WOM Reviews – DGM / Sólstafir / Simon Collins / Ambassadors Of The Sun / Nuclear Power Trio / Silent Eyes / Gargoyl / Jakko M Jakszyk

WOM Reviews - DGM / Sólstafir / Simon Collins / Ambassadors Of The Sun / Nuclear Power Trio / Silent Eyes / Gargoyl / Jakko M Jakszyk

DGM – “Tragic Separation”

2020 – Frontiers Music

A banda italiana é na minha opinião um exemplo de resistência que nem as mudanças de lineup deitam abaixo.

“Tragic Separation” é o décimo trabalho de estúdio e mais um poderoso lançamento dentro da linha seguida em “Momentum” e de “The Passage”. Assim, este disco, composto por dez temas é um mar de riffs e solos tecnicamente elaborados, dentro do metal progressivo, imagem de marca da banda, cheio de energia e pujança musical. Simplesmente adorei a faixa que dá nome ao álbum, a sua textura é simplesmente impressionante e é daqueles que só por si seria suficiente para recordar este trabalho.

10/10
Miguel Correia

Sólstafir – “Endless Twilight of Codependent Love”

2020 – Season Of Mist

Sólstafir certamente não será um nome desconhecido para muitos, mesmo que alguns destes não conheçam os seus trabalhos. Formada em 1995 na Islândia, esta banda desenvolveu uma celebrada carreira dedicada ao black metal e, mais recentemente, ao post-metal. O seu mais recente projeto, o “Endless Twilight of Codependent Love”, enquadra-se neste último estilo. Apesar de já ter mencionado no passado que me é difícil compreender ou apreciar os estilos “post” admito, no entanto, que “Endless Twilight of Codepent Love” é um álbum com uma sonoridade cativante que me agradou bastante mais do que inicialmente esperara. É um álbum repleto de melancolia, mas que nem por isso deixa de ter os seus momentos mais intensos. Além disso é também curioso reparar como apesar de ser um álbum particularmente longo (pouco mais de 1 hora) consegue evitar repetições, mantendo-se sempre num tom romântico-melancólico bastante diferenciável de faixa para faixa, sendo excecional na criação do seu ambiente. É um excelente álbum de entrada para qualquer um que nunca tenha ouvido esta banda com atenção visto que deixa uma grande curiosidade pelos outros trabalhos da banda situados dentro do post-metal (algo incrível em mim). O Pai Natal veio mais cedo com “Endless Twilight of Codependent Love”.

8.5/10
Matias Melim

Simon Collins – “Becoming Human”

2020 – Frontiers Music

Corria o ano de 2013, quando um álbum intitulado “Dimensionaut”, causou surpresa e fez algumas ondas grandes no mundo progressivo. Esse álbum, dos Sound of Contact, foi ideia de Dave Kerzner e Simon Collins, com um som único, fez parte da nova onda de álbuns da última década que viu um ressurgimento no rock progressivo.

“Becoming Human” é o quarto lançamento solo de Simon, após sua estreia com “All of Who You Are” (2000) e é um disco cheio de excelentes músicas para ouvir calmamente e sem pressa porque se assim não for, vão, certamente, deixar por fazer o que teriam só para o ouvir.

10/10
Miguel Correia

Ambassadors Of The Sun – “Orbiting A Dead Star”

2020 – Edição de Autor

Quando nos surgem comunicados de imprensa ambiciosos que nos dizem algo como “reúne estilos e influências musicais desde a década de sessenta até à actualidade”, inevitavelmente fico de pé atrás. Normalmente é o código postal para a desilusão. Felizmente aqui não é de todo o que temos. Aliás, nem sei se a descrição em questão é aquela que melhor se adequa ao que podemos ouvir mas sem dúvida que a música dos Ambassadors Of The Sun é para lá de ambiciosa. Um metal progressivo que vai do extremo à world music mas que não se perde em devaneios desnecessários ou em gimmicks para chamar a atenção (num mundo que está sobrepovoado de tácticas assim). A música é quem fala mais alto, de forma melódica, sempre, mas nunca deixando o peso para trás. Isto tudo é o que faz com que este seja um dos grandes tesouros de 2020.

9/10
Fernando Ferreira

Nuclear Power Trio – “A Clear And Present Rager”

2020 – Metal Blade Records

Esta capa é deliciosa. Simplesmente deliciosa. Poderá até parecer algo digno de uma banda thrash / crossover vinda dos Estados Unidos. Por acaso em relação ao local, acertamos em cheio, mas a política resume-se apenas à capa (e aos hilariantes títulos) já que musicalmente o que se tem é um rock/metal instrumental à boa maneira shred apesar de o trio se assumir realmente como Donald Trump (na guitarra de oito cordas), Vladimir Putin (no baixo de seis cordas) e Kim Jong Un (na bateria). O que é uma escolha interessante mas no final o que interessa mesmo é a música, que é excelente. EP interessante e que deixa a curiosidade no ar para ver até que ponto irão nesta designação curiosa das suas identidades.

8/10
Fernando Ferreira

Silent Eyes – “Silent Eyes”

2020 – Edição de Autor

Trabalho a solo de Keelan Butterick, dos Stare At The Clouds. Como esta banda toca metal progressivo, poderá haver alguma justificação para dizer que Silent Eyes, dada a sua natureza acústica, seja rock progressivo. E até poderei estar inclinado a concordar, não tivesse ele também uma forte alma folk, quer pelo timbre de Keelan, quer pelas melodias. Na verdade é uma junção dos dois que faz a totalidade daquilo que temos aqui onde a emoção é bastante forte. Não sei se este será um projecto que vai crescer para além deste simple EP mas espero bem que sim.

8/10 
Fernando Ferreira

Gargoyl – “Gargoyl”

2020 – Season Of Mist

É tão bom ver as editoras e/ou os seus departamentos de marketing à nora com a categorização das suas próprias bandas. Quero dizer, não é bom. É engraçado de uma forma trágica porque quando isso acontece, depressa chega-se à conclusão que não é falta de jeito, que há motivação para essa desorientação. Em defesa da Season Of Mist e do rótulo que enjorcaram para este álbum de estreia – grunge rock progressivo – os Gargoyl não facilitam em nada. O rótulo progressivo cai aqui bem sem dúvida, mas há um sentimento de estarmos perante algo tão inqualificável que é impossível ficar-se confortável. Mas vai ter que servir – rock progressivo alternativo. Melodias vocais assombrosas pela forma como funcionam em coro enquanto instrumental temos um certo sentimento Melvins e Fântomas sem ser tão frenético ou alucinado. É uma aposta arriscada pela banda que não sei se vai colher os frutos esperados, mas a longo prazo poderá estar aqui uma potencial pérola. É preciso muita habituação e muito mais do que audições constantes – tentei e não consegui ir para além disto. Pequena nota – a capa é fantástica e ilustradora do que se passa aqui. Ou seja, reconhecemos o belo efeito mas não conseguimos perceber o que raio estamos a ver. Ou a ouvir.

7/10
Fernando Ferreira

Jakko M Jakszyk – “Secrets & Lies”

2020 – InsideOut Music

O nome Jakko M Jakszyk não é desconhecido para aqueles que acompanham a carreira dos King Crimson para além dos álbuns clássicos da década de setenta. Aliás, é um nome que pertence à história bastante mais recente da seminal banda de rock progressivo extravagante, exercendo a posição de frontman e guitarrista desde 2013. Nesta sua aventura a solo conta também com muitos ilustres nomes ligados à sua banda, dando-se o destaque para Robert Fripp e Tony Levin num alinhamento de verdadeiro luxo. É um álbum bastante sólido onde apesar de não ser propriamente excêntrico tem um excelente bom gosto e dá às melodias tratamento de luxo. Mais introspectivo, contido e até tradicional, este é um registo que poderá pecar por ser discreto, mas os apreciadores não se vão queixar.

7/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.