WOM Reviews – Tears Öf Rage – “Tears Öf Rage”

[amazon_link asins=’B074V1B24C,B074V1NSWT,B074TY5ZPP,B074V39CN4,B074TZSYYB,B074TYZ9LR,B074TYHGJJ,B074TY94YP,B074TXVK6H’ template=’ProductGrid’ store=’woofme-21′ marketplace=’ES’ link_id=’6682ef51-a59f-11e8-9c77-df29cf427daa’]

2015 – Edição de Autor

Banda oriunda do Rio Grande do Sul, mais precisamente de Caxias do Sul, que divulga a sua estreia há quase dois anos. Os Tears Öf Rage, fundados em 2010, têm a formação estabilizada desde 2013 e contam actualmente com Luan Mussoi (guitarra), Cristian Porto (baixo), Cléber Cruz dos Reis (voz) e Guilherme Adamatti (bateria). A sonoridade proposta pela banda tem foco no Heavy Metal na sua forma mais pura, ou seja, o tradicional, que traz influências das raízes do estilo e da NWOBHM. Mas, o quarteto não fecha seu leque e traz desde momentos mais pesados beirando o Thrash Metal, passando por momentos épicos (Power Metal) e com uma ‘vibe’ simples e contagiante que nos remete ao Hard Rock.

O melhor disso tudo é que eles conseguem criar uma identidade e não se perde em meio às influências diversas. As potentes guitarras, que se destacam nos momentos ‘cavalgados’ com palhetadas certeiras, se unem a um baixo de linhas fortes e consistentes, que ganham ritmo com a bateria precisa e com pegada. Tudo tendo a frente os vocais agressivos de Cléber, que soam versáteis, mas procura acompanhar o peso que é imposto pela sonoridade da banda. Fortes refrães também são ponto chave do grupo e os destaques ficam por conta de Walk in the Valley of the Shadows of Death, Devil’s Child, Eternal Element e Curse of Eternity. Pode conferir sem medo!

Nota 8/10

Review por Vitor Franceschini

https://www.facebook.com/tearsofrage/

http://tearsofrage6.wixsite.com/tors

 


 

[quadsvi id=1]

Support World Of Metal
Become a Patron!

New WOM Android APP – Read All Our Issues for free!
World Of Metal Magazine – Out Now
Download It Here!

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.