WOM Reviews – Sidebürns / Warkings / Cutty Sark / Dark Wizard / House Of Lords / Starscape / Witchfynde / Beach Viper

WOM Reviews - Sidebürns / Warkings / Cutty Sark / Dark Wizard / House Of Lords / Starscape / Witchfynde / Beach Viper

Sidebürns – “Too Loud”

2020 – Dr. Music Records

Você sente falta do Motorhead? Sidebürns traz muita influência da banda britânica mas claro com o sotaque alemão demonstrando de onde a banda nasceu. O trio apresenta um rock and rol muito sincero e fico imaginando o show que acredito deve ser muito legal! Fica o destaque para “Fine Lines”. Claro que nem tudo são flores. Sim o fator produção não é dos piores, mas poderia ser melhor e ajudaria na divulgação do trabalho! Mas mesmo assim vale muito conferir a banda!

10/10
Carlos Lichman

Warkings – “Revenge”

2020 – Napalm Records

Os Warkings dão um passo à frente com “Revenge”, sem dúvida! Os quatro reis estão de volta do reino dos mortos com um álbum poderoso, intenso e com muitas histórias para contar. “Revenge” é composto por dez temas muito sólidos com a imagem de marca da banda que não se limita a preocupações visuais e “Freedom” é a faixa que abre o caminho de uma nova cruzada para os poderosos Warkings, que entram no campo de batalha e enfrentam demónios macabros com uma arma formidável feita de puro Heavy Metal.

10/10
Miguel Correia

Cutty Sark – “Die Tonight / Heroes”

1984-1985 / 2019 – Golden Core Records / ZYX

A máquina do tempo leva-nos até o início da década de oitenta, mais precisamente até à Alemanha, para os primeiros álbuns dos Cutty Sark que aqui se encontram reunidos num só pacote. E se a capa – fruto da reunião das duas que sozinhas já não eram grande coisa, não melhorando com a união – é horrível, já a música é excelente. De uma forma surpreendente, com um heavy metal cru mas muito honesto, que nos consegue falar mesmo ao coração – do fã do som sagrado, claro. E nesse aspecto, “Die Tonight” acaba por estar uns furinhos acima do que “Heroes”, que não deixa de ser um sólido trabalho. Grande vício e uma nova oportunidade para conhecer o melhor que o passado tem para oferecer.

8.5/10
Fernando Ferreira

Dark Wizard – “Evil Spirits – Reign Of Evil / Devil’s Victim – Remaster 2019 + Bonus!”

2019 – Golden Core Records / ZYX

Grande parte do trabalho editado dos holandeses Dark Wizard está presente neste único disco. Temos o álbum de estreia “Reign Of Evil”, que tem grande parte das características essenciais do heavy metal. De 1985, trata-se de um daqueles trabalhos que ainda bastante crus na produção, apresentam argumentos imbatíveis: atitude! Também temos o EP “Devil’s Victim” que antecedeu o álbum. Ligeiramente mais cru, mas com igual impacto positivo. Pedigree old school e que sabe bem agora recordar. Estes dois lançamentos encontram-se remasterizados e depois a parte do bónus tratam-se de temas ao vivo, que têm, como esperado, uma qualidade algo manhosa mas que dá para ter uma boa ideia de como a banda deveria soar em palco. Vale a pena recordar.

8.5/10
Fernando Ferreira

House Of Lords – “New World – New Eyes”

2020 – Frontiers Music

Dez álbuns, é sempre uma marca de impor respeito e os House Of Lords já não têm nada a provar com o seu hard rock melódico. O teor moderno de algumas faixas poderá deixar um sabor algo estranho – como a “Change (What’s it Gonna Take)” – mas aquele travo rock não desapareceu e continua bem presente. São esses os momentos que mais nos falam. Todavia e no geral, temos um conjunto forte de temas onde tudo se une de forma harmoniosa, bema o estilo dos House Of Lords.

7/10
Fernando Ferreira

Starscape – “Pilgrims”

2020 – Edição de Autor

O duo que é quase one-man band (onde temos uma pessoa responsável por toda a instrumentação enquanto outra canta) apresentou-se à WOM com “Pilgrims”, o seu primeiro EP depois da demo de 2017. Estes dois temas não são o suficiente para chegarmos uma conclusão em relação à banda em si, já quanto ao EP em si, ficamos rendidos. Heavy metal, épico, com boa desenvoltura técnica (excelentes detalhes na guitarra) e uma voz que sem ser deslumbrante, enquadra-se perfeitamente no timbre mais old school que (calculamos) que se pretenda. Estamos a gostar, venha mais música.

8/10 
Fernando Ferreira

Witchfynde – “Lords Of Sin”

1984 / 2020 – Golden Core Records / ZYX

Temos tido aqui uma série imbatível de reedições por parte da Golden Core Records. Pois bem, algum dia teria de aparecer algo menos bom. Os Witchfynde são uma das bandas clássicas da NWOBHM que graças a dois clássicos (os dois primeiros trabalhos “Give’ Em Hell” e “Stagefright”) consegui permanecer ao longo dos anos como uma referência para os mais apaixonados pelo heavy metal. Os dois álbuns seguintes viram a qualidade a não ser tão imediata e não é difícil perceber porque é que a banda cessou funções após a edição de este trabalho em 1984 – voltariam em 1999 e ainda permanecem activos nos dias de hoje. O problema que temos aqui é uma procura por paisagens mais comerciais. Isso não é, por si só, mau. É apenas problemático quando o resultado são temas mais fracos e aqui temos alguns desses. Para compensar temos temas ao vivo que vai pega em clássicos e é a melhor forma de acabar um álbum que não é assim tão clássico quanto isso.

6.5/10
Fernando Ferreira

Beach Viper – “Alive & Free”

2020 – Edição de Autor

Que boa onda. Os Beach Viper mostram que têm os pés bem assentes na década de oitenta mas isso não os impede que tenham uma sonoridade moderna. Boa raça sonora e mesmo que seja música que sabemos que tem uma expressão globalizada hoje em dia como teve trinta anos atrás, a qualidade é evidente. Sem pretensões, apenas rockar, principalmente nestes dias em que viajar é bem apetecível.

7/10
Jorge Pereira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.