WOM Reviews – Post Luctum / Ethbaal / Clouds / Murdock / Anguish / Lucifer’s Fall / Grieving / Apnea

WOM Reviews - Post Luctum / Ethbaal / Clouds / Murdock / Anguish / Lucifer’s Fall / Grieving / Apnea

Post Luctum – “Acceptance”

2021 – Edição de Autor

Post Luctum, uma banda que será provavelmente uma one-man band e sobre a qual não temos grandes informações, estreia-se (já tinham lançado um EP “After Mourning” em 2014) com um álbum que tem fortes capacidades para cativar quem gosta de funeral doom metal. Primeira coisa a salientar, o facto de ser uma one-man band não é algo que se note como factor limitador do que se pode ouvir. O som é poderoso, as ideias musicais exploradas de forma perfeita – dentro do género alvo – e até a voz está perfeita, conseguindo ser dinâmica e veiculando toda a dor, tristeza e raiva que a música sugere. Eu referi o funeral doom pelo andamento do primeiro tema “The Passing” mas provavelmente doom metal é mais apropriado devido à dinâmica que os outros temas apresentam – a descrição por parte do músico é de que se trata de death/doom melódico. Faz sentido, principalmente porque o teor melódico é sem dúvida notável pela sua eficácia e estes cinco temas são, no geral, excelentes.

9/10
Fernando Ferreira

Ethbaal – “Repent Or End Up Suffering”

2021 – Edição de Autor

Dooom! Sentem como o próprio eco que não ouviram a ser pronunciada vos parece abanar interiormente? É esse o poder deste género musical, tão anti-social, tão anti-popular mas que consegue sempre encontrar fãs e aficionados numa multidão. O ambiente que a capa pass (que parece ser uma sequela da capa do primeiro álbum lançado em 2019, “Wailing Of The Fuzzslaves” e por nós aqui revisto) traz um factor solene que a própria música transmite. A diferença é que somos embalados à boa maneira doom, onde o riff e a melancolia reinam supremos. Nota-se uma evolução muito positiva em relação ao primeiro álbum e uma banda que mesmo sem se desviar das características que a coloca numa caixa muito específica consegue surpreender e exceder todas e quaisquer expectativas. A dinâmica destes temas é impressionante e mais que recomendada!

9/10
Fernando Ferreira

Clouds – “Destin”

2017/2021 – Personal

Apenas os Clouds para transformar uma reedição de um simples EP em algo bem mais apetecível. Isto sem deixar de ter em conta que o EP originalmente já era mais que obrigatório. Eu confesso que nunca me canso de músicas como “Fields Of Nothingness”, com o seu impacto emocional, com o seu peso e sobretudo com a sua melancolia. Além dos três temas originais temos mais quatro de bónus (de salientar apenas que estas quatro faixas estavam também disponíveis numa edição limitada que a banda lançou anteriormente e que atingiu uma procura e valores exorbitantes) que faz com que o lançamento no total tenha uma hora de duração.  Temos então “In This Empty Room” (belíssima de uma forma assombrante), as acústicas “You Went So Silent” e “Even If I Fall” e acaba com “Errata”, em beleza. No geral, um trabalho excelente que só não surtiu tanto efeito nas faixas acústicas mas não deixa de ser uma oportunidade única de ter mais um lançamento de uma das grandes bandas Funeral Doom dos últimos anos.

9/10
Fernando Ferreira

Murdock – “Entre Tigres E Lobos”

2021 – Bruxa Verde Produções

Raramente ouvimos heavy metal em português mas doom/stoner é mesmo muito raro. Tão raro que nem me lembro da última vez. Ou se alguma vez aconteceu. Murdock é uma banda brasileira como mostra como este tipo de coisa faz falta. Doom metal extremamente inspirado que ainda soa bem melhor com as letras em português. A entrega vocal também ajuda a que o impacto seja também alto. Isto porque a voz rouca de Guilherme Sezoski é perfeita. Os solos também são muito inspirados, colocando este EP entre uma das boas surpresas deste ano.

9/10
Fernando Ferreira

Anguish – “Doomkvädet”

2021 – Sun & Moon

Há música que nos afasta e à música que serve como um ponto de atracção irresistível. No doom é complicado encontrar as bandas que consigam fazê-lo. Para mim que sou fascinado pelo género até é relativamente fácil (sim, admiti que sou fácil) mas para a generalidade dos apreciadores de música pesada, o doom precisa sempre algo mais. Bem, para quem só chegou agora a estes suecos, posso dizer que não vão querer outra coisa. Peso esmagador mas não é só isso. Distorção e produção geral no ponto, mas não é só isso. Uma voz que dá peso à canção mas também emoção, mas não é só isso. Nem é só termos canções que apesar de lentas conseguirem injectar dinâmica num álbum que torna-se essencial a cada passagem. É tudo isto junto e algo mais. Como classifcar aquilo que parece ser a magia? Magia não se explica. Sente-se. Neste caso, ouve-se.

9/10
Fernando Ferreira

Lucifer’s Fall – “III – From The Deep”

2021 – Sun & Moon

O segundo álbum dos australianos Lucifer’s Fall foi lançado em 2016 – parece uma eternidade – mas a banda tem estado tudo menos parado e lançado muitos splits e EPs. 2021 foi o ano do regresso e não poderiam regressar de melhor forma. O seu heavy/doom metal tradicional está num excelente estado de forma e “III – From The Deep” tem mesmo aquele timbre clássico que bandas como Manilla Road transmitiam com fartura. Isto tudo com a sua própria personalidade que continua refinada mais que nunca. Teor clássico que não se dilui com as passagens e repetidas audições. E por soar a clássico não quer dizer que seja nostálgico ou que se tente agarrar desperadamente a glórias idas. Não, nada é forçado, nada é mais do que excelente heavy/doom do melhor que pode haver.

8.5/10 
Fernando Ferreira

Grieving – “Songs For The Weary”

2021 – Godz Ov War Productions

Quantas estreias bombásticas temos tido em 2021? Fala-se de que esta altura é péssima para a música pesada (e é) e de como o sangue novo da música pesada é urgente e essencial – como se não tivessemos muitas bandas a surgir – e depois temos em cima da mesa uma estreia discográfica assombrosa como esta. “Songs For The Weary” é um álbumzorro de doom metal, na melhor tradição da mistura de fronteiras entre a primeira fase dos Trouble com a segunda, ali com um certo quê do lado mais gingão dos Corrosion Of Conformity também à mistura. Sim, as referências que nos surgem são norte-americanas mas a banda é polaca e é de um talento enorme. Tradição Sabbath sem soar a rip off e talento para criar grandes malhas. A minha única queixa é por ser um álbum com menos de meia hora de duração e com apenas seis temas. Mais dois não fariam mal nenhum e a comissão iria adorar. Assim… soa a pouco.

8/10
Fernando Ferreira

Apnea – “Stasia”

2021 – Drown Within Records / Fresh Outbreak Records / Esercito Della Chiesa Dorata / Trepanation Recordings / Zero Produzioni / Nihilocus Records

São certamente uns dos primeiros “filhos bastardos” a nascer em altura de pandemia, falo dos Italianos Apnea que se estreiam com o seu primeiro EP de seu nome ‘Stasi’. Nas quatro faixas que compõem ‘Stasi’ os Apnea optam por não revelar logo de imediato as suas tendências musicais pois a faixa inicial ‘Liberty Will Never Perish’ não passa de uma intro de dois minutos caracterizada por Noise e “spoken words”, seguem-se então os três temas que simbolizam na perfeição a crua, austera, sôfrega e amargurada mistura de Sludge Metal, Post-Metal e algum Doom ainda que camuflado com que a banda se identifica. O molde musical escolhido pelos Apnea pode eventualmente ser reconhecido em bandas como os suecos Gloson ou os norte-americanos Morne ainda que no caso dos Italianos ainda se note uma certa dose de imaturidade e grosseria. Nada disto invalida que se possa considerar ‘Stasi’ como uma promissora e sólida estreia.

7/10
Jorge Pereira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.