WOM Reviews – Vreid / Sojourner / Eonian / Utburd / Dargor / Schysma / Pulse / Curse Of Eibon

WOM Reviews - Vreid / Sojourner / Eonian / Utburd / Dargor / Schysma / Pulse / Curse Of Eibon

Vreid – “Wild North West”

2021 – Season Of Mist

Os Vreid são uma banda bastante incomum dentro do panorama do black metal noruguês. Tão  incomuns que desde o início da sua carreira que esse rótulo nunca lhe foi confortável embora usassem e ainda usem muitos dos elementos característicos. “Wild North West” vai buscar algumas melodias do antigamente – fruto da pesquisa que Hváll fez sobre pedaços e ideias de música que tinha de Valfar, antigo companheiro dos Windir cujo falecimento precipitou o fim dessa banda e o nascimento de Vreid. É um álbum fácil de observer mas que ainda assim é tudo menos previsível, o que só faz que dê tanto prazer a ouvi-lo pelas diferentes paisagens e sentimentos que provoca. Será provavelmente o álbum mais profundo e maduro de uma banda que sempre primou por fazer trabalhos assim.

9.5/10
Fernando Ferreira

Sojourner – “Perennial”

2021 – Napalm

Vinha eu todo lampeiro e contente pelos Sojourner voltarem, inesperadamente, com mais um álbum de originais quando me apercebo de que é um EP com apenas dois temas. A vida tem destas desilusões mas continuamos a falar de Sojourner, não é verdade? Alguma coisa boa tem de ver daqui mesmo algo que nos faça colmatar a desilusão de termos apenas duas músicas novas. E se este for mesmo a preparação para o próximo álbum, então já se fica com as expectativas em alta. O tema-título é uma bela peça de black folk metal atmosférico e melódico que nos faz mergulhar facilmente ao longo de sete minutos enquanto “Relics Of The Natural Realm” traz aquela sensação única de estarmos a ser transportados para uma outra dimensão, terra de fantasia onde nos aprendemos a refugiar ao longo dos tempos. Um tema melódico e belo como sempre, o que faz com que este EP seja mais um item a adquirir em vinil. Obrigatoriamente.

9/10
Fernando Ferreira

Eonian – “The Nomad”

2021 – Edição De Autor

Quantas vezes já me perdi com bandas a começarem a sua carreira com lançamentos que me deixam derreado. Neste caso não é um álbum mas é um EP com igual potencial. E sim, é metal sinfónico em todo o seu esplendor. Por muito que já se esteja farto de arroz… peço desculpa, mau exemplo. Por muito que se esteja farto de frango, nunca é demais comer frango. Para não comer carne, pode comer o frango do mar, atum. E para quem for vegan, pode comer alho francês, o frango vegetal. Resumindo a ideia, nunca é demais comer frango, principalmente quando nos é apresentado com o requinte que temos aqui. Melodia e arranjos orquestrais, sem dúvida mas também solos, coros e pedigree metálico suficiente para nos deixar imediatamente convencidos deste projecto do multi-instrumentista Jaume Antuñano.

9/10
Fernando Ferreira

Utburd – “Story Of Frozen Souls”

2021 – GrimmDistribution

Terceiro álbum da one-man band russa Utburd (designação que baptizou umas quantas outras bandas/projectos tanto na Rússia como na Ucrânia) que consegue causar um bom ambiente e interesse apesar de uma intro algo genérica dentro dos parâmetros do black metal melódico. Musicalmente as paragens até vão mais para o doom e para o black metal atmosférico, uma mistura que é perfeita para aquilo que aparenta ser um álbum conceptual – sobre o qual não temos grandes informações infelizmente. Mas é a música o nosso principal objectivo e como tal é aquela que mais nos contagia. E neste caso até contagiou, um álbum com boas dinâmicas e com bons temas, onde a tentaçãod e fazer algo grandioso não atropela o ter temas sólidos – ainda que muitos deles se prolonguem para lá dos seis minutos.

8/10
Fernando Ferreira

Dargor – “Descent Into Chaos”

2021 – Edição de Autor

Os polacos Dargor são um bom exemplo de uma banda que apesar de se inserir no espectro do black metal poderá encaixar noutros estilos – ou pelo menos tem potencial para fazer isso facilmente. Uma aproximação óbvia à sonoridade clássica dos Samael, não sendo por acaso a cover à “Crown”, como também à sonoridade mais black’n’roll dos Satyricon. Não será para os trve e não é uma abordagem popular e vistosa, mas resulta de forma positiva num EP onde todos os temas têm impacto positivo, cover incluída.

8/10
Fernando Ferreira

Schysma – “Schysma”

2021 – WormHoleDeath

Segundo álbum dos excêntrucis Schysma. Nos dias de hoje, esta é a melhor forma de sobressair da multidão. Apresentar algo que seja distinto, excêntrico. Mas que seja natural – excentricidade fabricada tem perna curta. Os Schysma têm esse dom, a sua sonoridade insere-se num género já muito explorado do metald e contornos sinfónicos e góticos com recurso a uma voz femina poderosa. É a voz de Eliana Sanna que chama a nossa atenção antes de mais, com os tons operáticos a irem e a virem, e com grande poder (ou estarlhadaço) fazer concentrar as atenções. Tuydo isto conjugado poderá sugerir e necessitar de habituação mas a soma final é positiva. Recomenda-se é para pessoas que apreciem todos os elementos atrás citados, caso contrário poderão haver motivos para torcer o nariz.

7/10 
Fernando Ferreira

Pulse – “Impulse”

2020 / 2021 – WormHoleDeath

A estreia dos mexicanis Pulse consegue surpreender logo deste o início. Uma abordagem gótica e progressiva que nos surge como original – dentro dos limites que a palavra está confinada no que à música diz respeito nos dias de hoje – e refrescante tendo em conta que não é um estilo de som que transpire cá para fora vindo de lá. E este tem certamente os seus méritos. Não é vistoso mas sem dúvida que tem qualidades suficientes para todos os fãs deste estilo de som. Nomeadamente do gótico. A segunda metade do disco parece esmorecer o entusiasmo e isso prejudica um pouco a sua apreciação mas não lhe retira o facto de ser uma estreia positiva.

6/10
Fernando Ferreira

Curse Of Eibon – “Book Of Eibon”

2020 – Edição de Autor

Os Curse Of Eibon lançaram este EP no final de 2020 e foi o seu primeiro lançamento. A sonoridade é problemática – calma, não há problema nenhum, podem continuar a circular. Problemática porque é melódica sem ser propriamente catchy e é pesada sem ser propriamente extrema. Aquele equilíbrio que ou traz grandes vitórias ou pode fazer com que se passe despercebido. Que é o que acontece um bocado aqui. Pouco fica destes temas apesar da energia da banda ser interessante. Fica, contudo a vontade de ouvir mais num futuro próximo.

6/10
Fernando Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.