WOM Reviews – Runescarred / Slayer / Alien Squad / Municipal Waste / Envenomed / Infrared / Sun Of The Endless Night / Prophets Of The Apocalypse

Runescarred – “The Distant Infinite”

2020 – Edição de Autor

Os Runescarred vêm já de uma linhagem marcante no metal, sendo os seus primórdios os Dead Earth Politics que, após a sua dissolução, deram origem a esta banda que teve em “We Are” uma estreia estrondosa. O quinteto é dono de uma sonoridade incrível que mistura os sons épicos do heavy metal britânico dos Iron Maiden, com o groove death metal dos Lamb of God, conseguindo um som que tem traços únicos e realmente melódicos e dinâmicos. Os Runescarred também procuram buscar um pouco da sonoridade mais ligada ao rock, mas nunca permitem que haja espaço para rótulos criativos limitativos.
Neste novo lançamento, “The Distant Infinite”, os texanos obtêm um refinamento na produção e na estrutura conceptual do disco, mostrando-se ao mundo como uma banda a seguir neste novo ano de 2020. O sucesso do álbum de estreia foi evidente, mas, com “The Distant Infinite”, o quinteto sobe a fasquia com uma mistura de faixas poderosas e intempestivas ao mesmo tempo que inclui um som mais emotivo em muitos temas. O ano de 2020 poderá muito bem ser um ano de confirmação para uma banda ainda jovem e que tem muito para caminhar. No entanto, “The Distant Infinite” demonstra um grupo muito talentoso que consegue produzir um longa-duração intenso, inteligente e realmente poderoso, sem nunca se prender a um determinado género musical.

Nota 8.5/10
Review por João Braga


Slayer – “The Repentless Killogy”

2019 – Nuclear Blast Records

A tão malfadada despedida dos Slayer dos palcos que percorreu o mundo inteiro materializou-se num Blu-Ray/DVD/CD duplo que nos chegou agora. Dois cds que poderiam muito bem ser o dobro – embora seria improvável que tocassem tudo no mesmo concerto já que a banda por norma nunca terá tocado mais que noventa minutos. É um exercício engraçado repararmos que o grosso do alinhamento está baseado na décad de oitenta com algumas poucas incursões a trabalhos posteriores, deixando ainda assim muitos álbuns de fora. E no entanto, não deixa de ser um trabalho obrigatório para qualquer fã de Slayer ou mesmo de thrash em geral, assim como os concertos que a banda deu um pouco por todo o lado o eram. Histórico e obrigatório.

Nota 9/10
Review por Fernando Ferreira


Alien Squad – “Stand Your Ground”

2019 – Rastilho Records

Regresso dos Alien Squad aos álbuns após uma ausência de quase quinze anos. A banda leiriense regressa como se nunca se tivesse ausentado. Costela crossover bem forte que mostra a banda com a vitalidade e sangue na guelra como se tivessem começado agora. Esperemos que este regresso discográfico seja acompanhado por uma maior presença nos palcos, já que temas como “Onward’ Ya Dyin’ Wankers” e “Whereabouts Unknown” deverão sem bombásticos ao vivo. Por vezes vale mesmo a pena esperar.

Nota 8.5/10
Review por Fernando Ferreira


Municipal Waste – “The Last Rager”

2019 – Nuclear Blast Records

Depois de cinco anos ausentes, os nossos crossovers favoritos têm estado particularmente activos desde que lançaram “Slime And Punishment”. Com dois splits lançados no ano passado, os Municipal Waste estão de volta com este EP “The Last Rager” que nos traz mais quatro temas enraivecidos que ficam despachados em dez minutos. Mais não é preciso para partir a louça toda. E é isso mesmo que acontece.

Nota 8/10
Review por Fernando Ferreira


Envenomed – “The Walking Shred”

2019 – El Puerto Records

Na estrada desde final da década passada, já com um álbum e dois EPs gravados, os australianos e, praticamente desconhecidos, Envenomed, surgem-nos este ano com um novo trabalho, “The walking shred”, e com muita vontade de se darem a conhecer no hemisfério norte. Desde logo, o título do álbum e a espetacular capa do artista australiano Logan Francis Gray remetem-nos para a série “The Walking Dead”. Aos vermos uma capa à Municipal Waste, começamos a preparar-nos para ouvir um álbum dethrash/hardcore. Mas eis que nos sai um conjunto de faixas heavy/speed bem produzidas e trabalhadas, apesar de nenhuma delas nos parecer particularmente original. As influências de algumas das bandas mais conhecidas do género são por demais evidentes. Sem esforço percebemos aqui influências musicais como Maiden ou Megadeth, embora a voz, por vezes (talvez demasiadas), nos faça recordar a do vocalista dos Nickelback. A piscadela de olho ao público feminino no final do álbum com a faixa “Are you gonna go my way” de Lenny Kravitz e a tentativa de gravar um hino com “Metal United”, reforça-nos ainda mais a ideia de que esta banda modificou a sonoridade neste álbum, quiçá pensando ficar mais preparados para o assalto à Europa que ensaiaram, sem particular evidência, no verão passado. Os fanáticos de sons mais pesados não encontrarão aqui motivos de interesse, mas aqueles que gostam de um heavy metal mais tradicional, provavelmente concordarão que está na altura de darmos alguma atenção a estes australianos. Claramente a merecem.

Nota 7.5/10
Review por José Pedro Paio


Infrared – “Back To The Warehouse”

2019 – Edição de Autor

Depois do competent “Saviours” lançado no ano passado, os thrasher canadianos Infrared voltaram com mais cinco temas na forma deste EP “Back To The Warehouse”. Thrash metal musculado mas ainda que ligeiramente old school é a sua proposta e por nós tudo bem. Riffs bons, base rítmica forte, não há nada que sintamos a faltar. Bem, talvez umas faixas fortes e memoráveis. Poderá ser apenas problema nosso, mas no meio da produção de todo e do poder, fazia falta aqui malhões. De qualquer forma, os temas são bons e facilmente qualquer thrasher fica pronto a curti-los pelo menos uma vez. Mais que isso é que dependerá de cada um. Termina com uma cover de Iron Maiden para “Wrathchild”, que é, curiosamente, o melhor tema do EP.

Nota 7/10
Review por Fernando Ferreira


Sun Of The Endless Night – “Symbols Of Hate And Deceitful Faith”

2019 – Punishing 18 Records

Não temos grande informação acerca dos Sun Of The Endless Night a não ser que têm um nome demasiado comprido para uma banda de thrash metal. Com uma voz a lembrar aquela de Lasse Skov dos dinamarqueses Essence, este é um álbum curto e furioso que os britânicos nos trazem mas com bastantes dinâmicas, sendo que o midtempo é a sua arma mais poderosa mas não aquela que usam mais vezes – como prova a “Altar Of Depravation”. Som poderoso mas que por vezes soa demasiado artificial, esta é uma excelente forma de acabar o ano, com um grande álbum de thrash metal. Cheira-nos que ainda vamos ouvir muito deles.

Nota 8/10
Review por Fernando Ferreira


Prophets Of The Apocalypse – “Threshold Of War”

2019 – Sliptrick Records

Há algo nos Prophets Of the Apocalypse que nos diz logo que este é um projecto esforçado e combativo em relação às suas (muitas) limitações. Antes de ouvirmos é a capa que nos traz essa certeza e depois de ouvirmos é a produção tipicamente caseira, ainda que isso hoje em dia já não seja uma questão assim tão significativa – dez ou vinte anos atrás era bem mais acentuada entre uma produção profissional e caseira. Algures entre o death e o black mas com o thrash como fundo, “Threshold Of War” não é propriamente um mau trabalho mas também falha em trazer-nos um álbum que nos cative.

Nota 5.5/10
Review por Fernando Ferreira


Support World Of Metal
Become a Patron!

1+

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: