WOM Reviews – Hieros / Derhead / And Now The Owls Are Smiling / SevenSins / Aeterna Tenebrae / Ancient Burial / OmegaThrone / Eisenkult

WOM Reviews - Hieros / Derhead / And Now The Owls Are Smiling / SevenSins / Aeterna Tenebrae / Ancient Burial / OmegaThrone / Eisenkult

Hieros – “Triduum”

2020 – Mourning Light Records

Nada mau este primeiro contacto com os norte-americanos Hieros. Black metal melódico de alto nível onde não encontramos grandes falhas – o facto de ficarmos instaisfeitos por estarmos perante temas apenas não é propriamente válido para a qualidade (ou falta dela). Dinâmico e o coração no sítio certo na escolha das melodias, há o factor clássico e a conjugação de várias vertentes (algo de muito grego neste tipo de voz e nalguns riffs mas também temos um bocado o espírito nórdico) com o resultado a cativar-nos.

9/10
Fernando Ferreira

Dearhead – “Irrational I”

2020 – Brucia Records

Querem saber a razão pela qual gosto de black metal? Além dos ambientes, das atmosferas únicas que consegue criar? É mesmo a forma como se consegue adaptar, expandir (ou se necessário e se houver vontade para isso, tornar-se ainda mais hermético) e causar sempre um impacto. Impacto é o que não falta a estes dois temas que, sendo longos, acabam por nos levar numa viagem como se fosse um álbum. Uma viagem que queremos ver repetida várias vezes. Black metal dinâmico que prende sem encontrar resistência.

9/10
Fernando Ferreira

And Now The Owls Are Smiling – “The Comforting Grip Of Misery”

2019 – Clobber Records

Segundo álbum do projecto And Now The Owls Are Smiling, uma one-man band de black metal atmosférico e depressivo. Com alguns pontos em comum com o pós-black metal, as melodias em tremolo picking são mesmo as principais armas que temos aqui. Isso e, claro, toda a atmosfera criada que se sente mesmo como única. Não, não somos ingénuos em dizer que este trabalho é original, apenas que dentro da fórmula onde se inserem, conseguem criar música mesmo muito interessante. Um álbum que vai crescendo a cada audição.

8.5/10
Fernando Ferreira

SevenSins – “Legends Of Kazakhstan”

2020 – Satanath Records

Porque raio é que uma banda daria a um trabalho seu o título “Legends Of Kazakhstan”? Exacto, porque é mesmo do Cazaquistão. Como já devem ter percebido, nós aqui gostamos dos subestimados e como tal, bandas que nos chegam de países inesperados (como o Cazaquistão) chamam-nos logo a atenção. Neste caso, os SevenSins nem preciso de usar essa carta porque a sua música, ainda que sem oferecer surpresa, é bem forte e com qualidade inquestionável. Black metal com uns pingos de death metal e com um som bem bruto, capaz de mandar abaixo um prédio. Que seja uma lição para todos vós cépticos e salteadores de coisas originais. Por vezes não queremos coisas originais. Por vezes só queremos é mesmo mandar um prédio abaixo. Acaba com uma cover dos Суицид, uma referência na música extrema do país que só editou um álbum de originais em 1996.

8.5/10
Fernando Ferreira

Aeterna Tenebrae – “Maledictus Aeternum”

2019 – Ossuaire Records

Estreia discográfica dos Aeterna Tenebrae, duo francês que tem um som mais elaborado e melancólico (melódico também mas sem grandes exageros) dentro do black metal. Isto de uma forma tradicional, mais indicado para aqueles que continuam com saudades do que se fazia na década de noventa. Álbum bem conseguido com bons temas e bons riffs – são estes últimos que mais marcam ao longo de “Maledictus Aeternum”.

8/10
Fernando Ferreira

Ancient Burial – “Beyond the Watchtowers”

2020 – Signal Rex

Já o disse tantas vezes que se arrisca a tornar-se um cliché, mas o impacto da Signal Rex, no Black Metal nacional e no modo como o mesmo é projectado para fora das fronteiras portuguesas, é tremendo. Que isto não seja, de modo algum, visto/lido como bajulação. Nenhum de nós, na World of Metal, olha para a Música dessa forma e, não tenho dúvida alguma, tal manter-se-á. Mas não sou, de igual modo, pessoa de “guardar” palavras boas/positivas, limitando-me a “falar mal” só porque sim. A Signal Rex tem sido, sim, um motor do/para o meio Black Metal nacional. Mas não é o único, que fique bem claro. Desta feita “nasce” mais uma entidade estreitamente associada à SR e a um trio ligado à mesma de um modo quase umbilical. Seja no projecto A ou o projecto B, estes senhores já deixaram a sua marca – e não têm sido poucas – no Black Metal nacional e no selo nacional. Ancient Burial conta com músicos de Irae, Mons Veneris, Degredo, Vetala ou Occelensbrigg. Top-notch quality, right? “Beyond the Watchtowers”, editado este ano, é o primeiro trabalho deste colectivo e mostra que o Black Metal nacional é aquilo que ando a dizer há tempo a mais: num Mundo cada vez mais globalizante e globalizado, a cena nacional segue na senda de vitórias e conquistas, não ficando, em nada, atrás do que lá fora se faz. Para aqueles que estão familiarizados com o que os músicos acima referidos têm feito todos estes anos, estes Ancient Burial não soarão distantes, deslocados ou desenquandrados das linhas a que nos têm habituado. Ambiente e atmosfera, um som podre e necro, uma melodia escondida no fundo daquele “poço sonoro” que os músicos criam. É algo imensamente fora da esfera do já conhecido? Não, não o é; está ao nível dos referidos projectos? Considero que sim, sem dúvida. Saído das mentes criativas por trás de alguns dos meus projectos nacionais favoritos, não esperava algo menos que soberbo. Garantia de que agradará a todos os “seguidores” do Black Circle e bandas/projectos “satélites”.

8/10 
Daniel Pinheiro

OmegaThrone – “In Loving Memory Of Humankind”

2020 – Edição de Autor

Sabemos muito pouco sobre esta banda britânica que inicia aqui o seu percurso de álbuns originais. Mistura dinâmica entre black e death metal, com melodia e com alguns momentos compassado que não ficam desfasados de uma proposta mais doom. O facto de não o conseguirmos encaixar num sítio específico faz com que seja algo que nos fica na memória. Outro factor bastante interessante é a forma como em termos líricos a banda até acaba por focar mais aspectos sociais do que propriamente algo voltado para a fantasia. “Children Of Hitler” está particularmente bem conseguida neste aspecto, mais real e familiar do que everia ser.

7.5/10
Fernando Ferreira

Eisenkult – “… Gedenken Wir Der Finsternis”

2020 – Purity Through Fire

Confesso que a intro (chamada apenas de “intro”) movida a sintetizadores retro a lembrar o final da década de setenta e o início de oitenta, não me impressionou, mas depois o black metal levemente melódico de “Stahlross” acabou por conseguir capturar a atenção. E esta poderia ser uma bela história de amor, caso os malvados sintetizadores do inferno não voltassem a dar ar de sua (des)graça. Parece uma montanha russa, não muito alucinante, em que os momentos são esses mesmos pormenores. Tendo em conta que o álbum tem menos de meia hora, ficamos com a sensação de que ouvimos muito pouco para o que diz respeito a álbum. Portanto, estamos cépticos. Motivos para gostar mas… cuidado com os sintetizadores.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.