WOM Reviews – Me & Munich / Somehow Jo! / Go Down Records 2003|2020 / Less Win / Mushroomhead / Serenity Broken / Baron Crâne / Michael Malarkey

WOM Reviews - Me & Munich / Somehow Jo! / Go Down Records 2003|2020 / Less Win / Mushroomhead / Serenity Broken / Baron Crâne / Michael Malarkey

Me & Munich – “Gaslighting”

2020 – Edição de Autor

A força das guitarras puxa-nos para o rock/metal alternativo enquanto a voz tem um certo quê do rock pop da década de oitenta (dos finais pelo menos) e depois tudo junto que dá? Um grande álbum de estreia. Simplesmente. “Gaslighting” é isso mesmo, simples mas altamente eficaz. As emoções que evoca parece que já nem são de agora e transcendem aquilo que apenas estava habituado (por norma) a ouvir na música pesada. Quando havia um disco rock (contemporâneo e mainstream) que nos conseguia cativar logo à primeira. Lembram-se dessa altura, parece que foi há muito tempo. Talvez seja algo antiquado (não propriamente datado) mas que mania essa de descartar a música apenas porque nos relembra algo que não é comum encontrar agora? A música mede-se pela qualidade. É assim que nós fazemos. Me & Munich conquistou-nos pela imensa qualidade.

9/10
Fernando Ferreira

Somehow Jo! – “Tusk”

2019 – Inverse Records

Curiosa proposta estes finlandeses que nos trazem um som intrigante e que até parece que vem de outras paragens mais quentes. Temos uma espécie de rock alternativo com pitadas de reggae (muito poucas mas presente, principalmente nas melodias vocais) e com um instrumental com uma precisão típica de algo core. É uma grande mistura, mas resulta de forma curiosa. Boas melodias e bons temas que vão para além da armadilha do refrão a repetir até à exaustão. E com peso, algo que nunca é demais mencionar.

8/10
Fernando Ferreira

V/A – “Go Down Records 2003|2020”

2020 – Go Down Records

Sabíamos que este dia chegaria. Em que o retro dava uma volta tão grande e que os samplers das editoras voltaram a ser uma “cena”. A Go Down Records é uma influente editora italiana que conta já com um historial dentro da rock mais indie e alternativo e aqui temos uma breve amostra (apesar de estarmos a falar de 28 temas de outras tantas bandas) do seu poder. Os Karma To Burn estão no topo mas a boa música está por todo o lado como os Glincolti, Humulus e obviamente os Yawning Man. Uma boa forma de ficar a conhecer novas bandas, uma sugestão tão retro da nossa parte.

9/10
Fernando Ferreira

Less Win – “Given Light”

2020 – The Big Oil Recording Company

A nostalgia normalmente funciona para aqueles momentos / imagens / sensações que nos são positivas, mas também existe associação com o que não temos propriamente saudades. É o meu caso pessoal com o som da vanguarda que quando estava no seu auge na década de oitenta, sempre me causou estranheza. É precisamente essa sensação de estranheza familiar que os Less Win trazem, com um pós punk interessantemente eficaz. Sim, eficaz porque apesar da sua estranheza, consegue apresentar temas com groove e até com um forte factor hipnótico – “The Hanging” é exemplo perfeito. Para os fãs do estilo, nostálgicos ou não, recomendado.

7/10
Fernando Ferreira

Mushroomhead – “A Wonderful Life”

2020 – Napalm Records

Regresso dos Mushroomhead, se calhar um regresso que muitos fãs de metal não estavam propriamente ansiosos. Não, isso é ser injusto porque apesar de terem sido arrebanhados pelo nu-metal, a música da banda insere-se mais facilmente no industrial, ainda que numa vertente mais comercial. Seja como for, e seis anos depois do último álbum, os Mushroomhead voltam com mais dezassete temas (!), algo que até nos lembrar dos tempos em que a Roadrunner lançava álbuns com quase vinte temas e com setenta minutos de duração. Tal como nessa altura, metade dos temas não se aproveitam, embora existam alguns apontamentos engraçados fora dos campos que a banda nos está habituada a apresentar. Parece-nos pouco sumo, para tanto tempo de espera.

6/10
Fernando Ferreira

Serenity Broken – “Redefine”

2017 – Edição de Autor

Os Serenity Broken podem ser uns perfeitos desconhecidos dos nossos leitores mas este segundo álbum poderá ter alguns motivos que fará com que queiram que isso mude. Apesar de ser uma proposta de rock/metal alternativo com tiques daquele som southern, bem norte-americano, a banda grega conta aqui com o deus da bateria do death metal, George Kollias. Calma, isso não significa que seja um desfilar de blastbeats, a torto e a direito. A bateria, aliás, como toda a secção rítmica é bem sólida e as músicas (apesar de alguns déjà vús ora a Alice In Chains, ora a Godsmack) são cativantes o suficiente. Sólido, mesmo sem nos deixar de boca aberta.

7/10 
Fernando Ferreira

Baron Crâne – “Commotions”

2020 – Edição de Autor

Os Baron Crâne são daqueles mistérios que podem tornar-se em pouco tempo uma boa surpresa. Mistério para quem não acompanha a cena rock francesa, já que a banda já tem lançados dois Eps. Nesse aspecto, “Commotions” acaba por soar a pouco, com apenas cinco temas, apesar de alguns serem longos. Por outro, a abordagem meio pós-rock, meio psicadélica soa refrescante e desconcertante simultaneamente. Mas no final, soa a curto. Ouviamos sem problemas mais cinco temas como estes. Principalmente os instrumentais, que fluem mesmo bem

7.5/10
Fernando Ferreira

Michael Malarkey – “Graveracer”

2020 – Cap On Cat / Kartel

Michael Malarkey é um nome que poderá soar familiar aos fãs da série “Os Diários do Vampiro”, onde participou como actor. Surpreendidos? Talvez não, mas eu fiquei, principalmente por ver que a sua voz é mesmo muito boa. Temos aqui uma espécie de cantautor que nos traz temas em modo crooner, conseguindo-nos cativar aos poucos com as histórias que declama. Dentro de uma toada mais folk ou Americana (ainda que saindo um bocado dos seus limites) este trabalho é surpreendentemente rico.

7.5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.