WOM Reviews – Fleetburner / Ayreon / Steve Hackett / Automatism / Oceans Of Slumber / Final Coil / David Minasian / Bulb

WOM Reviews - Fleetburner / Ayreon / Steve Hackett / Automatism / Oceans Of Slumber / Final Coil / David Minasian / Bulb

Fleetburner – “Fleetburner”

2020 – Butler Records

Interessante estreia deste novo projecto de Kevin Storm (que foi músico de sessão de bandas como Shining e Equilibrium). Temos melancolia familiar, reminiscente de uns Katatonia ou até mesmo Leprous, com uma dose de progressivo à mistura. Os ambiente criados também remetem para coisas góticas mas combina tudo de forma a que se sinta algo (minimamente) único. A voz de Ken Simerly também ajuda a que este factor seja importante. Temas emocionais e profundos que conseguem ter um impacto muito grande a quem gosta dos nomes atrás citados. Definitivamente um grande destaque para o género em 2020.

9/10
Fernando Ferreira

Ayreon – “Electric Castle Live and Other Tales”

2020 – Edição De Autor

Chris Reese e Tom Dring dos Corrupt Moral Altar têm uma nova aventura musical, estes Lake Baihal, e apesar de ser apenas um tema, em termos de duração, podemos dizer que se trata de um EP já que são quinze minutos, numa autêntica viagem de montanha-russa, com vários géneros a juntar-se do black ao doom metal, onde até solos de saxofone se fazem sentir. Tudo flui de forma perfeita. De tal forma que a cada vez que ouvimos há novos pormenores a surgir e novas perspectivas. E é apenas um tema. Imaginem um álbum inteiro.

9/10
Fernando Ferreira

Steve Hackett – “Selling England By The Pound & Spectral Mornings: Live At Hammersmith”

2020 – InsideOut Music

Não deixa de ser impressionante a forma como Steve Hackett tem sido, de todos os que já passaram pelos Genesis, aquele que mais tem prestado tributo ao catálogo da banda – obviamente que nos álbuns onde esteve presente, durante grande parte da década de setenta. Já existem alguns álbuns ao vivo do formato “Genesis Revisited” e este, como o nome indica, é um piscar de olhos ao “Selling England By The Pound” de 1973 mas também a “Spectral Mornings”, de 1979, mas apenas o primeiro é tocado na íntegra e pela ordem original (e incluíndo a mítica “DéJà Vú” que Peter Gabriel começou a compor com Hackettmas que a mesma nunca foi finalizada para entrar no álbum. Também passa pelo mais recente trabalho de originais “At The Edge Of Light” e acaba com duas do “Trick Of The Tail” (o primeiro trabalho sem Gabriel e com Phil Collins na voz), a “Dance On a Volcano” e “Los Endos”. Não será necessário dizer que é imperdível para todos os fãs de Genesis e também daquilo que Steve Hackett tem feito ultimamente que tem conciliado na perfeição a nostalgia com música nova. Tive acesso ao suporte visual desta proposta e traz-nos a qualidade já expectável por um lançamento da InsideOut Music, sendo um pacote (DVD/Bluray/CD/Vinil) bastante apetecível para os fãs do músico e desta fase da carreira dos Genesis.

9/10
Fernando Ferreira

Automatism – “Immersion”

2020 – Tonzonen Records

Apesar do nome da banda, este álbum é tudo menos fruto de automatismo. A não ser que a excelência seja automática. Rock instrumental a puxar ao progressivo e também ao psicadélico (apenas ao de leve), com um título de álbum também a revelar-se totalmente apropriado já que facilmente nos vimos imersos neste conjunto de temas que nos vão seduzindo lentamente. Não é exuberante mas é discreto. Dissimuladamente discreto já que pela calada nos vais conseguindo conquistar sem darmos conta disso. Quando se dá conta, já é demasiado tarde. Também não há problema porque já não queremos também arredar pé.

8.5/10
Fernando Ferreira

Oceans Of Slumber – “Oceans Of Slumber”

2020 – Century Media Records

Esta foi uma banda pela qual me apaixonei facilmente. E como tal a expectativa para este álbum era enorme. Terceiro (sempre decisivo), auto-intitulado (indicador da confiança da banda no material) e ambicioso (algo que também já é apanágio). Fica logo claro bastante cedo que a banda está a seguir aqui um caminho mais próximo do progressivo que bandas como Opeth trilharam, com um olho clínico para as melodias marcantes. E melodia é sobretudo importante para realçar a voz de Cammie Gilbert, que está cada vez mais no centro das atenções. Para quem tiver ficado fã da forma como ambas as facetas (o peso e melodia) contrastavam, há muitos menos momentos desses, o que torna esta álbum um bocado mais desafiante e menos imediato. Não são necessárias muitas audições para que se fique rendido mas percebo que o processo poderá provocar alguma frustração, principalmente na segunda metade do disco que nesse aspecto se pode redimir para alguns com a inclusão da “Wolf Moon (Including Zoanthropic Paranoia)”, um original de Type O’Negative que está fantástico.

8/10
Fernando Ferreira

Final Coil – “Persistence Of Memory”

2017 – Wormholedeath

Viemos visitar o álbum de estreia de uma das bandas de progressivo que mais apreciamos, uma banda que tem uma abordagem mais alternativa ao estilo mas que em vez de deixar que isso os deixe reféns de lugares comuns, faz com que dotem a sua música de uma emocionalidade que tem tudo a ver, quanto a mim, ao género. Por isso posso também desde já dizer que não se trata de um exagero a referência de nomes como Pink Floyd, Alice In Chains e Anathema. São boas comparações mesmo que o seu som tenha a devida independência. Este é um álbum que flui tão bem que até perdemos o rumo em relação a que música estamos a ouvir – algo que também tem as suas desvantagens. Um belo início de carreira.

8/10 
Fernando Ferreira

David Minasian – “The Sound Of Dreams”

2020 – Golden Robot Records

O nome Dave Minasian não será desconhecido a quem acompanha a cena de rock progressivo e art rock de perto. Esses saberão da participação do teclista e compositor em inúmeros projectos e bandas sonoras. Há dez anos que Minasian não lançava nada em nome próprio e aqui está ele de volta, com uma série de convidados ilustres onde se destaca naturalmente Steve Hackett e Billy Sherwood. Apoiado muito nas melodias do piano e teclados, a beleza deste trabalho é inquestionável mas em muitos momentos parece que fica a faltar a parte do “rock” seja no “progressivo” seja no “art”. Recomandado para quem gosta de relaxar ao som da música.

7/10
Fernando Ferreira

Bulb – “Archives – Volume 4”

2020 – Century Media Records

Mais um volume da série de trabalhos que têm vindo a ser lançados retirados do arquivo de Misha Mansoor dos Periphery. Como sempre a diversividade é bastante embora neste caso tenhamos um foco mais no peso e da forma como o mesmo se relaciona com o progressivo. Nada de novo portanto. Temos ainda assim alguns bons temos mas nada que não pudesse ser junto se calhar a outro volume. Ter estes temas separados para totalizar apenas vinte quatro minutos de música parece-me desnecessário.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.