WOM Reviews – Haissem / Dalriada / Elegy Of Madness / Heresiarca / Montuln / Arsenic Addiction / Martyrium / Lipshok

WOM Reviews - Haissem / Dalriada / Elegy Of Madness / Heresiarca / Montuln / Arsenic Addiction / Martyrium / Lipshok

Haissem – “Philosofiend”

2021 – Satanath Records

Esta one-man band tem me surpreendido a cada lançamento. Não só conseguiram fazer de forma bem sucedida uma suave transição do black metal para o death metal, como ainda o fazem com classe e com melodia sem soarem uma caricatura ou sequer algo forçado. O facto de ser uma one-man band só faz com que tenha ainda mais respeito por Andrey Tollock, o responsável por tudo o que se pode ouvir aqui. E o que se ouve é muito, mas muito bom. Podemos dizer que ainda encontramos alguns resquícios do black metal mais melódico, sobretudo ao nível da guitarra mas o não se conseguir situar ao certo aquilo que temos é mais positivo que negativo. Trabalho dinâmico, pelo menos a nível instrumental, com as músicas a mostrarem um nível de ambição que é suportado pela qualidade. “Philosofiend” parece ser o ponto mais alto de uma carreira que definitivamente tem muito a apresentar e a surpreender. Para quem gosta do mundo em constante evolução da música extrema mais que recomendado.

9/10
Fernando Ferreira

Dalriada – “Őszelő”

2021 – Music Hungary

Os Dalriada são um dos nomes mais clássicos do metal húngaro, com uma carreira já bastante longa e especializada na vertente folk. E profícua também, com dez álbuns em duas décadas. “Őszelő” é o décimo primeiro e mostra que a banda não tem só o estatuto, tem também a matéria prima que lhes permite tal. Se se estão a questionar da razão de não os conhecer, poderá haver a explicação simples de cantarem na sua língua natal, além do facto da Hungria não ser um país que tenha tradição forte em fornecer ao mundo bandas de metal. Daquilo que conheço (que confesso que não é muito) posso dizer que esta deve ser uma das melhores. Apesar do húngaro ser uma língua que não é tão amiga foneticamente como o inglês, as melodias são inegavelmente fantásticas e não há um momento fraco neste álbum. Claro que podem alegar que os lugares comuns do estilo estão presentes. E têm razão. E mesmo assim continua a ser bom, já viram a qualidade que tem?

9/10
Fernando Ferreira

Elegy Of Madness – “Invisible World – Live At Fusco Theater”

2021 – Pride & Joy Music

A melhor forma de conhecer uma banda, com as suas forças e defeitos, continua a ser ao vivo. É dramático dizer isto numa altura em que a música ao vivo praticamente cessou um pouco por todo o lado mas não deixa de ser verdade. Nesta altura nada mais lógico do que apostar neste tipo de lançamentos e para os Elegy Of Madness é, não só uma forma de dar um mimo aos seus fãs como também tentar capturar mais alguns. Para quem gosta de metal sinfónico, de certeza. Principalmente quando se tem metal sinfónico com uma orquestra a tocar por trás e não apenas teclados e samples “Invisible World” foi lançado no ano passado, num mundo pré-pandemia e é o centro deste álbum ao vivo, surgindo com a ordem alterada e intercalada com temas de outros álbuns, nomeadamente do “New Era”, de 2017. Uma experiência em metal sinfónico que todos os fãs do estilo vão gostar, principalmente os fãs da banda. A componente visual, que não tivemos acesso, deveerá ser também de nível elevado, se for equivalente ao som perfeito e à mistura entre a orquestra e o som (algo) pesado do metal.

8/10
Fernando Ferreira

Heresiarca – “Triumph Of Ishtar”

2020 – Australis Records

Não se deixem enganar pela capa minimalista nem pelo facto deste ser um álbum curto – seis temas em pouco mais de meia hora. Há aqui, nesta estreia por parte dos chilenos Heresiarca, uma qualidade que nos faz lembrar o impacto que se ouviu pela primeira vez os Melechesh, Temos as melodias próprias do Médio-Oriente – algo que poderá soar confuso perante a origem da banda – com aquele encanto exótico que se junta de forma perfeita (como uma luva) com a mistura do black e death metal. O factor melódico é algo acentuado nos elementos característicos das sonoridades da zona citada, mas é esse factor melodico que traz uma fantástica diferenciação e causa um primeiro impacto extremamente positivo. Uma banda a seguir.

8.5/10
Fernando Ferreira

Montuln – “Arquetipo”

2020 – Iron Bonehead Productions

Beast of Revelation é o novo projecto do vocalista John McEntee (Incantation) que conta ainda com a presença de Bob Bagchus (ex-Asphyx) na bateria e o baixista/guitarrista A.J. van Drenth (ex-Beyond Belief). ‘The Ancient Ritual of Death’ é o álbum de estreia do reconhecido trio, como uma sonoridade que junta numa insidiosa duplicidade o Doom com o Death Metal fazendo lembrar os primórdios de Paradise Lost ou mais recentemente os extintos Vallenfyre. Aos riffs arrastados, intrépidos e imponentes do Doom adensa-se a cavernosa, mórbida e monstruosa vocalização de John McEntee, fazendo de faixas como ‘The Great Tribulation’, ‘The Days of Vengeance’ ou o tema titulo ‘The Ancient Ritual of Death’ verdadeiros compassos de intensidade e brutalidade. ‘The Ancient Ritual of Death’ detém um impressionante e lento pulsar de peso e impetuosidade imperdível para quem aprecia este particular subgénero.

7/10
Jorge Pereira

Arsenic Addiction – “XIX”

2019 – Edição de Autor

Esta foi uma banda capaz de surpreender, apesar de usar e abusar de alguns lugares comuns. A classificação gothic metal é muito vaga e até poderá levar ao engano. A voz marcante de Lady Arsenic até poderia estar numa onda mais pop e soul que ninguém estranharia. Não é uma crítica, uma voz extremamente forte e que faz com que o interesse suba – principalmente também pela versatilidade porque ela vai ao extremo na sua abordagem. No entanto, instrumentalmente também temos que dizer que há muita qualidade – não é por acaso que temos temas instrumentais de belo efeito e a banda mostra aqui uma boa capacidade para surpreender principalmente aqueles que já imaginam o filme todo quando se fala de metal gótico. Uma forma diferente de o apresentar, que resulta bastante bem.

7.5/10 
Fernando Ferreira

Martyrium – “Lamia Satanica”

2021 – Edição de Autor

De Malta, black metal melódico e sinfónico. Para quem já não se lembra de como foi entre 1996 e 2004 (mais coisa menos coisa) durante o tempo que durou a febre deste sub-género do metal, basta ouvir o mais recente trabalho dos Martyrium. Tem todo esse encanto e também algumas das coisas que fizeram com que nos fartassemos, uma certa dose de ingenuidade que depressa nos cansámos. Algo que até suportamos agora com mais espírito aberto até porque a nostalgia joga a favor. No entanto é inegável que temos aqui talento que se fosse para além daquele retrato do espaço temporal citado atrás poderia ter um impacto muito superior. Sobretudo a nível da produção.

6.5/10
Fernando Ferreira

Lipshok – “Shadows Of A Dark Heart”

2020 – Sliptrick Records

Podemos dizer que os norte-americanos Lipshok são o elo perdido entre o metal gótico e sinfónico e o hard rock ou até rock. Pelo menos é aquilo que este “Shadows Of A Dark Heart” nos soa mais, estes estilos misturados e nem sempre de formas equilibradas. Alguns momentos de interesse – nomeadamente pela voz de Scarlett Dark que tem um timbre tradicional e que nos faz lembrar algumas propostas clássicas da década de oitenta – mas infelizmente no geral há pouca coisa que fique para a posteridade. Falta-lhe garra para sobressair e apenas os fãs mais fanáticos dos géneros vão apreciar e mesmos esses poderão sentir-se divididos e confusos pela junção dos dois estilos que nem sempre casam bem.

5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.