WOM Reviews – Ainur / Karmanjakah / Turbulence / Transatlantic / Neil Merryweather & The Space Rangers / Yawning Man / Austin Taft

WOM Reviews - Ainur / Karmanjakah / Turbulence / Transatlantic / Neil Merryweather & The Space Rangers / Yawning Man / Austin Taft

Ainur – “War Of The Jewels”

2021 – Rockshots Records

O som clássico do progressivo é desde cedo neste trabalho ambicioso. Esta ambição pode-se descrever desde logo pelo conceito – trabalho que foca o mítico “Silmarillion” de J.R.R. Tolkien, mas também como esse som mais clássico que nos remete para nomes tão díspares como Yes e Symphony X. Resultados acima da média que não só se confinam à excelente qualidade musical instrumental, como também nas vozes, com um luxo de talentos. Confesso que este será um projecto (do género de Ayreon e Avantasia) ou uma verdadeira banda que se foca em ter um elenco vasto e com vista a ir para cima dos palcos (ao estilo de Trans-Siberian Orchestra), mas a avaliar por este trabalho, e a riqueza que contém, o mundo já ficou um bocado melhor. Excelentes temas, excelentes vozes, rock e metal progressivo fundidos de forma irreprensível.

9/10
Fernando Ferreira

Karmanjakah - “A Book About Itself”

2021 – Edição De Autor

Já muitas vezes falei da forma como o prog metal moderno me causa enfado pela forma que usa as mesmas ferramentas vezes sem conta. Algo que até é injusto se for a analisar bem, porque o problema não é usar as mesmas ferramentas vezes sem conta – temos punk, hardcore, heavy metal, thrash metal, death metal sueco, death metal melódico, black metal sinfónico, pós rock, prog rock e poderiamos ficar aqui o dia inteiro e se calhar não chegava. O problema são mesmo as ferramentas, tais como guitarras a puxar ao djent, ritmos quebrados e as melodias vocais serem um bocado semelhantes a tantas outras. E temos isso tudo aqui para ser sincero. A diferença é que aqui resulta, muito graças à forma como dão a volta a estes lugares comuns e conseguem torná-los como algo excitante e novo para uma nova geração de fãs. Um dos grandes elementos que muda tudo é a voz. A voz de Jonas Lundquist é apaixonante e permite que tudo resto se siga sem dificuldades. A revelação do prog metal de 2021.

9/10
Fernando Ferreira

Turbulence – “Frontal”

2021 – Frontiers Music

Quando percebi que os Dream Theater eram a principal influência dos Turbulence, senti logo o que me esperava nesta audição. Confesso, mesmo reconhecendo mérito e qualidade, que não sou um fan acérrimo dos DT, logo também não me deixei influenciar por isso ao fazer esta audição e a preparar o meu terreno para falar sobre “Frontal”.

Do Líbano chegam então os Turbulence e confesso que me senti atraído pela forma como a banda incorpora diferentes elementos técnicos, fazendo soar simples aquilo que certamente foi complexo de construir. “Frontal” é assim um disco com qualidade, demonstrativo de pormenores inteligentes de composição aliado a uma produção também ela de referir pois ajuda muito no resultado final obtido.

Outro ponto positivo é que por aqui cinco das oito faixas que fazem o alinhamento deste disco vão além de uns arriscados oito minutos de duração, mas que na realidade soam pouco ou nada cansativas.

9/10
Miguel Correia

Transatlantic – “The Absolute Universe: The Breath Of Life (Abridged Version)”

2021 – InsideOut Music

Esta é a versão condensada do mais recente trabalho do super grupo de rock progressivo Tansatlantic. E não se trata de apenas resumir num CD aquilo que temos em dois. É issso mas não essencialmente isso. Imaginem que são uma banda ambiciosa, com músicos extraordinários e que durante a fase de composição encontram pelo menos duas formas de fazer as coisas. Duas que têm dificuldade em abdicar. É o que temos aqui. A banda trabalhou num álbum duplo como é habitual mas depois Neal Morse pensou (após o período de confinamento que levou a que houvesse alguma restruturação daquilo que já estava pronto) que tal “fazermos tudo num disco apenas em pouco mais de uma hora”? Ao que Portnoy depois disse “que tal fazermos o disco inicialmente previsto, duplo e lançarmos também essa versão?” E foi o que aconteceu. É como se estivessemos perante um director’s cut que é lançado ao mesmo tempo que a versão “comercial”. E é uma excelente ideia porque ambas são boas e diferentes entre si (não só no alinhamento mas mesmo no conteúdo das músicas que se repetem), embora com muitos pontos em comum. Este é mais fácil de interiorizar, obviamente – fácil não esquecendo que continuamos a falar de Transatlantic – mas os verdadeiros fãs vão querer ter as duas versões. E não se vão arrepender.

8.5/10
Fernando Ferreira

Neil Merryweather & The Space Rangers – “Space Rangers”

1974/2021 – Regain Records

Esta é uma reedição estranha por parte da Regain, que já nos habituou há mais pura da metalada, no entanto, tenho que mencionar que é estranha mas é maravilhosamente boa. Eu não resisto a cada vez que o meu conhecimento musical é ampliado e esta é uma óptima oportunidade para isso, para vocês também. Temos um rock (a editora refere hard rock mas penso que rock será mais apropriado) progressivo e ligeiramente psicadélico. Faz-me lembrar muito dos nossos próprios primórdios no estilo – de bandas como Tantra e o clássico de José Cid – com um extremo e enorme bom gosto. Ouçam o tema “King Of Mars” e digam lá que não é uma das coisas mais fantásticas que ouviram na vossa vida. Depois o facto de termos rock claramente progressivo, em faixas que rondam os três e quatro minutos, também é outro factor excelente e refrescante. Serviço público prestado ao mundo, dar a conhecer este clássico canadiano obscuro.

9/10
Fernando Ferreira

Neil Merryweather & The Space Rangers – “Kryptonite”

1975/2021 – Regain Records

Segundo álbum de Neil Merryweather e dos seus Rangers espaciais reeditado pela Regain Records e mais um clássico que é mais que recomendado. A banda canadiana aqui vai mais para os campos do hard rock clássico, com um álbum mais directo mas que ainda não dispensa os temas inesquecíveis. Tema-título é daqueles que entram logo mas depois temos outros que apelam mais à melodia. Talvez não seja tão prog ou psicadélico como o anterior mas não deixa de ser um excelente trabalho, com nuances que justifica a sua presença neste lote – “Give It Everything We Got” é um desses bons exemplos. Imperdível e muito apetecível!

9/10 
Fernando Ferreira

Yawning Man – “Live At Maximum Festival”

2015/2021 – Go Down Records

As reedições são uma das grandes atracções por parte das editoras e até das próprias bandas, por isso não é estranho encontrar uma nova edição, em vinil, de álbuns como este “Live At Maximum”. O álbum em si espalha toda a magia e toda a sensibilidade dos Yawning Man, tendo a vantagem de que o trabalho foi remasterizado – não consigo perceber a diferença do original porque também não o tenho muito presente na minha memória. Os vinis são coloridos mas mais que uma bonita peça de colecção, este é um álbum ao vivo indicado para quem quer ser introduzido ao som da banda, um stoner pós-rock (posso chamar-lhe isto) muito bem conseguido e que ganha uma alma e dimensão diferente ao vivo. Para os coleccionadores e distraídos.

8/10
Fernando Ferreira

Austin Taft – “Skeletons”

2021 – Edição de Autor

Estranho. De uma forma boa. Não tenho grande afinidade por álbuns que sejam mantas de retalho. Aliás, esse é invariavelmente o calcanhar de Aquiles de projectos que juntam diversos vocalistas em diversos estilos. A entrada deste “Skeletons” com precisamente o tema-título sugere um som na linha do industrial, um tema onde as vocalizações algo extremas surgem com um instrumental poderoso mas o segundo tema já demonstra algo diferente. A mesma voz num tom mais calmo e limpo (inicialmente) numa abordagem progressiva e inevitavelmente comecei a pensar ”será que isto vai ser um daqueles discos onde se atira para todo o lado na esperança de atingir algo?” Não é, felizmente. O progressivo e agressividade são uma constante mas também a melodia o é e quase sempre com bons resultados. Apesar disto temos aqui alguns momentos dispensáveis e que não resultam, mas no final fica um trabalho mais homogéneo do que se possa pensar fruto do talento de Austin Taft.

7.5/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.