WOM Reviews – Kreator / Mindtaker / Skull Koraptor / Razgate / Holycide / Trash Heaven / Thrashera / Downstroke

WOM Reviews - Kreator / Mindtaker / Skull Koraptor / Razgate / Holycide / Trash Heaven / Thrashera / Downstroke

Kreator – “London Apocalypticon – Live At The Roundhouse”

2020 – Nuclear Blast

Por esta altura já é tão redundante ter um álbum ao vivo dos Kreator como é dos Sodom, Metallica ou Megadeth, não é? Não pelo estatuto das bandas em si (embora também), mas pela quantidade de registos semelhantes que têm lançado no passado. Além dos registos do passado que apela aos coleccionadores e aos nostálgicos, temos tido regularmente lançamentos que capturam e emolduram o presente actual da banda para a posteridade. Temos os destaques aos clássicos da banda assim como aos temas mais recentes, do “Gods Of Violence”. Apesar de não ser algo que digamos que será obrigatório, consegue atingir os objectivos minimos com excelência. Ou seja, é algo que consegue agradar aos fãs do novo álbum e aqueles que viram a banda ao vivo na digressão do mais recente trabalho, como continua a ser uma boa forma de atrair novos fãs. Por esta altura poderá não haver surpresas nem fogos de artíficio por mais um álbum ao vivo de thrash metal, mas a classe da banda continua mais viva que nunca e só isso merece a aquisição Disponível em CD e Blu Ray.

8.5/10
Fernando Ferreira

Mindtaker – “Toxik War”

2020 – Mosher Records / Firecum Records

Thraaaaaaaaaaash! Ah saudades do velho grito de guerra. E aqui é mais que justificado. Os Mindtaker lançam o seu álbum de estreia e tal como já tinhamos comprovado ao vivo, a banda, está aqui um senhor álbum de thrash metal com retinques de crossover a lembrar os momentos mais frenéticos de bandas como Suicidal Tendencies, Nuclear Assault e doutra geração completamente diferente, os Municipal Waste.  A identidade da banda está cá embora se sinta que há espaço para progressão no desenvolvimento da mesma, mas estamos a falar de thrash metal. O que é preciso é haver matéria para abanar o carolo. Há definitivamente. Em abundância. Fazendo uma comparação desnecessária e disparatada, há por aqui aquele sentimento de inocência e ingenuidade de um “Kill’Em All”, aquela génese pura do thrash metal que está bem intacta aqui. Intacta e fresca, em estado bruto – sendo este o adjectivo perfeito. Estreia bomba!

9/10
Fernando Ferreira

Skull Koraptor – “Chaos Station”

2020 – Ragnarok Records

Thraaaaaaaaaaaaaash! Já tinha saudades do bom velho grito de guerra. Skull Koraptor apresenta “Chaos Station”, o álbum de estreia depois do primeiro EP editado seis anos atrás. O seu thrash metal é um misto de nova e velha escola sendo que a parte onde a velha escola se insere é no cuidado acrescido com os solos e leads de guitarra, com um saudável feeling até de heavy metal tradicional que soa mesmo bem neste contexto. Claro que é um bocado inocente e ingénuo como quase todos os primeiros álbuns são, mas isso até é algo que joga a seu favor. Sem reinventar a roda, sem grandes fogos de artifício, a banda consegue o essencial, contagiar-nos com um bom álbum de thrash metal. E por vezes só temos mesmo que manter as expectativas neste nível para não perdermos de vista a boa música.

8.5/10
Fernando Ferreira

Razgate – “After The Storm… The Fire!”

2020 – Punishment 18 Records

Esta capa está qualquer coisa de fantástica, uma excelente ideia e igual execução. Talvez não seja a maior representativa daquilo que a banda faz, que é THRAAAAAAAAAAASH! Mas o thrash também é tão universal que qualquer capa lhe assenta bem, principalmente quando é de boa qualidade. Os italianos regressam para o terceiro round, mais ávidos por música que nunca. Curto e furioso mas também com variedade q.b., fazendo com que seja fonte de muita diversão. Principalmente para quem gosta de coisas mais tradicionais. Em excelente forma, está aqui um conjunto de motivos para fazer headbang.

8.5/10
Fernando Ferreira

Holycide – “Fist To Face”

2020 – Xtreem Music

Os espanhóis thrashers prepararam neste “Fist to Face” uma ofensiva de metal rápido e imparável, sem quaisquer tipo de filtros ou timidez. Sendo já uma banda com alguns anos e sendo este o segundo longa-duração do grupo madrileno, a verdade é que, desta vez, a receita é mais política com enormes críticas ao actual Presidente dos Estados Unidos Donald Trump. No entanto –  e apesar de conter mensagens muito inteligentes e críticas ferozes –, a verdade é que a sonoridade é repetida vezes sem conta: um thrash veloz com solos gritantes e uma bateria impactante, com um vocal impiedoso. “Fist to Face” tem qualidade, mas, ao fim de algumas canções, quer-se algo diferente. O dinamismo não é muito, mas é um álbum a registar!

7/10
João Braga

Trash Heaven – “Four Heads For A Crown”

2020 – Music Records

Este é um daqueles álbuns que quer apontar para uma direcção (negativa) e que tem elementos que nos fazem apontar na direcção oposta ao mesmo tempo (positiva). Thrash metal com muitos outros elementos à espreita, nomeadamente heavy metal e até folk (!) como é fácil reparar na instrumental “The Tree Of Wisdom Pt 1”, um bonito tema que se estivesse num álbum dos Eluveitie não soaria deslocado. Temos passagens de brilhantismo assinalável, outros de puro gozo thrash, e depois temos melodias vocais e soluções que nos parecem algo precipitadas. Ideias que se tivessem sido um pouco mais maturadas, poderiam ter resultado de forma superior. A começar pela capa e título do álbum. O resultado final sem dúvida que é positivo, mas esperamos ver este potencial melhor aproveitado no futuro.

7/10 
Fernando Ferreira

Thrashera – “Não Gosto!”

2020 – Helldprod

Os brasileiros Thrashera nasceram definitivamente numa outra época. Apenas estão deslocados no tempo. O seu black/thrash metal é nos familar de forma tão proporcional ao quanto o apreciamos. Temas imples, letras irónicas e aquela sensação que se teve quando se ouviu Sarcófago ou Vulcano pela primeira vez. Diversão metálica (frases como “Metau tem de ser mau, se não é mau não é metau” são marcantes) num terceiro álbum que é aconselhado a todos os que têm um certo fraquinho necro e com alguns momentos realmente bem conseguidos – “Sangue Ao Metal” é um deles.

7/10
Fernando Ferreira

Downstroke – “Grit”

2019 – Negative Vibe Records

A missão dos noruegueses Downstroke é de melhorar a reputação da cena groove. Pessoalmente nunca fui fã desse rótulo mas acaba por ser apenas isso, um rótulo. E no caso da banda norueguesa, encaixa bem no que podemos chamar de mistura de hardcore e (thrash) metal sem ser crossover nem metalcore. Groove, sim, temos bastante e alguma acutilância e vondade de trazer algo diferente – “Corporate America” por exemplo, não só tem algum funk como também tem solos bem inspirados. É uma estreia que deixa espaço para um desenvolvimento que até nos pode surpreender no futuro. Esperamos por isso.

7/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.