WOM Reviews – Myrkur / Igorrr / NU / Viviankrist / Black Lilium / Heirs Of Fire

WOM Reviews - Myrkur / Igorrr / NU / Viviankrist / Black Lilium / Heirs Of Fire

Myrkur – “Folkesange”

2020 – Relapse Records

Como é que pode haver alguém que não gosta disto? É incompreensível. Ok, faz fernicoques chamar ao que Myrkur black metal. Concordo e faz sentido. Mas para quem gosta de folk, é simplesmente perfeito, de uma beleza contagiante. Aliás, o que temos aqui até é mesmo puro folk, acústico, onde não temos qualquer vestígio da componente metal (seja de que tipo for). O que, reforço, para nós é perfeito, já que o grande trunfo da sua música era a forma como a ambiência era criada e como nos conseguia transportar para dentro da mesma. Esse efeito ainda está mais acentuado e esta é uma magia que tanto é difícil de criar como de igualar. Uma obra-prima que apenas que gosta mesmo do folk escandinavo irá gostar.

9.2/10
Fernando Ferreira

Igorrr – “Spirituality And Distortion”

2020 – Metal Blade Records

O mestre do caos musical francês está de volta com mais um álbum que se antecipava após o enorme sucesso no underground “Savage Sinusoid”, mais que não seja entre a crítica. “Spirituality And Distortion” é o sucessor e mostra que a aclamação ao artista/banda e os elogios não foram descabidos nem “Savage Sinusoid”. Numa altura em que vemos fusão de tudo e de mais alguma coisa, esta é realmente uma lufada de ar fresco. Nunca a world music, a música electrónica, metal e vozes operáticas se fundiram tão bem e ao mesmo tempo de forma desconcertante. E viciante, porque apesar de estarmos a falar de uma hora de música repartida por catorze faixas, quando chega ao final é necessário rodar mais uma vez. Assombroso!

9.5/10
Fernando Ferreira

NU – “Sala de Operações Nº 338”

2016 – Edição de Autor

A par do single “Lunar Caustic”, aqui presente neste EP, “Sala de Operações Nº 338” é lançamento de estreia dos NU, colectivo de Santo Tirso que tem uma abordagem refrescante em relação à música. Experimentalismo bastante cativante, onde as ambiências rock (a puxar ao stoner/doom) são a grande arma. A inclusão do sax na já referida “Lunar Caustic” funciona de forma bastante positiva. Três temas apenas mas muitos devaneios que nos deixaram com água na boca para ouvir mais.

8/10
Fernando Ferreira

NU – “II”

2018 – Edição de Autor

Segundo EP dos NU, desta vez apenas com dois temas mas com uma sentido maior de experimentação. É inevitável pensar em nomes como Mão Morta, principalmente pela forma como a voz de Rui Pedro Almeida é usada, no entanto as semelhanças com a banda de Braga ficam por aí. O groove hipnótico mantém-se e há um desafio na forma como a repetição se torna crescente na intensidade e cria mantras sonoros que poderão irritar os mais sensíveis, como na “Alastra”. Passando esse ponto, o prazer será total, mas provavelmente já estarão bastante longe de casa.

7.5/10
Fernando Ferreira

NU – “Diferentes Formas Da Mesma Areia Morta (Live Session)”

2020 – Edição de Autor

E finalmente o álbum de estreia dos NU. E se a música deles não é convencional, porque não ter um álbum de estreia muito pouco convencional? Gravado inteiramente ao vivo e composto unicamente por três temas – Sim poderíamos ter mais um temazito mas aquilo que gostamos nos NU é que a qualidade da sua música flui livremente, conforme quer. Forçar isso seria contrariar o próprio conceito do projecto. E mais uma vez somos puxados para um mundo bastante próprio, tão decadente quanto sedutor. As letras em português são provocantes e incisivas e a música é como que uma serpente à nossa frente a colocar-nos em transe. Estamos aos poucos a ficar completamente presos a esta banda. Queremos mais!

8.5/10
Fernando Ferreira

Viviankrist – “Cross Modulation – Bootleg Remixes”

2020 – Ritual Productions / Diagonal Records

Não se trata de uma reedição. É mais uma reinterpretação do álbum de estreia do projecto conhecido por Viviankrist (de seu verdadeiro nome Eri Isaka Fuzz-Kristiansen). É uma colecção de temas e nomes impressionantes como Justin Broadrick (através da sua personagem musical JK Flesh), Maniac (sim, esse mesmo, o ex-vocalista dos Mayhem) e Adam Richardson (dos 11Paranoias), entre muitos outros. Forte ambiência cinematográfica onde o industrial e ambient chillout se fundem como um som. Oitenta minutos mais que recomendados para quem gosta deste tipo de sonoridades.

8/10 
Fernando Ferreira

Black Lilium – “Dead Man’s Diary”

2019 / 2020 – Edição de Autor

Black Lilium são uma banda alemã de metal progressivo com tiques alternativos e podemos escutar neste álbum “Dead Man´s Diary” riffs pesados, com uma tendência experimental. O vocalista não aposta muito no gutural, sendo uma vertente mais suave do metal alternativo mas que complementa com um instrumental bastante melódico e um ritmo bateria acelerado, sem falar num bom trabalho das teclas.  Destacam-se os temas “Everything I Am” e “My Purpose”. Recomendo sem dúvida este novo trabalho da banda, podemos comparar com bandas como Soundgarden e Alice in Chains.

7/10
Nídia Almeida

Heirs Of Fire – “Pain&Victory”

2020 – Volcano Records

Os Heirs Of Fire trazem uma sonoridade forte para os nossos ouvidos, uma sonoridade que “Sweet Danger” apresenta de forma bem atractiva. A questão com que nos debatemos é que nem sempre esse impacto é duradouro ao longo deste “Pain & Victory”. Isto sem que chegue a ser uma decepção. Apenas não é tão fulgurante quanto aquilo que pensámos no inicio. Algures entre o metal tradicional e o alternativo, este é um bom EP para começar, mas depois disto vamos ficar mais exigentes.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.