor

Álbum auto-intitulado dos Carniça, editado já em 2017 e que foi o quarto da sua carreira, o terceiro da segunda vida que iniciaram em 2008. A sonoridade é aquele death/thrash metal tão em voga no final da década de noventa. A produção crua, traz-lhes essa identificação com a época em causa, mas continua a soar actual. A maior parte dos temas são cantadas em inglês mas ainda temos aqui “Revolução Farroupilha” e “Carniça”. Confesso que esta voz não me é particularmente eficaz mas no geral este é um álbum que tem dotes para agradar os fãs do género. Gostei particularmente dos solos – algo que enriquece e muito os temas.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.