WOM Reviews – Taphonomy / Dead Exaltation / Death Conspiracy / Podridão / Sepulchral Whore / Zebú / Lyric Butcher

WOM Reviews - Taphonomy / Dead Exaltation / Death Conspiracy / Podridão / Sepulchral Whore / Zebú / Lyric Butcher

Taphonomy – “Death≠Birth”

2020 – Edição de Estreia

São raros os EPs curtos que considere como satisfatórios na avaliação de uma banda. Peço desculpa, EPs de estreia. Principalmente por esse factor, é a estreia, não se conhece nada deles e mesmo que o resultado seja positivo (e muitas vezes é), não deixo de sentir que fica a faltar algo para mostrar. É precisamente o que não acontece aqui. Em menos de vinte minutos a banda polaca despeja o seu brutal death metal (um estilo onde não há grandes segredos) de uma forma tão convincente que fica-se imediatamente preso a ela. E viciado. Excelente estreia, excelente EP de uma banda que vai dar que falar, tenho a certeza disso.

9/10
Fernando Ferreira

Dead Exaltation – “Despondent”

2021 – Edição De Autor

Impressionante estreia dos indianos Dead Exaltation. Impressionante ainda mais tendo em conta que a banda indiana – de todo um destino que se espere ter um death metal técnico – que passou de um quinteto a um trio (com a saída do baixista e de um dos guitarristas) com o guitarrista Mradul a fica encarregue de todas as guitarras e também do baixo para gravar o presente álbum. Infelizmente Mradul antes do processo estar finalizado. Coube aos restantes dois membros, o vocalista Satyajit Gargori e o baterista Aditya Oke continuar o processo. Não  se sabe muito bem o futuro da banda e a continuar, será provavelmente bastante diferente do que se pode encontrar aqui mas o que esta estreia mostra é que vale a pena esperar para ver.

9/10
Fernando Ferreira

Death Conspiracy – “Intolerance”

2020 – Edição de Autor

Lançado nos finalmentes de 2020, “Intolerance” dos brasileiros é um cativante EP que apresenta uma banda cativante. Uma banda que nos revela dinâmica e surpresa. Com um primeiro tema instrumental, “Arise From Exctinction”, as coisas até parecem apontar na direcção mais melódica. Essa melodia não desaparece mas assim que entra a voz – um gutural que parece vir das entranhas do inferno – os contornos melódicos parecem perder todo o seu impacto. Há também aqui uns tiques mais deathcore mas nada que justifique colocar esse rótulo em cima. Dinâmico, com uma capacidade técnica impressionante, esta é mesmo uma grande banda que terá um futuro risonho no death metal.

8.5/10
Fernando Ferreira

Podridão – “Revering The Unearthed Corpse”

2020 – Kill Again Records

Segundo álbum dos brasileiros Podridão onde é possível apreciar uma evolução sonora mas sem mudar grande coisa (ou mesmo nada) no seu conteúdo. O que é bom, é muito fácil uma banda ceder às tentações exteriores e perder o seu norte. Assim sendo, continua intacto o amor ao death metal mais agreste, com uma produção mais cuidada, mas sem perder (em nada mesmo) aquele travo do death metal primitivo. É death metal clássico, qual seja a abordagem que se lhe preste e até tem um fantástico brinde na forma de um medley do álbum “Bloody Vengeance” dos seus compatriotas Vulcano. Death metal para os verdadeiros fãs do estilo.

8/10
Fernando Ferreira

Podridão – “Podridão”

2017 / 2018 – Kill Again Records

Este é um nome que diz logo todo, tal como a capa. E sim, temos podridão com fartura, em modo death metal vindo do Brasil. Curiosamente de uma forma muito bem conseguida. A sonoridade é crua, o estilo vai buscar as raízes do estilo, mas na vertente europeia e não tanto na sul-americana, ali por volta dos inícios da década de noventa. Unidimensional, sem dúvida, mas que consegue puxar pelo amor ao estilo, sendo honesto e genuíno, como qualquer paixão que se preze deverá ser. Bons riffs, bom gutural – cavernoso q.b. – e bons temas. Bom início de carreira discográfica – no que aos álbuns diz respeito.

7.5/10
Fernando Ferreira

Podridão / Sepulchral Whore – “Necrotic Symbiosis”

2020 – Life After Death

Os Podridão juntaram-se em 2020 aos Sepulchral Whore e o resultado foi um split onde o death metal primitivo foi não só evocado como também tratado como rei. As abordagens de ambas as bandas brasileiras são muito semelhantes mas cada um conserva os seus traços e identidades próprias. Apesar dessas semelhanças, considero os temas dos Podridão mais poderosos e os dos Sepulchral Whore mais diversificados. Os dois juntos trazem um pacote completo para quem gosta de death metal primitivo mas sempre com sabor clássico.

8/10 
Fernando Ferreira

Zebú – “Mesías de Sangre”

2019 – Edição de Autor

Estreia dos mexicanos Zebú que são uma mistura divertida de death metal e grindcore. Divertida e refrescante já que acaba por fazer isso de ferramentas que à partida estariam confinadas e crossover. Contudo “Mesías De Sangre” é um daqueles álbuns que poderá ficar no meio. Demasiado no meio. Demasaido death/thrash para quem gosta de grindcore, demasiado thrash para quem gosta de death, demasiado grindcore para quem gosta de thrash… algo que poderá ser complicado a nível de marketing mas que recompensa quem tem os gostos variados e gosta (e precisa) de música bastante dinâmica. Esses serão recompensados.

7.5/10
Fernando Ferreira

Lyric Butcher – “Cárcere”

2020 – Edição de Autor

Death metal bruto vindo do Brasil. Bruto, primitivo e bem cru. Estas gravações começaram em 2016 (suponho que tenha sido em 2016 apesar do comunicado de imprensa referir em 2006) e o EP só foi lançado em 2020. Tendo em conta a produção podre (de uma forma positiva) e de termos apenas quinze minutos, pode-se pensar que a banda não será a prioridade para os membros da banda. As músicas são simples mas cumprem o seu objectivo, embora fique no ar a verdadeira potencialidade da banda. Tem que se esperar pelos próximos capítulos.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.