WOM Reviews – Bewitcher / Attick Demons / Temtris / Rhapsody Of Fire / Razor / Ironbound / Reina Negra / Trick Or Treat

WOM Reviews - Bewitcher / Attick Demons / Temtris / Rhapsody Of Fire / Razor / Ironbound / Reina Negra / Trick Or Treat

Bewitcher - “Cursed Be Thy Kingdom”

2021 – Century Media

Já “Under The Witching Cross”, o álbum anterior dos Bewitcher, tinha sido um excelente álbum e não é de todo surpreendente ver os norte-americanos numa nova casa como a Century Media. E também não é surpreendente encontrar neste que é o seu terceiro álbum um excelente trabalho. A junção do black metal com o thrash e heavy metal não é nova, até porque normalmente enche-se de contornos nostálgicos e “Cursed Be Thy Kingdom” não escapa a essa fórmula. No entanto soa tão fresco como se estivessemos a ouvir heavy metal pela primeira vez. Essa frescura que nos chega em temas como “Mystifier (White Night City)” é contagiante pela forma como nos remete para os elementos chave do heavy metal, aquela sensação de ter um impacto tal que obriga a pegar nos instrumentos e a querer fazer algo parecido, esse sentimento apaixonante que é fácil de se reconhecer nos outros quando está enraízado interiormente. Um disco à antiga que sabe muito bem ouvir agora.

9/10
Fernando Ferreira

Attick Demons – “Atlantis”

2011/2021 – ROAR! Rock Of Angels Records

Momento de celebração. O já clássico álbum de estreia dos Attick Demons atinge a primeira década de vida e é razão para celebração. Como celebramos? Com uma edição em vinil e com a inclusão de um código de download para cinco rendições acústicas que são de elevado bom gosto. Ouvir canções tão emblemáticas como “City Of Golden Gates” e “The Flame Of Eternal Knowledge” faz-nos sentir uma dualidade de emoções. Por um lado parece mentira que já passaram dez anos, por outro faz-nos pensar “só?” Afinal estão aqui alguns dos grandes clássicos da banda portuguesa. Mais do que distorcer o tempo, “Atlantis” é um excelente álbum de heavy metal que está a envelhecer de forma fantástica e que esta é uma fantástica prenda para os fãs da banda e coleccionadores de vinil. Obrigatório!

9/10
Fernando Ferreira

Temtris – “Ritual Warfare”

 2021 – WormHoleDeath

Os Temtris são uma das grandes bandas de heavy/power metal da Austrália. Não é que tenha um conhecimento aprofundado do que por lá se passa mas desde que “Rapture” foi editado em 2018 que fiquei com esta convicção que ainda não foi contrariada. Este é já o sexto álbum de originais e não desiludem. A voz de Genevieve Rodda tem uma classe inconfundível – como aproximação mental, usem esta imagem, a Adelaide Ferreira em todo o seu poderio hard rock e com umas vitaminas em cima – e o instrumental continua a ser de extremo bom gosto, algo que temas como “Forever” e o tema-título sugerem. Heavy metal com alma e poder. Precisamente o que o médico recomenda.

9/10
Fernando Ferreira

Rhapsody Of Fire – “I’ll Be Your Hero”

2021 – AFM Records

O comunicado da banda introduz “I’ll Be Your Hero” como um aperitivo para um novo longa duração. Assim dos mestres do power metal sinfónico poderíamos esperar aquilo a que já nos habituaram, mas na minha opinião há um ligeiro descolar relativamente ao som proeminente nas músicas dos Rhapsody Of Fire no passado e a faixa título é disso um bom exemplo, pois apesar de toda aquela sonoridade épica apresenta uma sonoridade mais catchy com riffs e melodias muito “simples” e mais apelativas mantendo o poder do seu som sempre presente. Tudo o resto é Rhapsody Of Fire e então as faixas ao vivo são por demais uma demonstração da forma como a banda soará ao vivo…como nunca tive oportunidade de os ver fiquei com água na boca! Venha o álbum!

10/10
Miguel Correia

Razor – “Escape The Fire”

1984/2021 – High Roller Records

Reedição da segunda demo dos canadianos, uma demo que no final de contas era um álbum. E se já passámos antes por análise de reedições de demo que têm um som de fugir, este não é o caso, com uma produção clássica e cheio de poder. A banda estava nesta altura ainda longe do thrash/speed metal impiedoso e encontramos aqui muitos temas que estão dentro de uma toada mais hard’n’heavy. Muitos destes temas viriam a figurar no álbum de estreia, pelo que é um bom motivo para ter as versões embrionárias desses temas. É uma boa oportunidade para todos os que gostam de coleccionar pedaços de história.

8.5/10
Fernando Ferreira

Ironbound – “The Lightbringer”

2021 – Ossuary Records

Estreia entusiasmante dos polacos Ironbound. Apesar de não ser uma colagem imediata, os Ironbound fazem lembrar outra banda que tem “Iron” no nome. Sim, esses mesmos mas mais pela voz de Łukasz Krauze que tem um timbre semelhante à de Blaze Bailey. Já instrumentalmente as semelhanças não se verificam com a mesma fase, fazendo lembrar mais a fase tradicional, embora um pouco mais musculada do que aquilo que alguma vez os Maiden foram. No entanto, saindo fora do jogo de comparações, “The Lightbringer” consegue trazer um heavy metal que cativa facilmente qualquer um que gosto do estilo. Um álbum à antiga que poderá ser ingénuo mas que ganha pontos por essa ingenuidade que já começa a ser algo em extinção nos dias de hoje. Estreia promissora, vamos ouvir falar mais vezes no futuro.

8/10 
Fernando Ferreira

Reina Negra – “Aquelarre”

2021 – Fighter Records

Os Reina Negra regressaram? Infelizmente não.  Então porque estou a fazer esta review (um pouco tardia, na verdade, mas como diz o ditado, vale mais tarde que nunca)? Estou a fazer esta review, porque a Fighter Records reeditou, em Fevereiro deste ano, todo o material gravado pelo quarteto espanhol, ao longo dos seus 6 anos de existência mais visível (1981 – 1987), pois na verdade, as suas origens remontam a 1978.

“Aquelarre” reúne as duas demos de Reina Negra, gravadas em 1984 e 1986, às quais acrescenta quatro temas gravados ao vivo, em 1982.

Ouvir Reina Negra é viajar no tempo, até Espanha dos anos oitenta do século passado, (que não era assim tão diferente de Portugal): uma juventude irreverente com um percurso tantas vezes interrompido por um serviço militar obrigatório, que encontrava na música o seu veículo de expressão. A vontade de fazer, o inconformismo, a crítica social, estão bem patentes na sua música e letras, como “Inquisición”, “El Anticristo (Infierno en la Tierra) ou “Nadie Nos Hara Cambiar”. A energia transmitida pela banda é facilmente apreendida nos temas ao vivo, onde a interacção com o público se destaca.

“Aquelarre” é um ícone do heavy metal de guitarras bem destacadas e voz arranhada, que marcou uma época e uma geração, não só de Espanha mas de todos os fãs e seguidores deste estilo no idioma vizinho. Pena que nem todos tenham tido o futuro e o sucesso merecido. Mas enquanto houver memória e reedições como “Aquelarre” a história do heavy metal espanhol e as suas bandas não serão esquecidos.

8/10
Rosa Soares

Trick Or Treat – “The Unlocked Songs”

2021 – Scarlet Records

“The Unlocked Songs”, é uma divertida coleção de “b-sides” com algumas coisas inéditas que agora viram a luz do dia.

Os Trick Or Treat são uma banda com quase duas décadas de vida e com muito pedal na cena e ao mesmo tempo é daquelas que uns olham de lado e outros ficam rendidos….bem, eu ando aqui pelo meio…se momentos houve em que não fiquei muito convencido com as propostas que nos eram oferecidas em outros o meu sorriso era indisfarçável fruto da qualidade apresentada.

Mas, ok, isso são outras guerras de opinião que não é o mais importante nesta review. Aqui o que está em causa é que este “The Unlocked Songs” é resultado da paragem obrigatória na sequência da situação que estamos a atravessar muito dos anos de existência da banda e antecipa também a entrada, assim que possível, em estúdio para a gravação de um novo álbum. Até lá temos aqui um punhado de composições cheias de estilo que certamente vai deliciar os fãs da banda.

10/10
Miguel Correia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.